Confira nossa versão impressa

Cruz de Cristo, cruz da humanidade

A festa litúrgica da Exaltação da Santa Cruz e a comemoração de Nossa Senhora das Dores nos convidam a uma reflexão neste tempo de pandemia, quando uma pesada cruz caiu nos ombros de toda a humanidade. O que fazer com essa cruz, como suportá-la e como carregá-la?

Muitas reflexões e atitudes são possíveis. Podemos resignar-nos friamente diante das circunstâncias e pensar que se trata apenas da lógica da natureza, que segue seu curso: um vírus surgiu, teve a ocasião de se espalhar, produziu seu efeito, e só temos de tentar mudar o curso desse fenômeno natural mediante a intervenção humana na natureza. Há muito de verdadeiro nessa forma de pensar e agir, mas ela deixa de lado diversas questões, sobretudo as que se referem propriamente ao homem.

Nós nunca somos apenas um elemento a mais na natureza: podemos ser causadores e desencadeadores de fenômenos adversos nela. Podemos ser causa de sofrimento e cruz para os outros, mediante nossas decisões e ações inconsequentes, ou fazer pesar ainda mais a cruz nos ombros dos outros, na medida em que ficamos indiferentes diante do sofrimento e da angústia do próximo e nada fazemos para socorrê-lo.

Podemos, no entanto, também ser responsáveis e consequentes nas nossas decisões e ações, de maneira a evitar os sofrimentos e a angústia aos outros. Podemos ter uma atitude proativa diante do sofrimento alheio, fazendo o possível para aliviar a cruz dos que sofrem. Graças a Deus, vemos muito disso durante a pandemia de COVID-19, que já está se prolongando por muito tempo. A cruz, nesse caso, mesmo sendo indesejada, torna-se ocasião para o exercício das capacidades e virtudes humanas e cristãs mais elevadas.

Nem sempre podemos fazer muita coisa. Penso nos familiares de um doente internado na UTI, a quem nem podem visitar para estar a seu lado e lhe dizer uma palavra de consolo e conforto, nem podem se aproximar para lhe colocar a mão na fronte ou, simplesmente, trocar um olhar cheio de afeto e emoção. A cruz do enfermo e a de seus familiares é semelhante e pode ser carregada solidariamente. A indiferença fria seria como renegar a condição humana e os laços mais belos que unem as pessoas, como o afeto e a compaixão.

A festa da Exaltação da Santa Cruz nos faz olhar, não apenas para o objeto da cruz, mas para Aquele que nela foi pregado e nela morreu: Jesus Cristo, nosso Salvador. Ele valorizou o símbolo da cruz e lhe deu um significado novo. Antes, ela indicava castigo e condenação a uma morte cruel e vergonhosa. Depois que o Filho de Deus humanado foi condenado à morte de cruz e nela entregou sua vida pela humanidade, ela se tornou símbolo para a vida inocente aviltada pelas maldades humanas, mas entregue por amor aos outros. A cruz é símbolo da redenção diante do mal, da vida que vence a morte. Em tudo isso, temos luzes preciosas para o discernimento sobre as cruzes da humanidade atual, carregada da cruz da pandemia e de tantas outras pesadas cruzes.

Jesus Cristo carregou sobre a cruz os nossos pecados e maldades. Ele amou e perdoou até o fim. Ele não fugiu da cruz da humanidade, mas assumiu-a e bebeu o cálice da dor até o fim, em seu amor solidário pela humanidade. Precisava ser assim? Foi obrigado a fazê-lo? Não, certamente! É a “loucura da cruz”, como já se dizia no tempo de São Paulo, só compreensível à luz da “loucura do amor” de Deus pela humanidade. É o mistério da cruz, que supera e vence o mistério da iniquidade.

Aos pés da cruz, de pé, estava sua mãe, junto com algumas poucas pessoas, que permaneceram firmes com Jesus até o fim, mesmo com o coração apertado e atravessado pela espada de dor. Sofriam com Jesus, não tiveram vergonha de permanecer com Jesus, rejeitado, injuriado, condenado como malfeitor e como a vergonha da humanidade. Impotentes diante do drama, permaneceram junto da cruz de Jesus, solidários com Ele, sofrendo com Ele. Nossa Senhora das Dores é a imagem e o exemplo do que devemos fazer e de como devemos reagir diante de situações extremas vividas por nossos semelhantes, padecendo com eles, não os abandonando à sua solidão desoladora. Muitas vezes, é o que podemos fazer para ajudar os outros a carregar a sua cruz.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a ordenação de cinco novos diáconos permanentes para a Arquidiocese no sábado, 21. A...

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Os resultados sairão na primeira semana de dezembro Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria...

Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá

Estado ficou mais de 80 horas sem energia elétrica e até agora a situação não foi totalmente restabelecida O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria...

‘Que Deus nos dê um coração generoso, aberto para as necessidades dos irmãos’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa nesta segunda-feira, 23, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Monsenhor Marcos Pavan é nomeado maestro da Capela Sistina

Neste domingo, 22, data em que a Igreja recorda a memória de Santa Cecília, padroeira dos músicos, o Papa Francisco nomeou o Monsenhor Marcos...

Newsletter