Papa aos luteranos: Jesus nos acompanha no caminho do conflito à comunhão

Durante o encontro com os representantes da Federação Luterana Mundial, Francisco encorajou “todos aqueles que estão comprometidos com o diálogo católico-luterano a prosseguirem com confiança na oração incessante, no exercício da caridade partilhada e na paixão pela busca por uma maior unidade”.

Vatican Media

O Papa Francisco recebeu em audiência, na sexta-feira, 25, no Vaticano, uma delegação da Federação Luterana Mundial. O Pontífice recordou sua visita a Lund, cidade onde a Federação foi fundada, no âmbito de sua viagem apostólica à Suécia, em 2016.

“Naquela inesquecível etapa ecumênica, experimentamos a força evangélica da reconciliação, atestando que «através do diálogo e do testemunho compartilhado não somos mais estranhos». Não mais estranhos, mas irmãos”, frisou o Papa.

“Em caminho do conflito à comunhão, no dia da comemoração da Confessio Augustana, vocês vieram a Roma para que cresça a unidade entre nós”, disse Francisco, desejando que “a reflexão comum sobre o Confessio Augustana, em vista dos 500 anos de sua leitura em 25 de junho de 2030, “traga benefício ao caminho ecumênico”. “Na época, a Confessio Augustana foi uma tentativa de neutralizar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental”, recordou o Pontífice, lembrando que, em 1980, por ocasião dos 450 anos desse texto, luteranos e católicos afirmaram: «O que reconhecemos na Confessio Augustana como fé comum pode nos ajudar a confessar esta fé juntos de uma maneira nova também em nosso tempo». Confessar juntos o que temos em comum na fé”. Francisco recordou “as palavras do Apóstolo Paulo na Carta aos Efésios: “Um só corpo, […] um só batismo. Um só Deus”.

Um só Deus

Segundo o Papa, “no primeiro artigo, a Confessio Augustana professa a fé no Deus Uno e Trino, referindo-se ao Concílio de Nicéia”.

O credo de Nicéia é uma expressão vinculante de fé não só para católicos e luteranos, mas também para os irmãos ortodoxos e para muitas outras comunidades cristãs. É um tesouro comum: trabalhemos para que o aniversário de 1.700 anos daquele grande Concílio, que se realizará em 2025, possa dar um novo impulso ao caminho ecumênico, que é um dom de Deus e um percurso irreversível para nós.

Um só batismo

Segundo o Papa, “tudo aquilo que a graça de Deus nos dá a alegria de experimentar e partilhar, a crescente superação das divisões, a cura progressiva da memória, a colaboração reconciliada e fraterna entre nós, encontra seu fundamento no “único batismo para a remissão dos pecados”.

O santo batismo é o dom divino original, que está na base de todo nosso esforço religioso e de todo compromisso para alcançar a unidade plena. Sim, porque o ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Ele não se apoia em mediações e acordos humanos, mas na graça de Deus, que purifica a memória e o coração, vence a rigidez e se orienta para uma comunhão renovada: não para acordos diminutivos ou sincretismos conciliantes, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças. Nesta perspectiva, gostaria de encorajar todos aqueles que estão envolvidos no diálogo católico-luterano a prosseguir com confiança na oração incessante, no exercício da caridade partilhada e na paixão pela busca de uma maior unidade entre os vários membros do Corpo de Cristo.

Um só corpo

“Um só corpo. A este propósito a Regra de Taizé contém uma exortação bonita”, frisou o Papa: “«Tenham a paixão pela unidade do Corpo de Cristo». A paixão pela unidade amadurece através do sofrimento que se sente diante das feridas que infligimos ao Corpo do Senhor”.

Quando sentimos dor pela divisão dos cristãos, aproximamo-nos do que Jesus experimenta, continuando a ver os seus discípulos desunidos, as suas vestes rasgadas. Hoje, vocês me deram uma patena e um cálice provenientes das oficinas de Taizé. Agradeço-lhes por estes dons, que evocam a nossa participação na Paixão do Senhor. Na verdade, também nós vivemos uma certa paixão, em seu duplo significado: por um lado, o sofrimento, porque ainda não é possível nos reunirmos em torno do mesmo altar; de outro, o ardor em servir à causa da unidade, pela qual o Senhor rezou e ofereceu sua vida.

Por fim, o Papa exortou a prosseguir “com paixão em nosso caminho do conflito à comunhão”.

A próxima etapa será compreender os estreitos laços entre Igreja, ministério e Eucaristia. Será importante olhar com humildade espiritual e teológica para as circunstâncias que levaram às divisões, confiando que embora seja impossível anular os tristes acontecimentos do passado, é possível relê-los dentro de uma história reconciliada. A sua Assembleia Geral em 2023 poderá ser um passo importante para purificar a memória e valorizar muitos tesouros espirituais que o Senhor estabeleceu para todos durante os séculos. Queridos irmãos e irmãs, o percurso que vai do conflito à comunhão não é fácil, mas n       ão estamos sozinhos: Cristo nos acompanha.

Arcebispo Musa: a reconciliação tem o rosto de Jesus

As palavras do Papa Francisco foram precedidas pelas do arcebispo Panti FIlibus Musa, presidente da Federação Luterana Mundial. “Para nós a reconciliação tem um rosto: Jesus Cristo, e com Jesus o rosto do nosso próximo. O amor de Deus nos orienta para o próximo, a fé se torna ativa no amor. No encontro com os pobres e com os esquecidos e explorados pelo mundo, descobrimos que Cristo vem ao nosso encontro, nos alcança e nos torna uma só coisa”. “Luteranos e católicos procuram compreender hoje, globalmente, como viver a vontade de Deus que nos torna um”.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter