Confira nossa versão impressa

Cardeal Pell: ‘A Igreja não é um negócio, mas isso não justifica ineficiência ou corrupção’

POR JOÃO FOUTO

Cardeal Pell: ‘A Igreja não é um negócio, mas isso não justifica ineficiência ou corrupção’
Cardeal George Pell (Reprodução da internet)

“Nós cremos que a graça opera por meio da natureza”. O cardeal George Pell, em uma de suas primeiras manifestações após ter sido absolvido de graves acusações em abril deste ano, falou sobre a gestão do dinheiro e finanças na Igreja. Isso se deu em uma reunião virtual para o lançamento do Global Institute of Church Management (Instituto Global para a Administração da Igreja), organização laica sem fins lucrativos baseada nos Estados Unidos, que quer ajudar a Igreja a aplicar melhores práticas de administração.

“Sem dúvidas, o dinheiro é um dom de Deus. É também uma tentação”, disse o Cardeal. “Dizer que a Igreja não é um negócio não oferece justificativa alguma para que nós sejamos ineficientes e, muito menos, corruptos”, continuou.

Segundo Sua Eminência, é importante ter conhecimentos básicos de economia, finanças, administração, ética e doutrina social. Todavia, mencionando seu encargo precedente, de reformar as finanças do Vaticano, o Cardeal afirmou “que é mais difícil converter uma pessoa para Cristo do que reformar as finanças do Vaticano”.

Por isso, manifestou sua gratidão pelo esforço de ajudar sacerdotes e leigos a entender como efetivamente trabalhar em cargos de gestão da Igreja. “Quando consideramos os empreendimentos da Igreja, o modo como servimos as pessoas, não é suficiente estar sempre rezando e ter uma fé firme, temos de ser capazes de pôr nossas ideias em ação, e isso significa que devemos ser capazes de implementar nossos serviços às pessoas, temos que ser capazes de lidar com outras pessoas”.

O Cardeal Pell congratulou o Instituto por construir parcerias, criando recursos que apoiam o ensino da Igreja e continuando a pesquisar novas práticas para serem implementadas nas paróquias pelo mundo.

(Com informações de Rome reports)

NOTA EDITORIAL

É absolutamente necessário que existam instituições encarregadas de aplicar a justiça na sociedade. Essas instituições, porém, por melhor que tenham sido desenhadas, são compostas por pessoas e, portanto, estão sempre sujeitas a erros e desvios. O caso do Cardeal George Pell tornou-se famoso por sua importante posição no governo da Igreja, pela intensa perseguição midiática e pelo obscurantismo e falta de provas que permearam o processo. Apesar das acusações – ter abusado de dois menores de idade ao mesmo tempo, em uma catedral que estava cheia de pessoas, na sacristia, cuja porta estava aberta – carecerem de quaisquer fundamentos, o Cardeal passou 405 dias na cadeia. Em abril deste ano, a Suprema Corte australiana o absolveu unanimemente.

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

O primeiro jornalista a ser beatificado

JOÃO FOUTO Manuel Lozano Garrido, incansável autor do meio jornalístico, nasceu há cem anos, em agosto de 1920

COVID-19: para o seu bem e pela vida do próximo, proteja-se!

Aos cristãos, de modo especial, cumprir as orientações sanitárias para evitar a proliferação do novo coronavírus é uma postura de coerência de...

A família é a primeira responsável do processo educativo

Este foi um dos destaques da live da quarta-feira, 12, na programação arquidiocesana da Semana Nacional da Família

Todos Somos Hum

Três amigas mostram a força da solidariedade, em projeto desenvolvido em favor das pessoas em situação de vulnerabilidade social, amplificada com a...

Cura d’Ars é modelo para aqueles que desejam ser bons pastores

É o que destacou o Cardeal Scherer, Arcebispo Metropolitano, em missa no Seminário Maior de Filosofia da Arquidiocese de São Paulo

Newsletter