‘Celebrar a Eucaristia é ter parte com Jesus no seu corpo doado e no seu sangue derramado’

Afirmou o Arcebispo de São Paulo, na Missa da Ceia do Senhor, celebrada na Catedral da Sé

Dom Odilo preside missa que recorda a instituição da Eucaristia (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, presidiu no início da noite desta Quinta-feira Santa, 1º, a Missa da Ceia do Senhor, celebração que abre o Tríduo Pascal.

A Eucaristia foi celebrada Catedral da Sé, sem a participação dos fiéis, devido às medidas restritivas para conter o avanço da pandemia de COVID-19. O público pôde acompanhar a liturgia pela rádio 9 de Julho e pelas mídias digitais da Arquidiocese.

Nesta celebração se recorda a instituição da Eucaristia e do sacerdócio católico. Assim como no ano passado, por causa da emergência sanitária, não houve o rito do lava-pés, que recorda o gesto de Jesus com os apóstolos na última ceia.

Ao saudar os ouvintes e internautas, Dom Odilo destacou que, apesar dos bancos vazios, a Igreja se une em oração, testemunhando sua comunhão espiritual nesses tempos difíceis, pedindo Deus que a pandemia seja superada.  

Sacerdócio

O Cardeal iniciou a homilia dirigindo-se aos sacerdotes, recordando que,  em situações normais, seria celebrada na manhã da Quinta-feira Santa a Missa do Crisma, na qual os padres renovam suas promessas sacerdotais diante do Arcebispo. Porém, essa celebração teve que ser adiada.

Cardeal incensa altar durante a Missa da Ceia do Senhor (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Dom Odilo salientou que sacerdócio e dom divino que deve ser compartilhado com generosidade no serviço ao povo de Deus. “Somos ministros do sacerdócio de Cristo, isto é, seus servidores. Jesus se serve de nós para chegar aos irmãos, continuando a sua obra de redenção”, afirmou, ressaltando que cada gesto sacerdotal, os sacramentos, a pregação a Palavra, o serviço da caridade e da animação da esperança, a defesa dos mais fragilizados e vulneráveis, devem ser realizado em nome de Jesus Cristo, pois é dele que recebemos esse dom”.

Ao recordar a instituição da Eucaristia, o Cardeal Scherer fixou sua reflexão nas palavras de Jesus: “Fazei isto em memória de mim”. Ele sublinhou que não se trata penas de uma mera lembrança, mas significa “ter parte com Jesus no seu corpo doado e no seu sangue derramado”.

“O que fazemos toda fez que celebramos a Eucaristia é mais que um simples rito, é um sacramento. Devemos ir além do rito e nos colocarmos misticamente na última ceia ao redor da mesa do Senhor, do altar… Devemos nos colocar ao pé da Cruz, como estiveram, Maria, São João as santas mulheres, recebendo o fruto da vida doada de Jesus. Assim fazendo, a Eucaristia terá para nós o mesmo valor e o mesmo efeito que teve a morte de Jesus na cruz”, afirmou o Arcebispo.

O Cardeal reforçou que os cristãos também são chamados a fazer em memória de Jesus aquilo que ele fez além da ceia. “Pregamos a sua Palavra, anunciamos a sua ressureição até que ele venha, testemunhamos a caridade mediante gestos concretos, praticamos as obras de misericórdia”, completou. 

“A Igreja vive da memória de Jesus Cristo e se esquecermos disso, torna-se autorreferencial, começa produzir seu próprio Evangelho, sua própria narrativa, como sempre tem nos alertado o Papa Francisco”, enfatizou o Purpurado. 

Celebrações do Tríduo Pascal acontecem na Catedral sem a participação dos fiéis e são transmitidas pelo rádio e internet (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Tríduo Pascal

Por fim, o Arcebispo renovou o convite para que o povo participe com fé e atenção das celebrações do Tríduo Pascal, apesar das limitações da pandemia. “Estamos unidos em Jesus Cristo e, portanto, naquilo que ele pede. O significado da Eucaristia e permanecer unidos na mesma fé.  Que o Senhor nos conceda a grada da perseverança, do amor verdadeiro, da fé profunda e da esperança,  apesar de toda essa situação que nos abate neste momento”, concluiu. 

O Cardeal Scherer também presidirá  na Catedral a Celebração da Paixão do Senhor, na Sexta-feira Santa, 2, às 15h, e a Vigília Pascal, no Sábado Santo, 3, às 19h.

No domingo da Páscoa da Ressurreição, Dom Odilo presidirá a missa solene às 11h. Todas essas celebrações  serão transmitidas pela rádio 9 de Julho e pelas mídias digitais da Arquidiocese.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter