Curso on-line aprofunda aspectos teológicos e pastorais do sacramento da Penitência

‘Para muitas pessoas, falar de pecado se tornou algo antiquado. Precisamos ajudá-las a perceber o que é o pecado e a sua gravidade. Sem isso, pode haver senso de culpa, rejeição social, psicológica, mas não o senso do pecado, que sempre nasce da fé’

Foi aberto na segunda-feira, 12, o curso de extensão sobre o sacramento da Penitência (Confissão), promovido pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pela Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo, ambas da Arquidiocese de São Paulo.

A formação, realizada na modalidade on-line, visa a oferecer um aprofundamento bíblico, teológico, pastoral e canônico sobre este sacramento, também chamado de Reconciliação.

O curso integra uma série de formações sobre os sete sacramentos. Anteriormente, foram realizados cursos no mesmo formato sobre o Batismo e o Matrimônio.

A primeira aula foi ministrada pelo Padre Boris Agustín Nef Ulloa, Doutor em Teologia Bíblica e Diretor da Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção. Ele apresentou os fundamentos bíblicos do sacramento da Penitência.

RECONCILIAÇÃO

O curso também contou com a participação do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo e Grão-Chanceler das instituições organizadoras. Dom Odilo ressaltou que a Confissão é um dos sacramentos que aparecem mais caracterizados no Novo Testamento, que reiteradas vezes trata do perdão dos pecados e da reconciliação mediante a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

“Jesus veio ao mundo para reconciliar os pecadores. Após ressuscitar, Nosso Senhor deu aos discípulos o poder de perdoar os pecados mediante o dom do Espírito Santo. Também no momento da ascensão, novamente enviou os apóstolos com o poder de perdoar os pecados”, explicou o Arcebispo, acrescentando que, ao longo da história, a Igreja levou a sério tal missão e continuou a realizá-la, quer por meio do Batismo, quer pelo sacramento da Reconciliação.

SENTIDO DO PECADO

Diante de questionamentos sobre a diminuição da procura desse sacramento, Dom Odilo atribuiu tal fenômeno à falta de uma compreensão apropriada sobre o sentido do pecado. Por isso, o Arcebispo ressaltou a necessidade de uma formação adequada aos fiéis acerca desse sacramento. Ele enfatizou a importância da tomada de consciência a respeito do sentido do pecado, da justiça e do julgamento de Deus.

“Para muitas pessoas, falar de pecado se tornou algo antiquado. Precisamos ajudá-las a perceber o que é o pecado e a sua gravidade. Sem isso, pode haver senso de culpa, rejeição social, psicológica, mas não o senso do pecado, que sempre nasce da fé”, afirmou o Arcebispo.

O Cardeal reforçou que o pecado de cada pessoa, de alguma forma, sempre repete o pecado original cometido por Adão e Eva, ou seja, “dar ouvidos ao tentador e desobedecer a Deus”. O pecado, portanto, tem a ver com a relação da pessoa com Deus e não apenas com a transgressão de uma lei ou de um bom costume.

FORMAÇÃO

Por outro lado, o Arcebispo apontou a necessidade de maior disponibilidade de sacerdotes para o atendimento de Confissões. “Nas igrejas onde há padres para atender Confissões, sempre há fiéis se confessando. Por isso, a Igreja prescreve aos padres que disponibilizem horários para o atendimento de Confissões dos fiéis e os tornem conhecidos”.

Dom Odilo também sublinhou que muitas pessoas não sabem se confessar, pois nunca receberam formação adequada para o sacramento, confundindo a Confissão com a direção espiritual ou um mero desabafo dos problemas pessoais.

“É preciso que haja uma boa pastoral da penitência, que inclua uma preparação das pessoas antes de se dirigirem à Confissão, para que conheçam as condições mínimas para fazer uma boa Confissão”, orientou o Arcebispo, elencando como condições essenciais a fé no perdão de Deus, a consciência do pecado, o arrependimento sincero e o firme propósito de não tornar a pecar.

guest
2 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Jairo Pascoal Junior
Jairo Pascoal Junior
8 meses atrás

O Arcebispo Dom Odilo foi muito feliz em sua afirmação sobre a formação e preparo das pessoas para realizar a confissão.
Eu gostaria de aprender sobre a confissão e me preparar adequadamente.