Confira nossa versão impressa

Missão Belém: 15 anos sendo família para quem não tem família

Missão Belém: 15 anos sendo família para quem não tem família
Luciney Martins/O SÃO PAULO

Reviver o mistério de Belém: “Jesus que nasce pobre no meio dos pobres, numa mísera gruta, acolhido com carinho por Maria e José”. Foi com esse objetivo que, em 2005, surgiu, em um pequeno barraco de madeira, na comunidade Nelson Cruz, no bairro do Belenzinho, na zona Leste de São Paulo, a Missão Belém, por iniciativa do Padre Gianpietro Carraro e da Irmã Cacilda da Silva Leste.

Nesses 15 anos, mais de 80 mil pessoas foram acolhidas e grande parte se deve aos próprios ex-irmãos de rua restaurados e que se tornaram missionários. Hoje, a missão abriga 700 doentes e 1,3 mil irmãos de rua. No total, são 2,2 mil pessoas acolhidas em 180 casas, tudo isso feito de forma gratuita e voluntária.

RESTAURAR VIDAS

“Nós só temos a oferecer uma amizade e um abraço sem medo, e isso os órgãos públicos não podem dar. Iniciamos um diálogo familiar, lemos um trecho bíblico e fazemos uma oração. As pessoas, muitas vezes, se sentem tocadas, seja pelo relacionamento humano, seja pela própria oração, e assim escolhem sair da Cracolândia e vir conosco”, disse Padre Gianpietro Carraro ao O SÃO PAULO.

O Sacerdote reforçou que essa caminhada de restauração das drogas e do álcool é proposta durante seis meses. Após vivenciar a experiência em uma das casas, são convidados a refletir se desejam retornar à sua família ou ao convívio social; cerca de 53% desejam permanecer e ajudar na acolhida dos irmãos e no cuidado dos doentes.

“Deus nos ajuda a entrar na situação deles, sentar no chão da calçada e descer onde eles estão; nesse olhar, começa esse relacionamento, e isso é algo muito inspirado por Deus. É um ir ao encontro. Eles falam que muitas pessoas levam marmitas, mas não permanecem; nós ficamos”, disse à reportagem a Irmã Cacilda.

TRANSMITIR O AMOR E O CUIDADO

Missão Belém: 15 anos sendo família para quem não tem família
Luciney Martins/O SÃO PAULO

 A pandemia do novo coronavírus está sendo uma grande preocupação para as casas de acolhida, pois a maior parte dos irmãos é idosa. Por isso, foram tomadas medidas rígidas de isolamento, controle de visitas e de higiene.

Sobretudo neste período de pandemia, foram recebidas muitas doações de máscaras, álcool em gel, além dos alimentos e verduras que chegam diariamente por meio de pessoas, instituições ou paróquias.

“Insistimos muito no fato de que a Missão Belém é uma obra de evangelização e não de assistência social, queremos transmitir o amor de Deus e fazer sentido às pessoas. E esse amor também é comida, roupa, cuidados médicos etc.”, completou o Padre Gianpietro.

UM LOCAL DE ACOLHIDA

O Edifício Nazaré, localizado na Praça da Sé, desde 2018 acolhe o projeto “Vida Nova”, que diariamente, por períodos de três dias, recebe pessoas que desejam deixar as ruas ou a dependência química por meio do projeto da Missão Belém.

Diego da Silva Pereira, 22, chegou do Maranhão com 18 anos para trabalhar em São Paulo como padeiro, mas começou a se envolver com álcool e drogas. O jovem perdeu o emprego, alguns amigos o acolheram em suas casas, mas o vício o levou até a Cracolândia.

Foi quando Pereira, em busca de comida, chegou ao Edifício Nazaré. A intenção era ficar apenas três dias, mas a acolhida e o cuidado dos missionários o impressionaram. Ele foi enviado ao Sítio São Miguel Arcanjo, em Jarinu (SP), e foi ali que, ao participar dos momentos de oração e cuidar dos doentes, fez uma grande restauração.

“Não consigo me imaginar sem cuidar dos idosos. Meu serviço era sempre pesado e agora cuido de vidas, algo que nunca passou pela minha cabeça. Deus está me capacitando para ter essa responsabilidade, e nisso estou muito feliz; a missão é uma família que eu nunca tive”, disse Pereira. Hoje ele é responsável pelos medicamentos na Casa Guadalupe.

 O CUIDADO COM OS IDOSOS

Missão Belém: 15 anos sendo família para quem não tem família
Luciney Martins/O SÃO PAULO

A Casa Guadalupe, no bairro do Belenzinho, acolhe atualmente 96 moradores, 64 deles enfermos, sendo a grande maioria idosos. Cerca de 30 moradores ajudam no cuidado com os doentes, grande parte recuperados.

Emanuel Messias Guedes do Nascimento, 42, é o coordenador da casa. Paraibano, ele chegou a São Paulo com 17 anos, trabalhou, fez alguns cursos, mas acabou se entregando ao vício das drogas e morou durante cinco anos na rua. Em 2007, se surpreendeu quando, no local onde dormia, encontrou o Padre Gianpietro, Irmã Cacilda e os missionários da Missão Belém, que passaram aquela noite com ele e os demais companheiros em situação de rua. Aquela atitude mexeu muito com Nascimento, que resolveu passar um período no Sítio de Jarinu. Já são 13 anos de caminhada com a Missão Belém.

“Na rua tudo é descontrolado e aqui tem uma pessoa e acomunidade às quais devo obediência; diante das pessoas queme acompanham, tenho que fazer as coisas da maneira certa. Isso faz com que eu me torne uma pessoa melhor, me faz saber que o irmão aqui de casa depende de mim”, comentou Nascimento.

MISSÃO NO HAITI

Padre Gianpietro foi ao Haiti em 2010, logo após o terremoto que devastou o país. Com a Irmã Cacilda, iniciou no país um projeto que atende 1,8 mil crianças e adolescentes de 0 a 15 anos durante dez horas diárias.

O Centro Zanj Makenson desenvolve atividades e projetos na área da educação, saúde e profissionalização para os jovens. Além da Catequese diária, os alunos têm atividades pedagógicas, esportivas e lúdicas, incluindo cinco refeições.

Também há um centro nutricional e uma enfermaria que acompanham cerca de 60 crianças com desnutrição. Há um projeto de construção de um centro-escola: o objetivo é atender 3 mil crianças e adolescentes nos próximos anos.

(Sob supervisão de Daniel Gomes)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Retirar-se para ouvir a voz de Deus

O SÃO PAULO apresenta indicações para quem deseja realizar um retiro espiritual de maneira solitária e pessoal

Marcha pela Vida 2020: a mulher e o bebê têm igual direito de viver

Não foi como nos anos anteriores, com centenas de pessoas nas ruas, mas a Marcha pela Vida...

São João Paulo II: um Santo e poeta da Igreja

Dando sequência a série especial que rememora santos poetas da Igreja ao longo da história, O SÃO...

Polônia inaugura mural gigante de São João Paulo II no ano do centenário

Uma cidade polonesa inaugurou um mural gigante de São João Paulo II, em homenagem ao centenário de...

Declaração do Papa sobre homossexuais foi editada com fragmentos de entrevista de 2019

Cineasta utilizou trechos retirados do contexto original de uma entrevista do ano passado para compor afirmação do Pontífice a respeito das uniões...

Newsletter