Dom Carlos Silva preside ordenação presbiteral na Paróquia São Luís Gonzaga

Dom Carlos Silva preside ordenação presbiteral na Paróquia São Luís Gonzaga
Jackeline Gasparini

No sábado, 23, foi realizada, na Paróquia São Luís Gonzaga, Setor Pereira Barreto, a ordenação presbiteral do Diácono Douglas Eurenides Modesto, da Ordem dos Clérigos Regulares (CR), também conhecidos como Teatinos. Sua atuação diaconal se deu na Área Pastoral Santo Antônio de Pádua, pertencente à Paróquia Nossa Senhora Mãe e Rainha, Setor Jaraguá. O lema sacerdotal do neo-sacerdote é “Não fostes vós que me escolhestes, fui Eu que vos escolhi” (Jo 15,16). 

A celebração foi presidida por Dom Carlos Silva, OFMCap, e concelebrada por sacerdotes da Ordem dos Clérigos Regulares e padres que atuam na Região Episcopal Brasilândia. 

Na homilia, o Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia trouxe reflexões sobre o momento vi- vido pelo Diácono Douglas e palavras de incentivo para a missão sacerdotal. “Procure sempre na sua vida o exemplo de Cristo, cujos Corpo e Sangue estarão sempre a serviço, a partir de hoje de uma forma mais profunda, pois, pela imposição das minhas mãos e da oração consecratória, será constituído presbítero. Você será padre, será pastor. Deve ser um sacerdote revestido de caridade e consciente do zelo ao ofício de evangelizar. Que encontrem eco, no seu viver, as palavras de São Caetano, fundador dos Teatinos, quando de sua ordenação presbiteral: ‘Tornar-me sacerdote é ligar minha vida à cruz de Cristo’”. 

O Bispo Auxiliar destacou ainda as virtudes que um sacerdote deve ter: “Não seja indiferente e seletivo; acolha a todos, como Jesus Cristo. Seja amoroso, misericordioso e atento com todos, enxergando além das aparências. Vá atrás da ovelha perdida. Seja um padre bom para que seja um bom padre. A caridade deve compor a sua base”. 

Ao término da celebração, o Prelado invocou a intercessão de Maria e pediu que todos rezassem pelo neo-sacerdote. Padre Douglas agradeceu às pessoas que o ajudaram ao longo de sua trajetória pessoal e religiosa, em especial à Ordem dos Clérigos Regulares. 

TAÍSE CORTÊS
Colaboradora de Comunicação na Região Episcopal Brasilândia

Deixe um comentário