Hoje a Igreja celebra Nossa Senhora das Dores

A devoção à “Mater Dolorosa”, muito difundida, sobretudo nos países do Mediterrâneo, desenvolveu-se a partir do final do século XI. Em 1814, o Papa Pio VII a incluiu no calendário litúrgico romano, fixando-a em 15 de setembro, no dia seguinte à festa da Exaltação da Santa Cruz.

Hoje a Igreja celebra Nossa Senhora das Dores, Jornal O São Paulo
Reprodução da Internet

Esta devoção foi comprovada pelo “Stabat Mater”, atribuído ao Frei Jacopone de Todi (1230-1306), no qual compôs as “Laudes”. No século XV, encontramos as primeiras celebrações litúrgicas sobre Nossa Senhora das Dores, “em pé” junto à Cruz de Jesus. Recordamos que, em 1233, nasceu a “Ordem dos Servos de Maria”, que muito contribuiu para a difusão do culto a Nossa Senhora das Dores, tanto que, em 1668, seus membros receberam a autorização para celebrar a Missa votiva das Sete Dores de Maria.

Em 1692, o Papa Inocêncio XII permitiu a sua celebração oficial no terceiro domingo de setembro. Mas, foi só por um período, pois, em 18 de agosto de 1714, a celebração foi transferida para a sexta-feira, que precedia o Domingo de Ramos. No dia 18 de setembro de 1814, Pio VII estendeu esta festa litúrgica a toda a Igreja, voltando a ser celebrada no terceiro domingo de setembro. Pio X (†1914) determinou que a celebração fosse celebrada em 15 de setembro, um dia após a festa da Exaltação da Santa Cruz, mas não com o título de “Sete Dores de Maria”, mas como “Nossa Senhora das Dores”.

«Junto à Cruz de Jesus, estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse-lhe: “Mulher, eis o teu filho!” Depois, disse ao discípulo: “Eis a tua Mãe!” Desde então, o discípulo a levou consigo» (Jo 19,25-27).

Confiou aos cuidados

Jesus, ao ver sua Mãe, a confiou ao discípulo amado: uma espécie de decisão derradeira de Jesus, que faz de Maria, a Mãe do discípulo, e do discípulo, o filho da Mãe: “Ele a levou consigo”, isto é, a acolheu no seu íntimo, onde lhe era mais caro. Logo, Jesus não deixou sua Mãe sozinha, mas a confiou aos cuidados do discípulo amado. Desde então, ela o seguiu até o fim.

Mulher

Jesus utilizou este mesmo nome em Caná, como se quisesse coligar os dois acontecimentos: em Caná, ainda não havia chegado a sua Hora, mas na Cruz, sim. A Cruz torna-se a realidade do havia revelado em Caná. Porém, ao chamá-la “Mulher”, Jesus faz referência a Eva: “Ela se chamará mulher” (Gn 2,23): Maria, a nova Eva.

Discípulo

A Mãe foi confiada ao discípulo. Mas, naquele discípulo, a tradição diz que ele representa toda a Igreja. Maria é confiada à Igreja e a Igreja é confiada a Maria, Mãe de Jesus, primeira discípula do Filho.

Mãe e discípula

Maria é, para todos nós, a Mãe do Filho Jesus, nosso Senhor. Mas é também Discípula do Mestre, que, mais do que todos, pode nos ajudar a crescer na Escola do Filho; é a que, mais do que todos, soube permanecer fiel à sua Escola, “em pé” até junto à Cruz. A sua fidelidade tornou-se um martírio interior: “Uma espada transpassará o seu coração”, anunciou Simeão.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário