Ano diferente, Natal diferente

Cabe uma avaliação sobre este ano diferente, que vai caminhando para a sua conclusão. A primeira consideração, geralmente, é esta: foi um ano difícil, complicado, por causa da pandemia, que nos pegou de surpresa já nos primeiros meses e nos obrigou a refazer planejamentos e programações. Muito daquilo que tínhamos previsto para 2020 ficou no papel, sem ser realizado.

Ao lado disso, tivemos muita incerteza, angústia, sofrimento, do- ença e também morte. Chegamos ao fim do ano com quase 200 mil falecidos no Brasil em decorrência da pandemia de COVID-19, e isso não é pouco! Ano difícil para a eco- nomia, foi necessário administrar muito bem as despesas, pois as re- ceitas ficaram reduzidas para quase todos. Situação mais difícil foi a dos desempregados e subempregados, que se viram na insegurança com- pleta em relação à sua sustentação diária, além de terem de enfrentar, cada dia, o medo do contágio com o novo coronavírus e as complicações dele decorrentes.

Estamos vivos, contudo, e isso con- ta mais que todos os planos frustra- dos ou êxitos não alcançados. A vida e a saúde importam mais que tudo! E só podemos dar graças a Deus por es- tarmos com saúde e por todos os que superaram a doença e estão curados! E aos profissionais da saúde, nossos aplausos e gratidão por sua dedicação generosa. Muitos deles também fica- ram doentes e até perderam a vida na luta contra o vírus e na assistência aos doentes.

Grande foi também a onda de caridade e solidariedade que vivemos este ano. Graças a ela, muitos pobres sofreram menos e também puderam suprir suas necessidades básicas. Essa experiência mostrou que há sensibilidade social e muito sentimento bom no meio do povo, e isso é uma riqueza impagável! Oxalá isso continue e se perpetue também em “tempos normais”, concretizando-se em estruturas sociais e econômicas menos excludentes e injustas, em que haja lugar e vez para todos!

Agora nos vemos diante do recru- descimento da pandemia, talvez, a indesejada “segunda onda”, possivel- mente resultante do relaxamento dos cuidados ainda requeridos, uma vez que ainda não estamos livres do vírus maléfico! Como alguém disse: “Estamos cansados dele, mas ele ainda gosta de nós!” Como celebrar o Natal, com restrições para festas e contatos sociais? Como imaginar a festa de Natal sem reuniões familiares, ceias, distribuição de presentes, abraços e longas convivências, espalhando calor humano?

É preciso pensar em celebrar o Natal, por esta vez, deixando de lado alguns “costumes natalinos” tão caros. A saúde pede atenção, o cuidado de uns pelos outros e a responsabilidade social requerem mudanças de hábitos. Isso não significa que deixaremos de celebrar o Natal e de ex- ternar nossa alegria e os sentimentos que brotam de nossa fé cristã. É possível participar da missa, ainda que seja apenas pelos meios de comunicação ou por meios virtuais. Não deixemos de nos unir, em atitude de fé e adoração, à Igreja que celebra, proclama a Boa-Nova do Natal à humanidade, acolhendo uma vez mais o presente que Deus nos envia. Não deixemos de manifestar nossa alegria enviando mensagens de muitos modos e por meio das várias mídias às pessoas queridas. Podemos reunir os membros da família, que já vivem sob o mesmo teto, ao redor do presépio e recontar a história do Natal, en- tre orações e cânticos. E também podemos nos reunir ao redor da mesa do lar, com a certeza de que “Ele está no meio de nós”, pois o Filho de Deus veio para fazer morada entre nós.

O Papa Francisco, há poucos dias, convidou a celebrar o Natal deste ano à semelhança do primeiro Natal, na noite fria de Belém: não houve festa ruidosa, comida e bebida fartas, nem Papai Noel distribuindo presentes supérfluos… Houve apenas um casal, que acolheu um recém-nascido, numa situação muito precária, e o contemplou em silêncio. Houve luz de estrelas no céu, sem barulho de traques e foguetes, apenas melodias de anjos a cantar e pastores atentos aos sinais do céu, que acorreram para ver o que se passava. E puseram-se a contemplar, calados e maravilhados, junto com Maria e José, mais maravilhados que todos.

O Papa convidou-nos a celebrar o Natal deste ano no silêncio e na contemplação, atendo-nos ao essencial da festa, voltando nossas atenções inteiramente para o Filho de Maria, Filho de Deus, nosso irmão, Deus na medida do homem… Feliz e santo Natal para todos!

Colunas Relacionadas

Ano diferente, Natal diferente

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter