A comunicação familiar na quarentena e sempre

Agora que já ultrapassamos os 40 dias de isolamento social, em muitas casas estão presentes o estresse, o desânimo, a irritação. Já estamos vivendo um longo período num clima de preocupação com a saúde, de ansiedade e de espaço compartilhado sempre com os mesmos: nossa família mais próxima.

É importante que estejamos especialmente atentos à nossa comunicação com os demais; afinal, comunicação é fundamental ao convívio saudável.

Comunicamos com os olhares, gestos, sorrisos, palavras, atos, silêncios e, quando tensos, o que comunicamos pode ser muito “prejudicial” ao bom convívio familiar.

Existem algumas orientações que podem nos ajudar neste momento: em primeiro lugar, é importante lembrar que todos estamos numa situação difícil e, por isso, mais sujeitos à irritabilidade aumentada, especialmente as crianças; que nenhum de nós controla os sentimentos provocados por essa situação e seus desdobramentos, mas que identificá-los e compreendê-los é muito importante; que a família é o nosso bem mais precioso e, por isso, não podemos deixar que o “vírus da discórdia” entre em nossos lares.

A fim de manter um ambiente bom, com uma comunicação construtiva e saudável, eis algumas dicas:

1. Ter clareza do objetivo. O que queremos comunicar e para quê.

2. Identificar o que é essencial e o que não vale a pena tratar. Se o objetivo for construir relações sólidas, harmônicas e felizes, precisamos identificar o que vai contribuir com isso e o que simplesmente vai ter o papel de reclamação, podendo magoar e prejudicar a relação. Faz parte do crescimento pessoal e da maturidade aprender a relevar o que não é essencial. O convívio familiar é uma excelente oportunidade de amadurecimento pessoal em todas as idades.

3. Escolher o momento adequado. Falar impulsivamente, no calor de sentimentos negativos, raramente surte bons efeitos. Neste momento, o melhor a fazer é calar, esperar o tempo necessário para recobrar a serenidade e, aí sim, identificar o que vale a pena dizer e como dizer para alcançar o objetivo. Essa prudência nos ajudará a evitar palavras duras, que possam criar barreiras difíceis de transpor.

4. Expressar sentimentos, evitar acusações. Gera conexão dizer, por exemplo: “Eu me sinto triste quando isso acontece”. Ao contrário, falas acusatórias constroem muros e iniciam o movimento de busca de culpados, o que nunca traz benefícios às relações.

5. Cuidar dos gestos, atitudes e expressões faciais. A fala é normalmente responsável somente por 30% daquilo que comunicamos, sendo que os outros 70% acontecem por força do conjunto de expressões que manifestamos com nosso rosto, corpo, entonação e silêncio. Uma frase conhecida do filósofo Ralph Waldo Emerson diz: “O que você faz fala tão alto que não consigo escutar o que você diz”. E não é mesmo verdade que muitos mal-entendidos surgem pela incoerência entre o conteúdo dito e o modo de se expressar? Às vezes por uma argumentação irônica, um sorriso, um olhar de desabono.

6. Certificar-se de que a mensagem foi compreendida. Especialmente em relação aos filhos, é importante verificar se entenderam o que pretendíamos dizer, pedindo que nos digam o que entenderam, se forem crianças, e que expressem como estão se sentindo, se forem maiores.

7. Tratar os assuntos com bom humor. Todos temos nossas dificuldades e limitações; tratar, portanto, com bom humor nossos deslizes e os dos demais pode ser uma excelente saída para manter o ambiente mais amável.

8. Pedir desculpas. Somos humanos e estamos numa situação absolutamente inusitada: eventualmente podemos ser agressivos ou inadequados. O melhor a fazer quando isso acontece é, com humildade, pedir desculpas e recomeçar. No relacionamento familiar, é muito importante a luta por oferecer o melhor de nós e que grande exemplo e entrega é reconhecer nossos erros e nos desculpar por eles.

A família é composta de seres únicos, irrepetíveis, com diferentes temperamentos e modos de ser, e, por isso, o conhecimento mútuo é uma grande riqueza e um enorme desafio. Estabelecer uma boa comunicação requer dedicação, mas traz benefícios que valem a pena em qualquer circunstância!

- publicidade -
- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

- publicidade -

Últimas Notícias

‘O Espírito Santo é aquele que reúne a Igreja e a santifica’

Afirmou o Cardeal Odilo Pedro Scherer, na Vigília de Pentecostes, na noite do sábado, 30.

Em meio à pandemia, muita devoção à Santa das Causas Impossíveis no Pari

Cônego Celso Pedro em missa na Capela do Santíssimo Na sexta-feira, 22, celebrou-se a padroeira da Paróquia Santa...

Padroeira da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora é festejada em missa

No domingo, 24, na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, Setor Pirituba, o Padre José Pedro Batista, Pároco, presidiu missa na Solenidade da Ascensão...

Freguesia do Ó já vive a expectativa da 200ª Festa do Divino

Padres Carlos Ribeiro e Orisvaldo Carvalho em missa transmitida pelo Facebook da Paróquia Nossa Senhora da ExpectaçãoFoto: Natália Figueira.

Lançada a campanha ‘Quero te ver de novo’

No domingo, 24, aconteceu o lançamento da campanha “Quero te ver de novo” (#QueroTeVerDeNovo), que busca conscientizar a população dos bairros de...

Casa Dom Orione: espaço aberto para acolher as pessoas em situação de rua

Atendimentos mantidos na Casa Dom Orione Mantido pela Paróquia Nossa Senhora Achiropita, o Espaço Social D’Achiropita – Casa...

Newsletter