Família

A Igreja Católica no Brasil celebra, de 8 a 14 de agosto, a Semana Nacional da Família, um projeto programado para acontecer a cada ano em agosto, mês vocacional, com o objetivo de lembrar que ser família é, na realidade, um chamado de Deus.

Este ano, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar escolheu como tema “A alegria do amor na família”, oportuno diante dos desafios que a pandemia trouxe para a vida cotidiana. Segundo os dizeres de Dom Ricardo Hoepers, Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o que se pretende com este tema é resgatar a alegria que deve permear os lares cristãos, alegria esta que “não é passageira, vazia de sentido ou superficial (…), mas que brota do coração, como fruto do fortalecimento dos vínculos conjugais que unem os filhos e vencem juntos obstáculos e as crises porque foram sustentados pela fé”. 

A escolha do tema da alegria está em perfeita conformidade com o desejo do Papa Francisco, recordando que o Pontífice dedicou 2021 como o Ano Família Amoris Laetitia, em comemoração ao quinto aniversário de sua exortação apostólica. Nela, em um verdadeiro resgate de sentido, o Papa recorda que “o sacramento do Matrimônio não é uma convenção social, um rito vazio ou o mero sinal externo de um compromisso. O sacramento é um dom para a santificação e a salvação dos esposos, porque a sua pertença recíproca é a representação real, por meio do sinal sacramental, da mesma relação de Cristo com a Igreja. Os esposos são, portanto, para a Igreja, a lembrança permanente daquilo que aconteceu na cruz; são um para o outro, e para os filhos, testemunhas da salvação, da qual o sacramento os faz participar” (AL, 72).

Na direção de resgate de sentidos, vale recordar que a família, como instituição humana, com núcleo constituído de pai, mãe e filhos, aparece como chamado de Deus no próprio ato da criação: “Por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá a uma mulher, e eles serão uma só carne” (Gn 2,24), mandato esse reafirmado por Jesus Cristo: “Assim, eles não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe” (cf. Mt 19).

Como fins específicos, o Matrimônio visa ao bem e à felicidade do casal – “Não é bom que o homem esteja só. Vou dar-lhe uma auxiliar que lhe seja adequada” (Gn 2,18); “Eis agora aqui o osso dos meus ossos e a carne de minha carne” (Gn 2,23) – e a constituição de uma prole (“Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: ‘Frutificai – disse ele – e multiplicai-vos’” Gn 1,27-28), que pelo sacramento do Batismo, é consagrada a Deus (“Eu e minha casa serviremos ao Senhor” – Js 24,15), gerando, dessa maneira, a Igreja, Corpo Místico de Cristo, perpetuando a fé, a verdade sobre Deus e seus desígnios e a salvação de geração em geração. Assim, não é exagero dizer que a família é uma realidade querida por Deus, santificada por Jesus Cristo – também Ele viveu no seio de uma família e parte essencial da economia da salvação.

Pensemos que Deus constituiu um povo para si a partir de um casamento (Abraão e Sara) e da descendência dele advinda; que, no sacramento do Matrimônio, Deus une e funde duas belezas (a do homem e da mulher), que, se doando mutuamente, geram novas belezas (a dos filhos); que das famílias cristãs nascem os futuros cristãos, os futuros líderes da sociedade, os futuros religiosos e religiosas, os futuros sacerdotes e todos os futuros ministérios da Igreja, tanto os ordenados, como os consagrados, como pais, mães, catequistas, apóstolos etc.). 

Que Deus abençoe as nossas famílias!

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter