Confira nossa versão impressa

Vamos ensinar às crianças o verdadeiro valor do trabalho?

Em artigo anterior, tratamos da questão da dificuldade de equacionar o trabalho profissional e o trabalho familiar, especialmente neste momento de home-office constante. Pensando em resgatar o aspecto dignificante do trabalho, em que ele tem o status de possibilidade criativa e transformadora do homem e da sociedade, em que o serviço aos demais ganha importância e significado, e o valor material que ele gera recebe o status de resultado e não de objetivo, vamos analisar as pequenas atitudes do dia a dia que podem colaborar com esse propósito.

1. É importante identificar o motivo que nos leva ao trabalho profissional. O que nos leva a dividir o tempo entre o trabalho familiar e o profissional? Qual o propósito, o que aprendemos e ensinamos, o quanto crescemos com isso? Diante dessa clareza, é bom revermos aquele discurso tão presente nas relações entre pais e filhos: “O papai e/ou a mamãe precisa trabalhar para comprar roupinha e brinquedo para você”. Com essa fala, estamos exatamente mostrando à criança que o objetivo do trabalho é o salário, quando na verdade isso deveria ser o resultado.

2. Cuidar de delimitar com clareza para a criança quando o trabalho profissional que está sendo realizado em casa comporta a presença dela e quando não – por exemplo, em uma reunião on-line. Nesse momento, a criança pode ser orientada a não interromper, e outro recurso deve ser oferecido em caso de necessidade: um adulto ou irmão mais velho que possa atendê-la ou, em caso de muita necessidade, uma batida na porta para que o adulto identifique a urgência. É importante “treinarmos” com os filhos a percepção de que existem momentos em que só podemos ser interrompidos se houver extrema necessidade. Lembre-se: treinar. Sim, a aprendizagem se faz com treino, a atitude de aprender a esperar precisa ser treinada. Não podemos esperar que a criança “saiba” que se trata de um momento importante no trabalho. É preciso deixar isso claro usando os recursos necessários à compreensão, de acordo com a idade. Por exemplo: fechar a porta e colocar um desenho que lembre o combinado de não entrar; avisar sempre antes de iniciar e logo quando a reunião terminar, dar uma tarefa para que a criança realize enquanto você está ocupado(a). Enfim, muitos podem ser os recursos – o importante é o combinado estar claro e bem delimitado.

3. Quando se trata do trabalho familiar, que envolve os cuidados com a casa, deve-se atribuir tarefas aos filhos, estimulando-os a realizá-las com dedicação. O exemplo é fundamental: se fazemos nossas atividades reclamando, sem capricho, com tom de obrigação, certamente não estimularemos os filhos a fazê-las bem e perceberem que são importantes. É preciso que percebam que o resultado delas, embora não seja financeiro, é afetivo e extremamente importante para o ambiente familiar sadio. Crianças adoram desafios e tendem a se alegrar quando incluídas nas atividades de casa: tirar o pó enquanto um adulto varre, esfregar uma bacia de meias enquanto o adulto coloca a roupa para lavar, ajudar a esticar o lençol da própria cama ou arrumá-la sozinha, dependendo da idade, ou ajudar numa receita culinária. Desse modo, vamos despertando-os para a importância de servir, de contribuir com a casa e com os pais.

4. Vivemos um momento de estresse, e, portanto, vamos ser complacentes conosco mesmos. Refletir sobre esses aspectos tão importantes da vida e que fazem parte da formação de nossos filhos é um passo muito positivo, mas nem sempre conseguiremos agir adequadamente, de acordo com nosso propósito. Estaremos cansados, irritados, ocupando nossa mente com problemas, e certamente algumas vezes nossa conduta não será como tínhamos planejado. Sem problema: a tranquilidade é fundamental. Afinal, essa é a vida – nem sempre agimos como pretendíamos. O importante é que, quando temos clareza do objetivo, sabemos para onde voltar depois do erro, e recomeçamos. A aprendizagem é um processo, e ensinar aos filhos que todos erramos também é uma riqueza para a vida! Em caso de erro, sorria e recomece!

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

O Brasil precisa do compromisso cristão centrado no Evangelho

Diante das dificuldades que o Brasil está enfrentando, é preciso que todos os cristãos se mobilizem e exerçam a sua responsabilidade de...

Newsletter