Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo homenageia Dom Paulo Evaristo Arns

Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo homenageia Dom Paulo Evaristo Arns
Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO

O Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP) realizou no sábado, 4, uma homenagem a Dom Paulo Evaristo Arns por ocasião do centenário de seu nascimento. Nascido em 14 de setembro de 1921, ele morreu em 14 de dezembro de 2016, aos 95 anos. Foi Arcebispo de São Paulo entre 1970 e 1998.

A homenagem na sede da instituição, na região central, contou com a presença do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo; Padre Ney de Souza, professor da PUC-SP; e de Jorge Pimentel Cintra e Malcolm Forest, respectivamente presidente e vice-presidente do IHGSP.

PERSONALIDADE MARCANTE

Ao abrir o evento, Jorge Pimentel Cintra recordou que a motivação para a homenagem solene foi a de manifestar que Dom Paulo é uma personalidade que tem expressivo significado na história de São Paulo e do Brasil.

“O Cardeal Arns foi um grande intelectual, um estudioso da História e dos Padres da Igreja e teve grande preocupação social, características que o definem como uma personalidade marcante e digna desta homenagem”, expressou.

Cintra destacou que Dom Paulo não teve vínculos formais com o IHGSP, “mas poderia ter sido um membro, pois o instituto é um centro acadêmico, e Dom Paulo foi um grande estudioso e conhecedor da História”, disse, recordando que o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo sempre teve bispos e religiosos entre seus membros.

COMPROMISSO SOCIAL

O presidente da instituição destacou, ainda, a preocupação do Cardeal Arns com os mais pobres e necessitados das periferias existenciais e geográficas: “Dom Paulo tinha um olhar especial aos pobres e sofredores da megalópole. Ele sempre convocava a todos para ‘travar uma grande batalha contra a miséria, a ignorância, a doença e o sofrimento’”.

Cintra destacou a capacidade de liderança e o incentivo ao protagonismo dos leigos como um marco de Dom Paulo à frente da Arquidiocese de São Paulo.

“Motivados pelo testemunho e imbuídos pela preocupação social do Arcebispo, um grupo de amigos e eu, nos anos 1980, criamos o Centro Educacional Assistencial Profissionalizante (CEAP), no bairro Pedreira, extremo Sul da capital, com o intuito de promover a dignidade humana, por meio de cursos profissionalizantes, assistência médica e espiritual”, recordou.

MÚLTIPLAS FACETAS

Dom Odilo rememorou alguns aspectos biográficos de seu predecessor, com destaque à sua trajetória ministerial e sua presença profética junto ao povo.

“Dom Paulo é uma figura de múltiplas facetas – religioso franciscano, sacerdote, arcebispo, cardeal –, o pastor que se dedicou ao povo de São Paulo, o corajoso defensor da dignidade humana, a voz firme diante das injustiças, o defensor da justiça social, formador de opinião pública pautado nos ensinamentos do Evangelho e da opção preferencial pelos pobres”, afirmou.

O Cardeal Scherer referiu-se às homenagens que seu antecessor tem recebido como “um momento propício para recolher as memórias do Cardeal Arns. Usando o termo bíblico e, também, da agricultura, ‘respigar’, que significa recolher as memórias como um legado para as próximas gerações”, disse Dom Odilo, que é membro do IHGSP desde 2017.

ATO HISTÓRICO

Padre Ney de Souza recordou o ato inter-religioso liderado por Dom Paulo no dia 31 de outubro de 1975 na Catedral da Sé, em repúdio ao assassinato do jornalista Vladimir Herzog: “O ato inter-religioso é um marco importante da Igreja, da história de São Paulo e do Brasil. Nesse dia, milhares de pessoas estavam reunidas para dizer ‘não à violência, não à tortura’”, recordou o historiador.

“O ato sinalizou, como nós sabemos, uma indignação da sociedade contra a ditadura e a repressão no Brasil e entrou também para a história como uma mobilização para a redemocratização do País”, disse o Padre, mencionando o Cardeal Arns como um pastor que “mira a periferia, mas que traz as questões de toda a sociedade para dentro da Catedral”, recordou o Sacerdote, que participou do referido ato, quando tinha 12 anos, na companhia de seus pais. “A Catedral ressoou: era canto, choro, oração e promessa de que isto não aconteceria mais entre nós”, disse ele, que foi ordenado sacerdote por Dom Paulo, em 4 de dezembro de 1988.

PROMOÇÃO HUMANA

Malcolm Forest mencionou a constante luta de Dom Paulo pela promoção humana e pela garantia dos direitos, em tempos obscuros do País. “Dom Paulo se fazia presente a seu povo e clamava por justiça e paz”, disse o historiador, cineasta e produtor cultural.

Forest ressaltou também a contribuição e o apoio de Dom Paulo no processo de beatificação de Frei Galvão, que se concretizaria no ano de 2007. “Um momento significativo para a Igreja. Dom Paulo deu todo o apoio para elucidar a santidade do Santo brasileiro”, finalizou.

SOBRE O IHGSP

Fundado em 1º de novembro de 1894, o IHGSP é uma associação civil de caráter científico e cultural. Reúne 229 membros e tem por finalidade promover a pesquisa, o estudo e a divulgação da História, Geografia e Ciência ou Artes correlatas; defender e preservar a memória e tradições paulistas, sem descurar da busca da verdade histórica.

O IHGSP tem por missão valorizar o patrimônio histórico, artístico, cultural e urbano-ambiental das tradições e valores culturais, cívicos, morais e éticos de São Paulo.

Deixe um comentário