Marco Zero: monumento é referência geográfica para toda a cidade

A estrutura foi a primeira com essa função em toda a América do Sul e serviu de referência para os outros estados

Luciney Martins/O SÃO PAULO

No ritmo dinâmico da grande metrópole, muitas vezes quem caminha pela Praça da Sé passa por este monumento, erigido na década de 1930, e não o percebe. Quem a ele se atenta, porém, vê uma riqueza de detalhes que ajudam a contar a história de São Paulo.

Instalado em frente à Catedral da Sé, o Marco Zero foi inaugurado em 18 de setembro de 1934. Ele tem a função de marcar o início da numeração das vias públicas e rodovias estaduais, como referência para a medição das linhas ferroviárias, aéreas e telefônicas. Feito de mármore, em forma de prisma hexagonal, o monumento foi o primeiro com essa função em toda a América do Sul e serviu de referência para os de outros estados.

A SÉ E O MARCO ZERO

Este é o quarto marco zero da cidade. O inicial ficava em frente à primeira igreja da Sé, na altura da atual Rua Venceslau Brás. O segundo era a torre da segunda igreja, mas depois foi criado um monumento ao lado da mesma matriz. No começo do século XX, a igreja da Sé foi demolida, junto com vários imóveis no seu entorno, para dar lugar à nova Catedral e à grande praça à sua frente.

São Paulo deixou de ter um marco zero, mas a quilometragem das estradas era determinada por vários pontos espalhados pela cidade. Foi então que o jornalista Américo Netto, membro da Associação Paulista de Boas Estradas, preocupado com a ausência de centralidade, lançou a proposta de se retomar a ideia de um marco zero para a cidade em 1921.

Luciney Martins/O SÃO PAULO

O jornalista recorreu ao artista francês Jean Gabriel Villin para os desenhos e concepção da obra. A ideia de Américo Netto, contudo, somente encontrou respaldo em 1932, quando o projeto foi aprovado pelo então prefeito da capital paulista, Antonio Carlos Assumpção. A instalação na praça foi realizada em 1934.

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

A estrutura foi tombada em 2007 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), e, desde 2016, pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), que no mesmo ano tombou a Catedral da Sé, a Praça da Sé e o monumento de São José de Anchieta.

O tombamento é o ato de reconhecimento do valor histórico, cultural ou artístico de um bem, previsto na Constituição Federal, que o transforma em patrimônio oficial público, levando-se em conta sua função social. Destina-se a proteger o patrimônio, bens de ordem histórica, artística, arqueológica, cultural, científica, turística e paisagística

DETALHES

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Em cada face do prisma hexagonal, figuras inscritas representam o Paraná, por uma araucária; o Mato Grosso, pela vestimenta dos Bandeirantes; Santos, por um navio, de cujo porto saía o café, maior riqueza do País no período; do Rio de Janeiro se recorda o Pão de Açúcar e suas bananeiras; Minas Gerais, por materiais de mineração profunda; enquanto Goiás é lembrado por uma bateia, material de mineração de superfície

O monumento possui na parte superior uma placa de bronze que exibe um mapa das estradas que partem de São Paulo com destino a outros estados e também apresentam os principais pontos da cidade na época, como os rios Tietê e Pinheiros, a estação da Luz, a Faculdade de Medicina da USP, o Museu do Ipiranga e as vias como a Rua Voluntários da Pátria, Rua da Consolação e a Avenida Paulista. A atual placa é uma réplica da primeira versão, que foi roubada. Após o tombamento e a restauração do patrimônio, o material foi substituído por um similar ao que havia ali anteriormente.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter