‘A vida contemplativa na clausura é um dom divino’

Irmã Maria José de Jesus, eleita, no dia 5, Priora do Mosteiro de Santa Teresa de Jesus, das Carmelitas Descalças, fala sobre o cotidiano no Carmelo

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Na sexta-feira, 5, foi realizado no Mosteiro de Santa Teresa de Jesus, das Carmelitas Descalças, na zona Sul de São Paulo, o Capítulo Eletivo da nova Priora do Mosteiro, com a presença do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, representante da Igreja que legitima canonicamente a eleição, uma vez que o Mosteiro está sob jurisdição da Arquidiocese de São Paulo.

Irmã Maria José de Jesus, 65, assume por três anos a missão de conduzir a comunidade na vivência da fé, da unidade, da proximidade fraterna e da consagração, seguindo as Regras do Convento.

“É uma missão que assumo não como privilégio, mas como serviço a cada uma das irmãs da comunidade e com o desejo de, no pequeno colégio de Cristo, dar minha colaboração para a edificação do Reino de Deus e a fraterna convivência entre as monjas”, afirmou a nova Priora.

Segundo as Constituições, o Capítulo Eletivo acontece a cada três anos e participam dele as monjas de votos solenes. Somente pode ser eleita para o ofício de Priora ou Superiora Maior uma religiosa que tenha completado 35 anos de idade e cinco de profissão perpétua.

“Vamos caminhar juntas, como irmãs, unidas pela oração, alicerçadas na Palavra de Deus e alimentadas pela Eucaristia, trilhando os ensinamentos de Santa Teresa D’Ávila, doutora da Igreja e padroeira do nosso mosteiro”, destacou a nova Priora, que conta com a colaboração de um conselho formado por quatro freiras e a participação colaborativa dos demais membros da comunidade. Atualmente, no Mosteiro vivem 25 irmãs, das quais 18 são religiosas de votos perpétuos e sete noviças.

Vocação

Arquivo pessoal

Irmã Maria José de Jesus Magalhães nasceu na cidade de Rio Vermelho (MG), em 15 de outubro de 1956, no mesmo dia em que a Igreja celebra Santa Teresa de Jesus. A nova Priora é a primeira de sete filhos de José Gabriel e Maria Magalhães.

“Deus plantou em meu coração a semente da vocação, sempre quis consagrar a minha vida a Cristo e aos irmãos. Nasci em um lar cristão, era engajada na vida pastoral da Paróquia”, disse a Religiosa, recordando a parábola do semeador (cf. Mt 13,1-23).

Na juventude, movida pelo desejo de consagrar a vida, participou de encontros vocacionais em várias congregações. E, em meados de 1980, por ocasião da visita ao Brasil de São João Paulo II, conheceu o Carmelo da cidade de Santos (SP) e se apaixonou pelo carisma e pela missão.

Ela ingressou na Ordem da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, no dia 16 de outubro de 1982, aos 26 anos, onde fez as primeiras etapas formativas: aspirantado, postulantado e noviciado. Professou os votos religiosos solenes em 1º de outubro de 1984, assumindo o carisma do Carmelo e a vida de silêncio, oração e clausura.

“Sou muito feliz e realizada na minha vocação. Deus me escolheu para ser uma missionária sem sair do lugar. Dedico minha vida a Deus e aos irmãos, na oração contemplativa, em silêncio orante”, disse a Religiosa, que vive na clausura há 39 anos.

Vida na clausura

Luciney Martins/O SÃO PAULO

As religiosas convivem em fraterna comunhão. Todas com um mesmo ideal de vida: união com Cristo em Seu Sacrifício pelo bem da Igreja e da humanidade: “Sós com o Só”.

A dinâmica de vida no claustro é pautada na experiência contemplativa da oração e trabalho, no silêncio às escondidas do mundo, contemplando e apresentando a Deus, diariamente, os pedidos e súplicas do povo de Deus.

Há horários definidos para tudo. Elas despertam às 4h45. Das 5h às 6h, há a oração mental, seguida pelas Laudes. Às 7h, elas participam da Santa Missa, presidida pelo Capelão do Mosteiro, atualmente o Padre Vittorio Moregola.

As Carmelitas rezam todas as horas do Ofício Divino (Liturgia das Horas) e no final do dia, após as Vésperas, segue- -se mais uma hora de oração mental.

Cotidianamente, destinam-se duas horas para o momento de recreio, no qual as religiosas partilham as experiências de vida e de oração e também contam suas dores e alegrias. O restante do dia é dedicado ao silêncio, conforme o ideal traçado por Santa Teresa de Jesus, na reforma do Carmelo.

“A vida contemplativa na clausura é um dom divino. É uma experiência única de quietude, súplica, imolação, solidão e sintonia com o Criador. Também é de comunhão profunda e íntima com as dores de Cristo, da Igreja e da humanidade”, detalhou Irmã Maria José de Jesus.

História

Em 1913, a pedido de Dom Duarte Leopoldo e Silva, então Arcebispo de São Paulo, as irmãs Regina da Imaculada Conceição e Maria do Sagrado Coração vieram do convento do Rio de Janeiro para reformar o Antigo Recolhimento de Santa Teresa, localizado na Praça da Sé. Desde então, o local passou a observar a Regra do Carmelo e a vida conventual das Carmelitas Descalças.

Em 1918, as religiosas se mudaram para o bairro da Penha, na zona Leste, enquanto aguardavam a construção do novo convento das Carmelitas no bairro de Perdizes, o que só ocorreu em 1923. No local, foi também construída uma capela em estilo colonial brasileiro.

Em 1946, Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, Arcebispo à época, fundou a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). As monjas cederam o terreno e o prédio para a implantação da universidade e o desenvolvimento de uma comunidade paroquial, e, assim, se transferiram para um novo mosteiro, construído na avenida Jabaquara, na zona Sul, onde permanecem até hoje.

Desde 2015, o Mosteiro de Santa Teresa de Jesus é considerado patrimônio histórico da cidade de São Paulo.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter