Francisco: o futuro da Eslováquia está nas mãos dos jovens

Papa Francisco é acolhido pela presidente da Eslováquia em viagem apostólica internacional (foto: Vatican Media)

O Papa Francisco desembarcou na capital da Eslováquia, Bratislava, na tarde do domingo, 12, vindo de Budapeste, onde celebrou a missa conclusiva do 52º Congresso Eucarístico Internacional.

O Santo Padre foi recebido pela Presidente Zuzana Čaputová com quem teve uma breve conversa antes de partir para a Nunciatura Apostólica na Eslováquia, onde participou de um encontro ecumênico. Francisco falou sobre os anos sombrios da perseguição ateísta do passado e para a força da Igreja de Cristo, chamada hoje à unidade, ao testemunho, à fraternidade e à proximidade com os necessitados.

Encontro ecumênico (foto: Vatican Media)

Boas-vindas

Na manhã da segunda-feira, 13, aconteceu a cerimônia de boas-vindas no Palácio Presidencial, seguida da visita de cortesia à Presidente da República, Zuzana Čaputová. Lá, o Pontífice pronunciou seu discurso às Autoridades, à Sociedade Civil e ao Corpo Diplomático.

“Vim como peregrino a um país jovem, mas com uma história antiga, a uma terra com raízes profundas situada no coração da Europa”, disse o Papa, citando o nascimento da Eslováquia 28 anos atrás. Embora “jovens”,  os eslovacos cultivam duas expressões da hospitalidade eslava: o pão e o sal.

O pão, escolhido por Deus para Se tornar presente entre nós, é essencial. A Escritura convida a não o acumular, mas a partilhá-lo. (…) Que ninguém seja estigmatizado ou discriminado. O olhar cristão não vê nos mais frágeis um peso ou um problema, mas irmãos e irmãs que devem ser acompanhados e defendidos.”

Mas não bastam estruturas organizadas e eficientes, disse ainda o Papa, é preciso sabor, o sabor da solidariedade.

“E como o sal só dá sabor dissolvendo-se, também a sociedade readquire sabor através da generosidade gratuita de quem se gasta pelos outros. É bom que os jovens, em particular, sejam motivados para isto.”

Juventude

Francisco lamentou o sentimento de cansaço e frustração que acomete muito jovens na Europa, “iludidos por um espírito consumista que torna cinzenta a sua existência”. “O ingrediente que falta é cuidar dos outros: sentir-se responsável por alguém dá sabor à vida.”

O Pontífice advertiu para o risco das colonizações ideológicas: “Até algumas décadas atrás, nestas terras, um pensamento único impedia a liberdade; hoje, outro pensamento único esvazia-a de sentido, reduzindo o progresso ao lucro e os direitos a meras carências individualistas”.

Pontífice discursa para autoridades da Eslováquia (foto: Vatican Media)

Entretanto, Francisco considera a pandemia a “provação do nosso tempo”, que nos ensinou que somos todos frágeis e necessitados dos outros.

“Seja como indivíduo seja como nação, ninguém se pode isolar. Acolhamos esta crise como um apelo a repensar os nossos estilos de vida. (…) Espero que o façais com os olhos voltados para o alto, como quando contemplais os vossos esplêndidos montes Tatra. (…) Cultivai esta beleza, a beleza do conjunto. Isto requer paciência e fadiga, coragem e partilha, zelo e criatividade. Mas é a obra humana que o Céu abençoa.”

O Papa concluiu seu discurso arriscando algumas palavras em eslovaco, pedindo a Deus que abençoe o país (Nech Boh žehná Slovensko [Deus abençoe a Eslováquia!).

Fonte: Vatican News

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter