A Igreja no Brasil em tempos de jubileus

A Igreja no Brasil em tempos de jubileus, Jornal O São Paulo
Arte: Sergio Ricciuto Conte

O ano de 2022 será marcado por duas efemérides: recordamos o centenário da Semana de Arte Moderna – entre os dias 13 e 17 de fevereiro de 1922, no Theatro Municipal de São Paulo, quando a Semana ficou marcada como referência do mundo artístico e cultural, na sociedade brasileira, do século XX; em setembro, vamos lembrar o Bicentenário da Independência do Brasil, recordando que dia 7 de setembro de 1822, às margens do rio Ipiranga, o Brasil se apresentava como Nação.

Por que lembrar esses dois acontecimentos da sociedade? Qual a notoriedade da Semana de Arte Moderna? O que devemos celebrar em 7 de setembro? Como relacionar esses fatos com a vida da Igreja? Qual a importância da Igreja na História? Essas perguntas apresentadas se somam aos muitos questionamentos e desdobramentos que podemos fazer sobre a Independência do Brasil, em 1822, e o significado da semana artística e cultural em 1922.

Muito se diz que o grito no Ipiranga fez romper com a nação portuguesa, ainda que, sob à regência de um filho da coroa lusitana, o imperador Dom Pedro I, sendo assim, dessa maneira, independentes da Metrópole e dependentes dos interesses da elite brasileira. Ouvimos falar que a Semana de Arte Moderna foi um momento e um movimento paulista na História da Arte brasileira. Não será a soma dos fatos e acontecimentos nacionais o nascer da brasilidade? 

O que celebrar em 7 de setembro? Precisamos em algum momento nos sentir parte deste País, para que ele se torne, de fato, um lugar para todos os seus habitantes. Sem participação do cotidiano ou envolvimento nas políticas públicas, de fato, nós nunca seremos uma nação. O que recordar no centenário da Semana de Arte Moderna? Somando o momento a outros eventos que ocorreram antes de 1922, ou logo após esse marco histórico, podemos dizer que estamos falando da Arte brasileira, celebrar e recordar, portanto, o Brasil, a sua gente e a nacionalidade. A notoriedade e a qualidade desses acontecimentos marcam a vida de todos os que habitam nestas terras. Nota-se o rosto de cada homem e mulher e se percebe o valor de cada pessoa. As somas de tudo e de todos pontuam a grandiosidade da Nação e os valores humanos e artísticos de nossa gente.

A Igreja deve marcar presença junto às pessoas. A Esposa de Cristo precisa conhecer e compreender os acontecimentos marcantes de suas vidas. Pode-se dizer que, à luz do Evangelho de Jesus Cristo, devemos levar a todos a mensagem de liberdade e alegria. Livres e felizes, norteamos para o bem comum de todos os habitantes deste imenso País. Reiteramos que, ao colorido das Artes, somamos à luz que emana de Cristo Jesus a todos os seres humanos. Liberdade e Arte. Em Cristo Jesus, somos livres (cf. Jo 8,36) e aprendemos a arte do bem viver (cf. Jo 17,21- 23). Portanto, esses eventos, expressões dos sentimentos humanos, selam o papel da Igreja presente na sociedade, ao anunciar o Evangelho do Redentor. Em tempos de jubileu, encontramos momentos apropriados para rever e estudar a História. Oportunidade para buscar e conhecer as fontes, tanto da Independência do Brasil quanto da Semana de Arte Moderna. Precisamos escutar as falas e conhecer as narrativas das demais ciências. Sendo assim, a Igreja de Cristo Jesus, presente no hoje, conhecendo e vivendo esses fatos, tem maiores chances de levar a mensagem do Salvador, nos acontecimentos de nossa gente.

As opiniões expressas na seção “Opinião” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editorais do jornal O SÃO PAULO.

Deixe um comentário