Confira nossa versão impressa

Prudência e responsabilidade devem marcar as missas presenciais durante a pandemia

Prudência e responsabilidade devem marcar as missas presenciais durante a pandemia
Uma das medidas preventivas adotadas é o distanciamento entre os fiéis nos bancos das igrejas (Foto: Luciney Martins)

Aos poucos, os católicos retornam às celebrações presenciais das missas, seguindo uma série de cuidados e recomendações sanitárias, com o objetivo de evitar que a participação nos santos mistérios seja ocasião de risco para a disseminação do novo coronavírus.

Além da organização e do empenho das paróquias, é preciso que cada pessoa assuma o seu compromisso de segui-los e respeitá-los. Em maio, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou uma série de orientações litúrgicas e pastorais, que estão sendo usadas como referência pelas dioceses.

Padre Tiago Gurgel, Capelão da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que, antes de ser ordenado sacerdote, exerceu e lecionou Medicina, enfatizou ao O SÃO PAULO que todos precisam se conscientizar de que esses cuidados preventivos são necessários, uma vez que a pandemia não acabou e ainda não há uma vacina.

LEIA TAMBÉM:
Arquidiocese de São Paulo anuncia retomada gradual das atividades administrativas e pastorais

HIGIENE DAS MÃOS

Esse é um cuidado essencial no combate ao novo coronavírus. Ao tocar em uma superfície contaminada, além do risco de contaminar a si mesmo, há a possibilidade de transmitir o vírus a outras pessoas. Por isso, é importante que, ao entrar na igreja, a pessoa higienize as mãos, mesmo que já as tenha lavado antes de sair de casa. De igual modo, deve-se evitar tocar o rosto, sobretudo as áreas próximas da boca, nariz e olhos. Essa higienização deve ser repetida cada vez que se toca em alguma superfície ou objeto e, especialmente, antes da comunhão.

Prudência e responsabilidade devem marcar as missas presenciais durante a pandemia
Para participar da missa, o fiel deve higienizar as mãos ao entrar na igreja e antes da comunhão (Foto: Luciney Martins)

DISTANCIAMENTO

Assim como em outros locais públicos, o distanciamento entre as pessoas deve ser seguido nas igrejas, havendo uma distância de, no mínimo, 1,5 metro umas das outras. Embora a regra de distanciamento não se aplique a pessoas da mesma família, Padre Tiago destacou que é preciso que o distanciamento em relação a outra pessoa que ocupar o banco seja mantido. Por isso, se houver mais de duas pessoas da mesma família, é melhor que somente essas pessoas ocupem esse banco.

No presbitério, espaço da igreja onde ficam o celebrante, os ministros e coroinhas, o distanciamento deve ser respeitado, permanecendo no local somente o número necessário de pessoas. Também deve ser evitada a procissão de entrada pelo corredor da igreja. “Quanto menor for a proximidade física entre as pessoas é melhor”, reforçou o Sacerdote.

MÁSCARA

Assim como a higiene das mãos, a máscara tem o objetivo de proteger a própria pessoa e as outras, uma vez que impede a propagação das gotículas que saem da boca (cujo nome é perdigoto) e do nariz, que, eventualmente, podem conter o coronavírus em pessoas infectadas, mas assintomáticas.

Na missa, os fiéis devem retirar a máscara somente no momento da comunhão e com o máximo de cuidado. “Muitos profissionais da saúde que trabalham em áreas de pacientes com COVID-19 se contaminaram no momento de retirar o artefato de proteção, pois não o fizeram adequadamente. Por isso, não é pelo simples fato de estar de máscara que se está protegido”, sublinhou.

Prudência e responsabilidade devem marcar as missas presenciais durante a pandemia
Além do obrigatoriedade do uso de máscara, também deve ser verificada a temperatura das pessoas na entrada das igrejas (Foto: Luciney Martins)

CUIDADO E PACIÊNCIA

Em algumas igrejas, sacerdote e demais ministros estão levando a comunhão até os fiéis que permanecem em seus lugares. Em outros casos, a procissão para a comunhão acontece de forma cuidadosa e seguindo o distanciamento.

O Capelão enfatizou que, neste momento, é preciso muito cuidado e paciência, pois se o fiel tocar na parte externa da máscara correrá o risco de tocar na Eucaristia com as mãos contaminadas. “O ideal é que a pessoa higienizasse as mãos antes de retirar a máscara e, novamente, para comungar e, depois, uma terceira vez, após colocar novamente a máscara”, recomendou.

Contudo, o Padre compreende a complexidade dessas medidas. Por isso, ele enfatizou a observância do máximo de cuidado ao retirar a máscara, sempre a tocando nas alças e nunca na parte externa do tecido. Outra recomendação é que se use máscaras de fácil colocação, de preferência, com alças que se apoiem nas orelhas, evitando as que precisam ser amarradas.

MINISTROS E OBJETOS

Os ministros, coroinhas, leitores, músicos e eventuais concelebrantes devem estar sempre usando máscara. “O presidente da celebração pode ficar sem máscara, desde que haja certa distância em relação aos concelebrantes e ministros. Ele deve, no entanto, usar a máscara para dar a comunhão, observando o cuidado de higienizar as mãos antes de colocar a máscara e, depois, para que não corra o risco de tocar na Eucaristia com a mão contaminada”, explicou o Capelão.

Prudência e responsabilidade devem marcar as missas presenciais durante a pandemia
No intervalo entre as celebrações, os bancos da igreja devem ser higienizados
(Foto: Luciney Marinst)

Quanto aos objetos litúrgicos e materiais usados na celebração, Padre Tiago enfatizou que estes devem ser tocados pelo menor número possível de pessoas. “O ideal é que o próprio celebrante prepare o altar e somente ele toque as alfaias e objetos litúrgicos durante a celebração e, se possível, que os guarde ao término da missa após serem devidamente higienizados”, aconselhou.

Padre Tiago reforçou a recomendação da CNBB para que o cálice e demais recipientes estejam sempre cobertos sobre o altar, uma vez que o celebrante irá falar sem máscara próximo a eles.

Quanto à higienização dos bancos e do chão do templo, deve ser sempre feita após as missas. “Podem ser utilizados água sanitária, álcool 70% ou outras soluções desinfetantes. Claro que, dependendo do tipo de piso da igreja, é preciso verificar o produto mais adequado. O importante é mantê-la sempre limpa”, reforçou o Padre.

O ESSENCIAL DO RITO

Padre Helmo Cesar Faccioli, Coordenador da Comissão Arquidiocesana de Liturgia, enfatizou que será preciso se acostumar com esta nova realidade enquanto a pandemia não for controlada. Ele ressaltou, porém, que o seguimento desses protocolos não altera os aspectos essenciais da liturgia dos sacramentos, tampouco representa um desrespeito aos mistérios sagrados. “Externamente, existem situações que extrapolam aquilo que é a prescrição do rito, mas não ferem o rito.

Por exemplo, o fato de o ministro estar de máscara não significa desrespeito ao Senhor, pelo contrário, é um grande respeito ao corpo de Cristo, que será entregue ao fiel. A pessoa que, por sua vez, recebe Jesus eucarístico, tendo antes higienizado as mãos com álcool, também não diminui nem fere a presença do Senhor nas espécies eucarísticas”, explicou o Coordenador.

“A fé deve nos despertar para o bom senso e o equilíbrio. Não devemos dar mau exemplo como cristãos, pois corremos o risco de prejudicar o próximo, a quem devemos amar e cuidar, como a nós mesmos”, acrescentou Padre Helmo, enfatizando que o cumprimento dos protocolos também representa um gesto de comunhão e um exercício da prática das virtudes, especialmente da paciência e da prudência.

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

Comunidade Canção Nova dá ‘abraço virtual’ em São Paulo

Transmitido pela TV e internet, evento de evangelização que costuma reunir multidões na capital paulista foi acompanhado em todo o Brasil e...

‘Vale a pena enfrentar a cruz e todo sofrimento por causa de Cristo’

Afirmou o Cardeal Scherer em missa na Catedral da Sé, nesta quinta-feira, 6, Dia de Oração pelos Cristãos Perseguidos

Mês vocacional é aberto com missa presidida por Dom Devair Araújo da Fonseca

No domingo, 2, Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, presidiu missa...

Festa de São Pedro Julião Eymard, o apóstolo da Eucaristia

A Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Santa Ifigênia, Setor Pastoral Catedral, cuja igreja matriz tem...

Paróquia Santo Inácio completa 80 anos

Na sexta-feira, 31 de julho, a Paróquia Santo Inácio de Loyola, Setor Pastoral Paraíso, completou 80 anos de existência, hoje confiada aos...

Newsletter