A verdadeira música é um convite à transcendência

Em entrevista ao O SÃO PAULO, Alvaro Siviero falou sobre como a música pode ajudar o ser humano a encontrar a beleza e o sentido da vida.

A verdadeira música é um convite à transcendência
Luciney Martins/O SÃO PAULO

“O pianista brasileiro demonstrou eloquente lirismo, unido a uma técnica impecável em sua apresentação…”. Assim o jornal La Mañana, de Córdoba, na Argentina, referiu-se a Alvaro Siviero, um dos maiores pianistas do Brasil. Em entrevista ao O SÃO PAULO, Siviero falou sobre como a música pode ajudar o ser humano a encontrar a beleza e o sentido da vida.

O paulistano Alvaro Siviero é apaixonado pelo piano, acumulando passagens por países como Alemanha, Portugal, Itália, Estados Unidos, República Tcheca, Emirados Árabes, Áustria, Polônia, França, Inglaterra, Suíça, Argentina, Chile, África do Sul, Ilhas Maurício e Reunião, Holanda, Espanha, Uruguai e Peru.

Durante a entrevista, ele falou, sobretudo, sobre o conceito de beleza e a busca humana por uma realidade que o transcenda. “As pessoas, muitas vezes, confundem beleza com seus gostos pessoais, e isso é complicado, pois sabemos que a perda do hábito da leitura e da reflexão, bem como as mudanças culturais, fazem com que se tenha uma percepção do belo sempre mais superficial”, disse Siviero.

Ao fazer essa premissa, o pianista salientou que, em relação à música, não é diferente. “Não faria sentido algum perguntar a uma pessoa por que ela gosta mais de uma música ou de outra, sobretudo porque gosto pessoal nenhum pode ser criticado. É muito importante, porém, não confundir beleza e gosto pessoal”, continuou.

Siviero disse ainda que não existe música boa ou ruim, mas que a verdadeira música fala de amor, morte, dor ou transcendência. “A música verdadeira nos leva a isso. Queremos, com a música, o que não temos, o desejo de beleza e de bem. É justamente a finitude da vida que nos faz buscar a transcendência, ou seja, o desejo de continuar existindo.”

Além da melodia, o pianista comentou que, igualmente, a poesia da letra pode ajudar as pessoas a viverem uma experiência de bem e de belo, e que é preciso sempre ressaltar que nem todos entendem a mesma coisa quando o assunto é música popular. “Em alguns países, a música clássica, por exemplo, é muito mais difundida e se torna, por isso, popular. No Brasil, antes da pandemia, víamos as salas de concerto cheias, o que demonstra um grande interesse também”, continuou.

Canções que tocam a espiritualidade

 “É a beleza artística que nos coloca em comunhão com Deus; as iniciativas comerciais apenas nos colocam em relação com o consumo, ídolo que falsifica o que significa ser humano”, disse, em entrevista, o Cônego Antonio Manzatto, apresentador do programa “Certas canções”, que vai ao ar aos sábados às 14h (reprise aos domingos, às 14h) na rádio 9 de Julho.

Doutor em Teologia e coordenador do Grupo de Pesquisa em Literatura, Religião e Teologia (LERTE), o Cônego afirmou que a música popular é expressão de uma cultura, que está profundamente marcada pela religiosidade, inclusive pela religiosidade cristã.

“Várias são as canções que tocam a espiritualidade, mesmo sem fazê-lo diretamente. Gosto de pensar, por exemplo, que, ao ouvir ‘Luar do sertão’, acabamos nos conectando com a transcendência, tal a beleza daquilo que a canção expressa. Chegamos até mesmo a um momento de oração diante do Criador que nos deu essa casa comum para cuidarmos. A música popular não tem como finalidade primeira a religião ou a espiritualidade, mas, quando a música é bonita, acaba conduzindo a isso porque nos coloca em comunhão com o transcendente”, disse Cônego Manzatto.

O Sacerdote recordou, ainda, que a música já foi utilizada em todas as religiões como forma de conduzir a Deus, na oração e na catequese. “Nós utilizamos muito a música na liturgia, e, quando a música é bonita, nos conduz a uma grande proximidade de Deus, a uma real experiência de Deus. E aquilo que cantamos na liturgia, e aqui falo da música religiosa, acaba sendo elemento de catequese, porque repetimos as palavras do que cantamos nas celebrações.”

Outro aspecto abordado por ele foi a importância de pensar no que se canta, pois, na canção religiosa, se a melodia é bonita, é necessário que a letra seja verdadeira.

“A música é uma arte, e quando ela é bonita, saímos cantarolando, repetindo as palavras. As canções bonitas permanecem apesar do tempo que passa, enquanto aquelas que são apenas comerciais desaparecem rapidamente. O que precisamos é ser críticos e exigentes com aquilo que ouvimos e que repetimos cantarolando”, afirmou o Cônego Manzatto.

Dicas de Álvaro Siviero

1. Rachmaninov – Concerto nº 2
para piano e orquestra em dó
menor, Op. 18
2. Beethoven – Sinfonias nº 5 em
dó menor, Op. 67 e nº 7 em lá
maior, Op. 92
3. Chopin – Polonaise Op. 53 em lá
bemol maior “Heroica”
4. Mozart – Sinfonia nº 40 em sol
menor K. 550
5. Grieg – Amanhecer (Suite Peer
Gynt)
6. Tchaikovsky – Concerto nº 1
para piano e orquestra em si bemol menor, Op. 23
7. Wagner – Coro dos Peregrinos
da Ópera Tannhauser
8. Villa-Lobos – Prelúdio das Bachianas Brasileiras nº 4

Dicas do Cônego Manzatto

Nossa Senhora, Roberto Carlos
Romaria, Renato Teixeira
Balada do Filho Pródigo, Elomar
Figueira de Melo
Luar do sertão, Catulo da Paixão
Cearense

A igrejinha de São Damião

De cada riso e dor
De cada espinho e flor
Construo a casa do meu Senhor
Com o que o mundo abandonou
De cada pedra do chão
Construo o templo do coração
Em cada dia que vem
Em cada dia que vai
Ergo em mim a casa de meu Pai


Marcus Viana

O Doce Mistério de Maria

Cânticos, Preces, Súplicas
à Senhora dos Jardins do Céu

E a rainha olha por todos,
E seu manto azul é escudo da terra,
Protege e perdoa mesmo quem erra,
Mãe, Mater, matéria divina, que
vibra
E esmaga serpentes e dragões, e
resgata o peregrino
De um deserto de aflições
E há de saber um dia, livrar-nos de
toda miséria.
Salve, Maria!
Salve, Rainha!

 
Maria Bethânia

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter