Missa marca os 150 anos de nascimento da Beata Assunta Marchetti

A celebração eucarística será no domingo, 15, às 16h, na Capela dedicada a religiosa, com transmissão pelo Facebook

Reprodução

No domingo, 15, Solenidade da Assunção de Nossa Senhora, Dom Luiz Carlos Dias, Bispo Auxiliar de São Paulo na Região Belém, presidirá, às 16h, missa na Capela Assunta Marchetti, na Vila Prudente, em memória pelos 150 anos do nascimento da Beata Assunta Marchetti.

A religiosa italiana, cofundadora da Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeu (Scalabrinianas), viveu na capital paulista e faleceu em 1948.  A Celebração Eucarística será transmitida pelo Facebook Bem-Aventurada Assunta Marchetti.

Seus restos mortais estão sepultados nessa mesma capela, local do antigo orfanato onde ela viveu e morreu. Em 2014, o local tornou-se um memorial dedicado da Beata com objetos pessoais, fotografias e documentos que contam um pouco da história da religiosa.

Desejo de ser religiosa

Assunta nasceu em Lombrici – Camaiore, na Itália, em 15 de agosto de 1871, data da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora, que deu origem ao seu nome. Seus pais, Angelo Marchetti e Carolina Ghilarducci, eram moleiros. Toda a família se dedicava ao trabalho da moagem de cereais, e como meeiros dos proprietários, dependiam do moinho não só para o sustento como para a moradia.

Além do pesado trabalho, a mãe adoentada confiava na ajuda de Assunta no cuidado dos irmãos menores, pois era a terceira filha de 11 irmãos. A situação dificultou a realização de seu desejo de se tornar religiosa clarissa, contemplativa. Seu anseio foi adiado ainda mais, pois seu irmão mais velho, José Marchetti, ingressou no seminário de Lucca, e foi ordenado sacerdote em 1892.

Eram os anos da grande imigração italiana para as Américas. Impulsionado pela pregação do Beato Dom João Batista Scalabrini, apóstolo dos migrantes, seu irmão embarcou para o Brasil em outubro de 1894. Em fevereiro de 1895, iniciou a construção do Orfanato Cristóvão Colombo, em São Paulo, e retornando à Itália, convidou Assunta a abraçar a causa dos migrantes.

Entrega e dedicação no Brasil

Assunta chegou ao Brasil com suas companheiras em 27 de outubro de 1895 e teve uma vida de Fé, esperança e caridade radical. Amou intensamente o próximo e especialmente, as suas irmãs de congregação, dedicando-se de modo preferencial aos migrantes, aos órfãos, aos doentes, aos sofredores e aos pobres que precisavam de ajuda.

Nos últimos meses, viveu em uma cadeira de rodas. Mesmo imobilizada, interessava-se por tudo o que se passava na casa, preocupando-se com todos. Após 53 anos de vida missionária, Madre Assunta morreu em 1º de julho de 1948, junto aos órfãos do Orfanato Cristóvão Colombo (atualmente chamado Associação Educadora e Beneficente Casa Madre Assunta Marchetti), no bairro de Vila Prudente, em 1º de julho de 1948.

Assunta Marchetti foi beatificada em 25 de outubro de 2014, em uma celebração na Catedral da Sé, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, com a presença do Cardeal Angelo Amato, então prefeito da Congregação para a Causa do Santos.

LEIA TAMBÉM

Beata Assunta Marchetti: testemunha da caridade de Cristo para com os órfãos e os migrantes

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter