‘Não somos uma ONG, mas a comunidade dos discípulos missionários de Jesus Cristo’

Fernando Geronazzo e Filipe Domingues

Em entrevista ao O SÃO PAULO, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, falou sobre os principais destaques da 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada de forma on-line, entre os dias 12 e 16.

Cardeal Odilo Pedro Scherer (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Em entrevista ao O SÃO PAULO, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, falou sobre os principais destaques da 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada de forma on-line, entre os dias 12 e 16.

Dom Odilo ressaltou que a atual pandemia e seus efeitos foram destaque nas reflexões do encontro virtual, mas enfatizou a preocupação central do episcopado brasileiro com o anúncio do Evangelho e a comunhão da Igreja.

O Purpurado lamentou que a polarização político-ideológica tenha penetrado também nos ambientes da Igreja e recordou que, “para os cristãos, a motivação e critério maior para o discernimento e a ação são oferecidos pelo Evangelho, pela nossa fé comum e a caridade”.

Recordando o apelo constante do Papa Francisco, o Arcebispo afirmou que a Igreja precisa ser mais sinodal, e “isso significa que devemos caminhar juntos, participar, colaborar e buscar juntos as melhores vias para a realização da missão”.

Sobre o enfrentamento da situação sanitária atual, Dom Odilo salientou que o problema não se resolve com a identificação de culpados, “mas com o esforço coletivo para a superação da pandemia”. Entretanto, ele sublinhou que os governantes têm a responsabilidade maior nesse esforço e, “se não estão fazendo bem a sua parte, devem ser responsabilizados”.

Leia, a seguir, a íntegra da entrevista.

O SÃO PAULO – A 58ª Assembleia Geral da CNBB aconteceu no contexto da pandemia. A partir do que foi refletido e partilhado, o que mais preocupa os bispos sobre o atual momento vivido no Brasil?

Cardeal Odilo Pedro Scherer – Evidentemente, preocupa a crise da saúde, com a pandemia de COVID-19 e os muitos sofrimentos e angústias que ela traz ao povo. Refletimos sobre os modos de ajudar o povo a atravessar este momento difícil de nossa história. Preocupamo-nos também com a vida e a missão da Igreja, o anúncio do Evangelho, a presença pública da Igreja, a comunhão e a sinodalidade na vida e na missão da Igreja, a boa celebração da liturgia, o mal-estar produzido por certa crise na comunhão da Igreja.

O tema central desta Assembleia foi a Palavra de Deus. Quais são os desafios e caminhos para a promoção da animação bíblica?

O tema central da Assembleia foi “a animação bíblica da pastoral”. O grande desafio é dar à Palavra de Deus o lugar central na vida e na missão da Igreja que lhe é próprio. Não somos uma ONG [organização não governamental], nem uma organização inspirada em um ideal humano, mas somos a comunidade dos discípulos missionários de Jesus Cristo e suas testemunhas no mundo. Portanto, o Evangelho e a Palavra de Deus, de modo geral, é que devem nos motivar, orientar, iluminar, alegrar e embasar toda a nossa vida e ação, como cristãos.

Na mensagem enviada à Assembleia, o Papa Francisco exortou os bispos a buscarem a unidade e afirmou que a Igreja no Brasil deve ser “instrumento de reconciliação”. Como o senhor analisa o atual contexto de conflitos e polarizações que atingem, inclusive, o âmbito interno da Igreja?

É lamentável que a polarização político-ideológica tenha penetrado também nos ambientes eclesiais. De certa forma, isso é inevitável, pois somos também cidadãos deste mundo, mas é preciso manter a serenidade e a objetividade nas nossas referências. A polarização, fruto de certa cegueira fundamentalista, nos leva a combater o outro por pensar diversamente de nós; visões diferentes não necessariamente se excluem, mas se completam. Nunca deveríamos esquecer que, para os cristãos, a motivação e critério maior para o discernimento e a ação são oferecidos pelo Evangelho, pela nossa fé comum e a caridade. Necessitamos de constante vigilância para não cedermos à paixão político-ideológica, mantendo-nos unidos naquilo que é o mais importante, conforme as palavras de Santo Agostinho: no essencial, unidade; no secundário, liberdade; em tudo, caridade.

Na Assembleia, as palavras sinodalidade, comunhão e colegialidade estiveram muito presentes. Essas seriam as palavras-chave para a superação dos atuais desafios eclesiais?

Esses conceitos expressam aspectos do ser e da identidade da Igreja e do exercício de sua missão. O Papa Francisco nos recorda, há anos, de que nossa Igreja precisa ser mais sinodal, e isso significa que devemos caminhar juntos, participar, colaborar e buscar juntos as melhores vias para a realização da missão. Todos os batizados, cada um à sua maneira, participam da vida e da missão da Igreja. Certamente, quando a sinodalidade for levada a sério, estaremos mais atentos contra a polarização e a paixão ideológico-política, que fazem parte de certo “mundanismo”, como advertiu o Papa Francisco, na exortação apostólica Evangelii gaudium (2013).

Em março de 2020, o Papa Francisco disse que os países que não adotassem medidas para defender a população da COVID-19 correriam o risco de viver um “genocídio viral”. O senhor acha que o Brasil está vivendo ou se encaminhando para isso?

Não acredito em teorias da conspiração, no caso da pandemia, nem em um projeto de “extermínio intencional da população”. A COVID-19 atinge a todos, pobres e ricos, pequenos e grandes. O “genocídio viral” acontece quando governantes e outros agentes públicos, por algum motivo, não tomam a sério suas responsabilidades no combate à pandemia. O Brasil, por meio da CPI da pandemia, vai investigar responsabilidades de governantes, e isso é necessário. No entanto, o problema não se resolve com a identificação de culpados, mas com o esforço coletivo para a superação da pandemia. Governantes têm a responsabilidade maior nesse esforço e, se não estão fazendo bem a sua parte, devem ser responsabilizados.

Mais da metade das mortes da COVID-19 é de idosos. No Brasil, muitos deles compõem 50% ou mais da renda familiar. Há também uma mudança demográfica em aceleração. Quais impactos demográficos e econômicos o senhor prevê na Igreja no Brasil, visto que muitas comunidades são formadas majoritariamente por pessoas idosas?

Não creio que haverá um impacto demográfico significativo, mas é bem verdade que, em algumas regiões do Brasil, a renda familiar depende em boa parte das aposentadorias dos idosos. As comunidades da Igreja estão sofrendo as mesmas dificuldades da população e também vivem sob a pressão da escassez de recursos para a sua missão. Contudo, a vida e a missão da Igreja não dependem de maior ou menor renda, mas sim de conversão, fé e caridade mais firmes e da solidariedade real entre as pessoas.

Vivemos um momento de grande valorização da ciência. Entretanto, a Igreja também tem uma crítica forte ao “cientificismo” ou à “tecnocracia”, quando a ciência ou a técnica se sobrepõem à pessoa humana e ao transcendente. Como encontrar o equilíbrio e valorizar a ciência e o importante trabalho dos cientistas?

Cientificismo e tecnocracia seriam a absolutização dessas atividades humanas, relativamente ao valor da pessoa e de outros valores fundamentais do homem. O trabalho dos cientistas e tecnólogos, porém, é louvável e necessário para a comunidade humana, devendo se manter também dentro dos padrões éticos, como qualquer atividade humana. No caso da pandemia, o envolvimento de muitos cientistas do mundo inteiro e grandes investimentos econômicos na pesquisa foram importantes para se chegar, em tempo bastante breve, às vacinas que hoje são aplicadas. A própria Igreja incentiva a ciência e a técnica, como atividades postas a serviço da pessoa e da vida humana.

O Papa Francisco faz uma defesa da criação de uma “renda básica universal” no livro “Vamos sonhar juntos”, no qual reflete sobre a pandemia. Diz que é um elemento essencial para o mundo pós-COVID. O auxílio emergencial se tornou uma espécie de renda básica temporária para alguns brasileiros. Como o senhor vê essa proposta? Foi discutida na CNBB?

Como tal, essa proposta não foi discutida na Assembleia da CNBB. A proposta do Papa aparece desde o início do seu pontificado no contexto de preocupações mais amplas: a vida digna para todas as pessoas, a fraternidade universal e a boa governança da “casa comum”, a natureza, cujos recursos não são inexauríveis. O modelo de economia atual, que visa à acumulação e à produção de supérfluos, em detrimento da satisfação das necessidades básicas para a vida digna para todos, vai levar a médio e longo prazos à insustentabilidade desse modelo econômico, à destruição da “casa comum” e, finalmente, às lutas fratricidas, guerras e morte. É necessário refletir seriamente sobre isso, e o Papa Francisco convida todos a fazerem essa reflexão.

O senhor tem destacado o crescimento da solidariedade nestes tempos de pandemia. A Igreja e a sociedade sairão desta crise mais fortalecidas na consciência e na promoção do serviço da caridade?

Acredito que sim. Muitas iniciativas louváveis estão sendo tomadas na Igreja e em outros âmbitos da vida social. Isso vai deixar ensinamentos que, por algum tempo, terão repercussões positivas. A História mostra que as grandes crises, quando enfrentadas bem, podem ser tempos criativos, sucedidos por períodos “virtuosos”. Esperamos que os sofrimentos e as lições boas da crise atual não sejam esquecidos muito rapidamente.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter