Paróquia Nossa Senhora do Ó: 225 anos de testemunho cristão e de devoção mariana

Uma das igrejas mais tradicionais da cidade já foi destruída por um incêndio e adaptou ações pastorais ao longo das décadas

Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Pontualmente às 19h30, ouve-se no interior do templo e pelas ruas próximas o repicar do sino do alto da torre. Aos que estão na igreja, este é o sinal de que devem ficar em pé para rezar a Ave-Maria e acompanhar o comentário inicial de mais uma das missas da matriz da Paróquia Nossa Senhora da Expectação, no bairro da Freguesia do Ó.

Na assembleia de fiéis, é possível ver famílias inteiras, filhos na companhia de pais idosos e alguns jovens. No altar-mor, a imagem de Nossa Senhora do Ó está entre as de Sant’Ana e São Joaquim, e à frente do presbitério está a de Nossa Senhora das Dores, celebrada por toda a Igreja naquele 15 de setembro. Para os paroquianos, há mais uma razão para render graças a Deus: os 225 anos de criação da Paróquia.

“Louvemos e bendigamos a Deus, porque Ele fez morada aqui na Freguesia do Ó”, afirmou no começo da missa o Padre Carlos Alves Ribeiro, Pároco. “Nós herdamos esta fé e somos gratos a todos os que por aqui passaram”, disse na homilia. “A Freguesia não pode se esquecer de que nasceu da devoção mariana”, enfatizou.

Uma das mais antigas da cidade

A Paróquia Nossa Senhora da Expectação foi erigida em 15 de setembro de 1796, quando a então Rainha de Portugal, Maria I, decretou a tripartição da Freguesia da Sé, única circunscrição da Diocese de São Paulo até então, criando as Freguesias de Nossa Senhora da Penha de França e de Nossa Senhora do Ó. Naquele período, estava em vigor o regime do padroado e o império tinha poder sobre a organização eclesiástica em Portugal e em territórios sob seus domínios, como era o Brasil.

Em um artigo produzido por ocasião dos 225 anos da Paróquia, o Diácono Permanente Benedito Camargo, que atua nesta comunidade paroquial, explica que a nomenclatura freguesia “é proveniente de uma deformação ou da má compreensão do termo Filii Ecclesiae, aportuguesado; “Freguesia”, que é uma porção do povo de Deus – ‘Filhos da Igreja’ –, essa é uma forma de pertença, hoje denominada de ‘Paróquia’”.

Bem antes da oficialização da Paróquia, o catolicismo já era intenso naquelas terras. No começo dos anos 1610, o bandeirante português Manuel Preto e a esposa, Águeda Rodrigues, que ali chegaram em 1580, construíram uma capela dedicada a Nossa Senhora da Esperança (Expectação). Não demorou muito para que a capela se tornasse “lugar de encontro e de oração nas práticas devocionais dos seus habitantes. Ter um lugar para a oração possibilitou o aumento da fé e da esperança do povo. A caridade espalha-se, tornando aquele lu- gar o centro de partilha e solidariedade”, escreve o Diácono Benedito Camargo no já referido artigo.

Em razão das antífonas do breviário romano que eram recitadas na novena de Nossa Senhora da Esperança, iniciadas com o vocativo “Ó”, a capela em poucos anos se tornou conhecida como a Capela de Nossa Senhora do Ó.

Incêndio e reconstrução

Construída próxima às margens do rio Tietê, a capela passou a apresentar sinais de deterioração na década de 1780, em razão da umidade. Assim, decidiu-se pela construção de outro templo, em uma colina daquelas terras, o qual se tornou, em 1796, a matriz da Paróquia recém-criada, tendo como primeiro pá- roco o Padre João Franco da Rocha.

Dias após a comemoração do centenário, um incêndio destruiu completamente a capela, em 22 de setembro de 1896. “Relatos de época dão como causa do incêndio a zelosa atitude do sacristão que, no intuito de queimar uma colmeia de abelhas que se instalara na porta do templo, acabou por provocar a tragédia”, lê-se em um dos trechos do livro “200 anos de Paróquia Nossa Senhora do Ó: 1796-1996”, produzido pela comunidade paroquial na comemoração do bicente- nário de fundação.

Já no ano seguinte, uma comissão de moradores se mobilizou para viabilizar a construção de uma nova igreja, cuja pedra fundamental foi lançada em 9 de janeiro de 1898. A inauguração do atual templo ocorreu em 27 de janeiro de 1901, há 120 anos.

“Graças ao trabalho dos habitantes do lugar, a construção foi erguida em três anos, tempo recorde para a época. Destaque nessa tarefa foi o trabalho dos animais utilizados na busca da água, trazida do rio Tietê, que possibilitou a construção do novo prédio. Mulas foram utilizadas. Como é sabido, esses muares, orientados em processo repetitivo, passam a executar as tarefas, sozinhos, e assim, iam ao rio e retornavam dele sem condutores, bastando ter alguém que colocasse a carga ao lombo e quem descarregasse”, escreve o Diácono Benedito Camargo.

Para a construção da nova igreja, famílias colaboraram financeiramente e terrenos que eram de propriedade da Paróquia foram vendidos para angariar verbas. “Não obstante a falta de recursos do povo, que é sumamente religioso, presta ele seus serviços pessoais e, em grande número, tem concorrido com certos materiais, empenhando-se pela breve conclusão da nova igreja”, lê-se em uma carta de 24 de julho de 1898, enviada ao Núncio Apostólico do Brasil pelo Padre João de Freitas Monteiro e Vasconcellos, então Pároco.

Oração e evangelização

Acervo paroquial

Em 1904, surgiu na comunidade o Apostolado da Oração, um dos primeiros grupos a atuar na nova matriz. Documentos de 1927 indicam a presença tanbém da Irmandade Santíssimo Sacramento, Pia União das Filhas de Maria, União Católica de Moços São Luiz Gonzaga, Associação dos Escoteiros Católicos e Grupo de Bandeirantes Católicas.

Entre as décadas de 1930 e 1950, foram intensificados os grupos de Catequese e os momentos orantes no templo e nas casas. Em 1961, com a entronização da imagem do Beato Santo Antônio de Categeró, a igreja passa a receber mais fiéis regularmente, em especial no dia 18 de cada mês, para as missas devocionais ao Bem-Aventurado, as quais ocorrem ainda hoje.

Festa do Divino Espírito Santo

Uma das tradições na Paróquia Nossa Senhora do Ó é a Festa do Divino Espírito, que acontece na Solenidade de Pentecostes e que em 2021 comple- tou 200 anos.

“A responsável por levar a festa a Portugal foi a Rainha Isabel, esposa de Dom Diniz, que entregou seu cetro e sua coroa ao Divino Espírito Santo, pedindo a paz para seu país, que estava em guerra. Vem daí a tradição de a família imperial se despojar de suas prerrogativas, destinando-as a um local sempre ricamente ornamentado, onde ficam a imagem do Divino Espírito Santo, o cetro e a coroa, simbolizando que é Dele, do Espírito Santo, o reinado durante a festa”, conta Maria Lúcia Miserochi de Oliveira Lins, uma das organizadoras da Festa do Divino na Paróquia.

Anualmente é escolhido, por sorteio, o cortejo imperial: alferes (porta-bandeira), capitão-do-mastro e imperador. Há, ainda, os guardiões da bandeira, famílias que, ao longo do ano, realizam momentos de evangelização pelo bairro, incluindo visitas às casas e hospitais.

Acervo paroquial

Incidência no bairro

Com a chegada do Cônego Noé Rodrigues, em 1966, os fiéis da Paróquia Nossa Senhora do Ó intensificaram a realização de gestos concretos de misericórdia.

A Obra Assistencial Nossa Senhora do Ó e a Fundação Nossa Senhora do Ó, atualmente geridas pelos padres camilianos, surgiram na Paróquia e viabilizaram a construção do Hospital Nossa Senhora do Ó, que por décadas foi o único da região, bem como a manutenção de creches em comunidades carentes. Iniciativas como a Feira das Nações, criada na época do Cônego Noé, permitiam angariar recursos financeiros para a manutenção dessas atividades.

Romano Iughetti, paroquiano desde 1972, e um dos autores do livro do bicentenário da Paróquia, recorda que o Cônego sempre desejou que a comunidade não reduzisse suas ações à manutenção do templo. “A construção das creches, por exemplo, foi uma ideia do Cônego Noé ao perceber que havia muitos casais com filhos pequenos que precisavam trabalhar e não tinham com quem deixar as crianças”, afirmou Iughetti.

O paroquiano, assim como Carlos Mikola, da equipe do conselho administrativo, e o Padre Carlos recordaram que foi o Cônego Noé, junto com o Diácono Benedito Camargo e o senhor João Mota, que por primeiro se mobilizaram para que um dia o metrô pudesse chegar à Freguesia do Ó, algo que deve estar concretizado até 2025, com a inauguração da Linha 6 – Laranja. O Cônego foi pároco até abril de 1998 e morreu em 2012, aos 95 anos de idade.

Rumo à santidade

Ao completar 225 anos, a Paróquia Nossa Senhora do Ó, de acordo com o Padre Carlos, conta tanto com paroquia- nos que moram no próprio bairro quanto com outros que já não residem mais na Freguesia do Ó, mas continuam a participar das missas e atividades pastorais.

A transmissão da fé cristã e das tradições tem ocorrido entre as gerações, embora haja o desafio, segundo o Pároco, de envolver mais os jovens nas iniciativas paroquiais.

A última turma de Catequese, iniciada antes da pandemia, teve 65 pessoas, que receberam o sacramento da primeira Eucaristia este ano, de acordo com a catequista Márcia Regina de Oliveira Alves. Padre Carlos diz perceber a maior procura de adultos pelos sacramentos da Iniciação à Vida Cristã. Até o fim deste ano, por exemplo, cerca de 30 adultos serão crismados. O Sacerdote afirma que muitos deles passaram a ter maior contato com a fé cristã assistindo às missas pela tevê, vendo conteúdos pelas mídias sociais e, ao se interessar em saber mais sobre a Igreja, decidiram-se pelo ingresso na preparação para o Batismo, primeira Eucaristia e Crisma.

Entre os grupos com maior atividade na Paróquia, está o Encontro de Casais com Cristo (ECC), já em sua 94a edição. “O ECC abre as portas para os casais e eles vão mergulhando em outros serviços da comunidade”, comenta o Pároco. Também em expansão está o Terço dos Homens, que no último mês liderou uma iniciativa de arrecadação de alimentos, que resultou em 4 toneladas de itens.

Padre Carlos lembra que a doação de alimentos é uma prática recorrente dos paroquianos e não só diante de mobilizações especiais. “Todos os meses, ajudamos diretamente 40 famílias e ainda conseguimos enviar alimentos para duas ou três paróquias da Região. Os paroquianos são bem sensíveis a isso. Neste tempo de pandemia, em nenhum mês faltaram alimentos para ajudar a quem mais precisa.”

Restauro do templo

Uma das campanhas permanentes da Paróquia é para o restauro do templo, que vem sendo feito conforme as recomendações técnicas, uma vez que a igreja matriz é tombada desde 1992 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

“Nós começamos o processo de restauro porque o forro estava na iminência de cair, mas graças a Deus isso não aconteceu. Eu cheguei à Paróquia em 2012 e tínhamos R$ 80 mil em caixa, para uma demanda que custa mais de R$ 2 milhões”, recorda Padre Carlos.

Para angariar recursos, a equipe de restauro da Paróquia organizou rifas, carnês e foi à procura de doações, que permitiram, além da estabilização do forro, a pintura das paredes, o resgate de aspectos da arquitetura original, além de terem sido encontrados documentos e obras de arte que eram desconhecidos ou dados como desaparecidas.

Em 13 de agosto de 2015, houve a missa de ação de graças pela conclusão do restauro do forro, vitrais superiores, cornijas e lustres centrais da igreja. Também já se concluiu o restauro de toda a nave, das Capelas do Batismo, de Nossa Senhora das Dores, do Beato Santo Antônio de Categeró, além dos bancos. Ainda faltam ser restaurados o presbitério, a Capela do Santíssimo, o piso, as portas, a sacristia e a casa paroquial.

Cenário de novela

Nas proximidades da matriz paro- quial já foram gravados filmes, comerciais e outras produções televisivas, incluindo cenas da novela “O tempo não para”, que foi ao ar pela TV Globo entre julho de 2018 e janeiro de 2019, com um enredo que retratava, de modo fictício, a vida da família que fora a primeira proprietária das terras da Freguesia do Ó.

“Na época da novela, muitos vieram conhecer a Paróquia por curiosidade. A novela acabou por divulgar o bairro. Ainda hoje, quando vou celebrar em algum lugar, falo que sou da Paróquia daquela novela sobre a Freguesia do Ó”, brinca Padre Carlos, lembrando que as gravações, algumas no interior do templo, não interferiram nas atividades paroquiais.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter