Conselho Permanente da CNBB aprova regimento interno e Inapaz é criado

Recriado com a perspectiva de que se torne um serviço de inteligência pastoral para a Igreja no Brasil, o Instituto Nacional de Pastoral Padre Alberto Antoniazzi (INAPAZ) teve seu regimento interno aprovado pelos bispos na última reunião do Conselho Permanente, no dia 17 de junho.

Conselho Permanente da CNBB aprova regimento interno e Inapaz é criado, Jornal O São Paulo

O Inapaz é um organismo técnico de assessoria teológico-pastoral vinculado ao secretariado geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Um dos desafios é a retomada como caminho para fortalecer a formação dos cristãos a partir das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2019-2023.

O arcebispo de Brasília (DF) e referencial do Setor Universidades da Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação da CNBB, dom Paulo Cezar Costa, foi o escolhido para ser também referencial para o Inapaz.

“O Inapaz tem se ocupado de duas frentes: produção das análises de conjuntura eclesiais e os seminários e consultas referentes à elaboração do novo estatuto do órgão colegiado dos bispos”, explicou o secretário executivo do instituto, padre Danilo Pinto.

Com o regimento interno aprovado, o Inapaz vai trabalhar na complementação dos seus quadros do Conselho Diretor e da Comissão de Peritos. Padre Danilo conta que a partir de agora o trabalho vai se intensificar.

“Estão previstos a formulação jurídico-canônica do novo estatuto da CNBB, o desenvolvimento do I Seminário Teológico Pastoral, a produção de subsídios e estudos sobre temas de relevância pastoral, a produção de conhecimento sobre a própria instituição para subsidiar as decisões da presidência, entre outras reflexões teológico-pastorais, acompanhando a ação evangelizadora no Brasil”, destaca.

Italiano, nascido em Milão em 1937, padre Alberto Antoniazzi foi um sacerdote que fez história na Arquidiocese de Belo Horizonte (MG) e faleceu em dezembro de 2004 vítima de um câncer. Ele chegou à Arquidiocese de Belo Horizonte (MG) em 1964, aos 27 anos, destacando-se pela capacidade de coordenar projetos, pesquisas e iniciativas pastorais.

Era teólogo e estudioso de temas da religião, foi assessor especial da CNBB por cerca de 20 anos e participou da elaboração dos principais documentos publicados pela entidade. Nos anos 1990 dedicou-se ao Projeto Pastoral Construir a Esperança, uma referência nacional em projetos de evangelização da Igreja Católica.

Padre Antoniazzi foi vice-reitor, pró-reitor de Graduação da PUC Minas e integrante do 1º Ciclo Geral de Estudos. Até falecer, fez parte da diretoria do Instituto do Desenvolvimento Humano Sustentável (IDHS), quando angariou recursos da Itália para planejar ações de combate à fome e à desnutrição infantil na Região Metropolitana de Belo Horizonte, dando origem ao Mapa da Fome.

Fonte: CNBB