Confira nossa versão impressa

A comunicação familiar na quarentena e sempre

Agora que já ultrapassamos os 40 dias de isolamento social, em muitas casas estão presentes o estresse, o desânimo, a irritação. Já estamos vivendo um longo período num clima de preocupação com a saúde, de ansiedade e de espaço compartilhado sempre com os mesmos: nossa família mais próxima.

É importante que estejamos especialmente atentos à nossa comunicação com os demais; afinal, comunicação é fundamental ao convívio saudável.

Comunicamos com os olhares, gestos, sorrisos, palavras, atos, silêncios e, quando tensos, o que comunicamos pode ser muito “prejudicial” ao bom convívio familiar.

Existem algumas orientações que podem nos ajudar neste momento: em primeiro lugar, é importante lembrar que todos estamos numa situação difícil e, por isso, mais sujeitos à irritabilidade aumentada, especialmente as crianças; que nenhum de nós controla os sentimentos provocados por essa situação e seus desdobramentos, mas que identificá-los e compreendê-los é muito importante; que a família é o nosso bem mais precioso e, por isso, não podemos deixar que o “vírus da discórdia” entre em nossos lares.

A fim de manter um ambiente bom, com uma comunicação construtiva e saudável, eis algumas dicas:

1. Ter clareza do objetivo. O que queremos comunicar e para quê.

2. Identificar o que é essencial e o que não vale a pena tratar. Se o objetivo for construir relações sólidas, harmônicas e felizes, precisamos identificar o que vai contribuir com isso e o que simplesmente vai ter o papel de reclamação, podendo magoar e prejudicar a relação. Faz parte do crescimento pessoal e da maturidade aprender a relevar o que não é essencial. O convívio familiar é uma excelente oportunidade de amadurecimento pessoal em todas as idades.

3. Escolher o momento adequado. Falar impulsivamente, no calor de sentimentos negativos, raramente surte bons efeitos. Neste momento, o melhor a fazer é calar, esperar o tempo necessário para recobrar a serenidade e, aí sim, identificar o que vale a pena dizer e como dizer para alcançar o objetivo. Essa prudência nos ajudará a evitar palavras duras, que possam criar barreiras difíceis de transpor.

4. Expressar sentimentos, evitar acusações. Gera conexão dizer, por exemplo: “Eu me sinto triste quando isso acontece”. Ao contrário, falas acusatórias constroem muros e iniciam o movimento de busca de culpados, o que nunca traz benefícios às relações.

5. Cuidar dos gestos, atitudes e expressões faciais. A fala é normalmente responsável somente por 30% daquilo que comunicamos, sendo que os outros 70% acontecem por força do conjunto de expressões que manifestamos com nosso rosto, corpo, entonação e silêncio. Uma frase conhecida do filósofo Ralph Waldo Emerson diz: “O que você faz fala tão alto que não consigo escutar o que você diz”. E não é mesmo verdade que muitos mal-entendidos surgem pela incoerência entre o conteúdo dito e o modo de se expressar? Às vezes por uma argumentação irônica, um sorriso, um olhar de desabono.

6. Certificar-se de que a mensagem foi compreendida. Especialmente em relação aos filhos, é importante verificar se entenderam o que pretendíamos dizer, pedindo que nos digam o que entenderam, se forem crianças, e que expressem como estão se sentindo, se forem maiores.

7. Tratar os assuntos com bom humor. Todos temos nossas dificuldades e limitações; tratar, portanto, com bom humor nossos deslizes e os dos demais pode ser uma excelente saída para manter o ambiente mais amável.

8. Pedir desculpas. Somos humanos e estamos numa situação absolutamente inusitada: eventualmente podemos ser agressivos ou inadequados. O melhor a fazer quando isso acontece é, com humildade, pedir desculpas e recomeçar. No relacionamento familiar, é muito importante a luta por oferecer o melhor de nós e que grande exemplo e entrega é reconhecer nossos erros e nos desculpar por eles.

A família é composta de seres únicos, irrepetíveis, com diferentes temperamentos e modos de ser, e, por isso, o conhecimento mútuo é uma grande riqueza e um enorme desafio. Estabelecer uma boa comunicação requer dedicação, mas traz benefícios que valem a pena em qualquer circunstância!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Doação de Sangue: um gesto concreto em favor do próximo

Hemocentros de todo país se unem na campanha ‘Somos todos do mesmo sangue’, em vista do Dia Nacional do Doador de Sangue, em 25...

A Igreja terá 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus

O Papa autorizou a Congregação das Causas dos Santos a promulgar os decretos de 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus...

‘O embrião é uma pessoa humana’, recordam bispos costarriquenhos

No País da América Central, legisladores debatem projeto de lei que busca reconhecer os direitos dos nascituros

No próximo sábado serão criados 13 novos cardeais

Dos 13 novos cardeais, dois não poderão participar das cerimônias por causa da emergência coronavírus: Dom Cornelius Sim, Vigário Apostólico de Brunei e Dom...

Dom Odilo: viver bem cada dia, na esperança de que o Senhor virá

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 24, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Newsletter