O Papa: estar com Jesus e sair para anunciá-lo, este é o sentido da nossa vida

“Não nos esqueçamos de que “estar” com Jesus e “sair” para anunciá-lo é também estar com os pobres, com os migrantes, com os doentes, com os presos, com os mais pequenos e esquecidos da sociedade”, disse Francisco aos membros da Comunidade do Pontifício Colégio Pio Latino Americano recebida em audiência, nesta segunda-feira.

O Papa: estar com Jesus e sair para anunciá-lo, este é o sentido da nossa vida, Jornal O São Paulo
Foto: Vatican News

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta segunda-feira (28/11), na Sala Clementina, no Vaticano, cinquenta membros da Comunidade do Pontifício Colégio Pio Latino Americano.

Em seu discurso, o Pontífice sublinhou que o período transcorrido, em Roma, pelos membros do Pontifício Colégio Pio Latino Americano é um “tempo de graça”, concedido pelo Senhor, para que possam “aprofundar sua formação, não apenas no âmbito intelectual, acadêmico, mas também para viver a riqueza e a diversidade de toda a Igreja, que caracterizam os nossos povos da América Latina”, para “onde voltarão para continuar sendo pastores do rebanho que Deus lhes confiou”.

Ser discípulos e missionários

“Os primeiros cristãos provinham de diferentes povos e culturas. Foi o Espírito Santo que, descendo sobre eles, os fez ter um só coração e uma só alma, falar a mesma língua, a língua do amor, e ser discípulos e missionários de Jesus até os confins da terra”, disse ainda o Papa, recordando Santo André apóstolo, cuja festa celebramos na próxima quarta-feira, 30 de novembro. A seguir, o Papa se deteve nos dois termos: discípulos e missionários.

O Evangelho de João mostra “que André foi um dos primeiros discípulos de Jesus. Diante da sua inquietação por conhecer o Mestre e o seu convite: «Vinde ver», ele foi, viu onde morava e ficou com ele naquele dia”. “Foi ali que sua vida mudou radicalmente”, frisou o Papa, convidando a renovar “todos os dias o nosso encontro com o Senhor, partilhar a sua Palavra, ficar em silêncio diante Dele para ver o que nos diz. Que Jesus tenha voz ativa em cada uma de nossas decisões! Somos seus ministros, pertencemos a Ele e Ele nos chamou para ‘estar com ele’. Isso é o que significa ser seus discípulos”.

“O encontro de André com Jesus não o deixou tranquilo e de braços cruzados, mas o transformou, não era mais o mesmo de antes, só podia ir e anunciar o que tinha vivido”, frisou o Papa, recordando que a primeira pessoa que André encontrou para anunciar, foi seu irmão, Simão Pedro: «Encontramos o Messias», e o levou até onde estava Jesus. “Assim, André ‘estreou’ como missionário”, sublinhou Francisco, recordando que também nos esperam “os nossos irmãos e irmãs, especialmente os que ainda não experimentaram o amor e a misericórdia do Senhor, para que anunciemos a eles a Boa Nova de Jesus e os conduzamos a Ele. Sair, mover-se, levar a alegria do Evangelho, isto é, ser missionários”.

Caminho de ida e volta

A seguir, o Papa disse que “Marcos em seu Evangelho resume o chamado de Jesus para ser discípulos e missionários. Ele chamou os apóstolos ‘para estar com Ele e enviá-los a pregar’. Estar com Jesus e sair para anunciá-lo”. Francisco sublinhou esses dois verbos: “estar” e “sair”.

Este é o sentido da nossa vida. É um caminho de “ida e volta”, que tem Jesus como ponto de partida e chegada. Não nos esqueçamos de que “estar” com Jesus e “sair” para anunciá-lo é também estar com os pobres, com os migrantes, com os doentes, com os presos, com os mais pequenos e esquecidos da sociedade, para partilhar com eles a vida e anunciar a eles o amor incondicional de Deus, pois Jesus está presente naqueles irmãos e irmãs mais vulneráveis, ali nos espera de modo especial.

Francisco convidou os membros da Comunidade do Pontifício Colégio Pio Latino Americano a não se esquecerem de voltar a Jesus, “todas as noites, depois de um longo dia, mas atenção”, voltar “para Ele, não para a tela do celular”. O Papa disse que fica muito triste quando vê “um sacerdote bom, trabalhador que se cansa e se esquece de ir ao sacrário, e vai dormir porque está cansado”. “Ele tem razão, tem que dormir, mas primeiro saúda, certo? Não seja mal-educado”, sublinhou Francisco. O Pontífice se entristece também quando um sacerdote procura refúgio no celular. “Por favor, não sejam viciados nesse mundo de fuga. Não se viciem. Existem vários passos que vão tirando a força. Sejam viciados no encontro com Jesus. Ele sabe do que precisamos e tem uma palavra a nos dizer em todas as ocasiões”, sublinhou o Papa.

Não cair no clericalismo

A seguir, Francisco disse que “a pastoralidade” não deve ser negociada, e que eles devem ser “pastores do Povo de Deus, não clérigos de Estado”.

Não caiam no clericalismo, que é uma das piores perversões. Prestem atenção! O clericalismo é uma forma de mundanidade espiritual. O clericalismo é deformador, é corrupto, e leva a uma corrupção, a uma corrupção engomada, de nariz empinado, que separa do povo e faz você esquecer o povo de onde veio.

Segundo o Papa, cada vez que isso acontece a pessoa “se distancia da graça de Deus e cai na praga do clericalismo”. Portanto, ser “pastores do povo, não clérigos de Estado”, pedindo “a graça de saber estar sempre na frente, no meio e atrás do povo, envolvido com o povo”.

O Papa concluiu, pedindo a Nossa Senhora de Guadalupe para que nos ajude no caminho do “discipulado-apostolado”, nesse itinerário vital de “ida e volta” que parte de Jesus e vai aos irmãos, voltando com os irmãos ao encontro de Jesus.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário