Vidas restauradas pela força do Espírito Santo

Acolhidos da Missão Belém são crismados após deixarem as ruas e as drogas

Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

A igreja matriz da Paróquia São José do Belém ficou lotada na manhã do sábado, 11, para a missa na qual 130 pessoas acolhidas pela Missão Belém receberam o sacramento da Confirmação (Crisma), após deixarem as ruas e a dependência química. Com esse grupo, outros 20 agentes evangelizadores da comunidade também foram crismados, na celebração presidida por Dom Cícero Alves de França, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Belém.

Fundada em 2005, a Missão Belém é uma associação de fiéis que nasceu com o objetivo de reviver o mistério de Belém: “Jesus que nasce pobre no meio dos pobres, numa mísera gruta, acolhido com carinho por Maria e José”. Em 18 anos, mais de 80 mil pessoas foram acolhidas e grande parte se deve aos próprios ex-irmãos de rua restaurados e que se tornaram missionários. Hoje, a Missão abriga 2,3 mil pessoas em suas casas, 600 das quais são doentes crônicos.

CAMINHO DE FÉ

Após serem acolhidos e receberem os primeiros cuidados nas casas da associação, os homens e mulheres que viviam nas ruas iniciam um caminho de restauração integral que tem como base a oração e a vida fraterna.

“É apresentado para eles o caminho com a Palavra de Deus, por meio do diário espiritual, que nós chamamos de ‘lectio divina dos pobres’. Todos os dias, eles leem e meditam algum texto bíblico, escrevem o que mais gostam, tiram um propósito para viver durante o dia, e à noite respondem como o viveram. A base da caminhada está aí?”,explicou o Padre Paulo Gomes da Silva Júnior, um dos missionários responsáveis pela preparação dos crismandos.

À medida que amadurecem na caminhada da fé, alguns desses acolhidos manifestam o desejo de aprofundar na vida cristã, recebendo os sacramentos. Muitos deles, embora tenham sido batizados na infância, nunca participaram da vida eclesial e, por isso, não receberam a primeira Eucaristia nem a Crisma. Por meio de retiros querigmáticos ao longo do ano, são aprofundados temas como os sacramentos, os mandamentos da Lei de Deus, a moral cristã e a vivência da afetividade e sexualidade, com base na Teologia do Corpo, série de catequeses desenvolvidas por São João Paulo II.

Para realizar a formação, os missionários elaboraram um material próprio para os acolhidos, que parte da realidade própria deles e com uma linguagem que os ajude a aprofundar o conhecimento da fé.

Cada acolhido é acompanhado por um missionário que anota seu progresso formativo numa espécie de “prontuário sacramental”, no qual também é avaliada a vivência na comunidade e como aplica o conteúdo fé na vida cotidiana. “Percebemos que essa espiritualidade é a grande força da Missão Belém, que realmente arranca os irmãos da situação de miséria e os conduz para receber o sacramento”, acrescentou Padre Paulo.

ESPÍRITO DO SENHOR

Na homilia, Dom Cícero meditou sobre o trecho do Evangelho no qual Jesus lê o texto do profeta Isaías na sinagoga, no qual afirma: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para pregar o Evangelho aos pobres” (Lc 4,18).

“É este mesmo Espírito que hoje o Senhor dá a cada um de vocês. Recebam esse Espírito, dom de Deus, para poderem passar pelas adversidades dessa vida”, afirmou o Bispo, sublinhando que o Espírito Santo também faz daqueles que o recebem evangelizadores. “Vocês foram crismados para poderem anunciar ao mundo, ir até muitos infernos que ainda existem, às tantas sarjetas, prisões, homens e mulheres que continuam acorrentados e anunciar a essas pessoas esse amor que vocês experimentaram”, completou.

Aos 39 anos, Liliane da Conceição Pinto já viu a morte de perto. Ela viveu dez anos na Cracolândia em uma situação degradante. Chegou a conhecer a Missão Belém naquela época e tentou deixar as drogas, porém, teve uma recaída e voltou para a rua. “Quase morri, fiquei em coma e quando eu acordei senti que Jesus me chamava para sair dessa vida”, relatou. Há oito meses de volta à comunidade, Liliane se sente renovada pela força dos sacramentos e impulsionada a fazer com que outras pessoas experimentem essa graça. “Nos últimos três dias, nós fomos em missão para a Cracolândia e já conseguimos resgatar algumas pessoas para as nossas casas. Eu posso dizer que, agora, estou ‘saqueando o inferno’ e resgatando almas para Deus”, completou.

VIDA NOVA

O caminho de fé percorrido na Missão Belém não só restaura a dignidade humana das pessoas em situação de rua como as ajuda a tomarem consciência da sua dignidade de filhos de Deus e até a própria identidade. Este é o caso de Deivison Ferriera Santos, 25, que vivia nas ruas desde os 11 anos de idade, quando, após a morte de seu pai, foi abandonado pela mãe. “Desde então, fui criado na rua sozinho”, relatou o jovem ao O SÃO PAULO.

Na rua, Deivison teve contato com as drogas e tudo o que de pior podia experimentar. Ele nem sequer existia oficialmente, pois não possuía registro de nascimento. Até que, há um ano, conheceu a Missão Belém por meio de um amigo que também estava em situação de rua. Quando perguntado o que encontrou na comunidade, o jovem respondeu: “O amor, a convivência fraterna, o meu caráter de volta, o meu sorriso. Eu até consegui o meu registro. Hoje, tenho uma identidade, sou um novo homem em Cristo”.

guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Aguida
Aguida
6 meses atrás

Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo e de vossa Santíssima Mãe e seu pai adotivo São José. Sejamos Belém na proximidade e na adoração de Deus e no serviço a nós confiado dos talentos que nos foram dados.
Obrigada Deus pela vocação e missão desses irmãos…