Cardeal Parolin: quem tem nas mãos o destino do mundo nos poupe dos horrores da guerra

O cardeal secretário de Estado após o ataque russo à Ucrânia: ‘Ainda há tempo para a boa vontade, ainda há tempo para a negociação’

Cardeal Parolin: quem tem nas mãos o destino do mundo nos poupe dos horrores da guerra, Jornal O São Paulo
Cardeal Parolin (foto: Vatican Media)

Diante dos desdobramentos hodiernos da crise na Ucrânia, tornam-se ainda mais nítidas e mais prementes as palavras que o Santo Padre Francisco pronunciou ontem [quarta-feira, 23] ao término da Audiência Geral: é o que afirma o secretário de Estado vaticano, Cardeal Pietro Parolin, numa declaração divulgada pela Sala de Imprensa da Santa Sé na quinta-feira, 24 de fevereiro, dia em que a crise na Ucrânia se transformou num conflito.

“O Papa evocou grande dor ‘grande dor’, ‘angústia e preocupação’. E convidou todas as partes envolvidas a ‘abster-se de qualquer ação que provoque ainda mais sofrimento às populações’, ‘desestabilize a convivência pacífica’ e desacredite o direito internacional’.”

“Este apelo adquire uma dramática urgência após o início das operações militares russas no território ucraniano. Os trágicos cenários que todos temiam, infelizmente, estão se tornando realidade.”, comentou o Cardeal.

O Secretário de Estado do Vaticano ressalta que “ainda há tempo para a boa vontade, ainda há tempo para a negociação, ainda há tempo para o exercício de uma sabedoria que impeça o prevalecer dos interesses de parte, tutele as legítimas aspirações de cada um e poupe o mundo da loucura e dos horrores da guerra”.

“Nós fiéis – conclui o cardeal Parolin – não perdemos a esperança num vislumbre de consciência daqueles que têm o destino do mundo em suas mãos. E continuamos rezando e jejuando – o faremos na próxima Quarta-feira de Cinzas – pela paz na Ucrânia e no mundo inteiro.”

Fonte: Vatican Media

Deixe um comentário