Portugal: missas presenciais retornam com recomendações especiais

Orientações foram produzidas pela Conferência Episcopal Portuguesa

As cerimônias religiosas em Portugal com presença de fiéis puderam voltar a acontecer no último fim de semana, dias 30 e 31 de maio. A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou uma série de orientações para as celebrações com a intenção de evitar a propagação do novo coronavírus.

Portugal: missas presenciais retornam com recomendações especiais
Missa realizada no domingo, 31 de maio, na Diocese de Braga, Portugal

Entre as recomendações está a de que fiéis doentes ou que estão no grupo de risco não participem presencialmente das missas, mas que, se desejarem, peçam para receber a comunhão em suas casas.

Devem ser fixados cartazes nas paróquias com dizeres claros acerca das normas de higienização. Os fiéis devem higienizar as mãos antes de entrar na igreja, e as portas dos templos permanecerão abertas para que ninguém necessite tocar nas maçanetas. O uso de máscara é obrigatório, e ela poderá apenas ser tirada para a recepção da Eucaristia.

As igrejas não poderão receber os fiéis em sua capacidade máxima, e o número de participantes deverá ser proporcional ao tamanho do templo. Cada fiel terá que dispor de 4m² para garantir o espaçamento necessário e impedir a contaminação pelo vírus.

Recomenda-se, também, que para evitar lotação, as igrejas trabalhem com listas. Caso alguns fiéis não consigam participar da missa pela limitação no número de participantes, a CEP recomenda que a comunhão seja distribuída fora da missa, principalmente na liturgia da palavra não presidida por um sacerdote.

A CEP também recomenda as missas ao ar livre, sempre que o tempo o permita. Além disso, a proibição da água benta nas pias continua.

Uma pessoa deverá designada em cada paróquia para averiguar que o distanciamento está sendo respeitado durante as celebrações. Não é necessário separar membros da mesma família ou pessoas que vivem na mesma casa.

A CEP recomenda que as celebrações ocorram apenas com o número de acólitos necessários para o serviço ao altar e com poucos leitores.

A coleta não ocorrerá durante as missas, mas depois, quando pessoas designadas apresentarão as bolsas à saída da igreja. Essas pessoas deverão desinfetar a mão antes e depois de recolherem o dinheiro.

Na comunhão, os fiéis deverão manter o distanciamento. Marcas podem ser colocadas no chão para ajudar os comungantes a manter a distância. Se o sacerdote foi idoso, a distribuição da comunhão deve ser feita por um diácono ou ministro extraordinário.

Após a missa, a Igreja deve ser arejada por, pelo menos, trinta minutos e todos os pontos de contato (vasos sagrados, livros litúrgicos, objetos, bancos, maçanetas etc.)  desinfetados.

Além dessas normas acerca da missa, a CEP deu orientações acerca da celebração dos outros sacramentos.

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DAS ORIENTAÇÕES

(Com informações da Conferência Episcopal Portuguesa)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter