Confira nossa versão impressa

Mulher, grande é a tua fé!

O evangelista Mateus reproduz um exemplo de fé que se dá entre Jesus e uma mulher cananeia. Na cena, Jesus está a caminho de Tiro e Sidônia, região pagã, e se depara com uma mulher que lhe implora a cura de sua filha, atormentada por um demônio. Essa mulher rompe as barreiras físicas, religiosas e culturais. Isso pouco importa diante do sofrimento da sua filha atormentada, porém seu ato não é feito de maneira jeitosa, ou seja, ela se dirige a Jesus aos gritos. Naquela época, e até hoje, sabemos que o grito é sinal de desespero, dor, medo, pedido extremo de socorro. É o grito de mulheres indígenas que se desesperam ao ver rios sendo contaminados por resíduos de garimpo ilegal, ou pela derrubada, também ilegal, de vastas áreas de floresta. É o grito de mulheres que tiveram que deixar suas casas para morar em barracos improvisados, ou mesmo nas ruas da cidade, porque não podem pagar o aluguel. A exemplo destas, tantas outras estão gritando, ao revelar o quanto estão incomodadas com as dores daqueles que estão ao seu redor.

Diante dos gritos, Jesus permanece em silêncio. Logo os discípulos pedem que Jesus tome posição e dizem o que Ele tem que fazer: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”. Os discípulos estão incomodados. De fato, há grito que nos incomoda, porque nos questiona e exige de nós uma posição frente ao problema apresentado. Ao aproximar-se de Jesus, não é só a boca que fala, mas todo o corpo daquela mulher que se prostra diante Dele e começa a implorar: “Senhor, socorre-me”. Diz o Papa Francisco “A força interior desta mulher, que permite superar qualquer obstáculo, deve ser procurada no seu amor materno e na confiança de que Jesus pode atender o seu pedido. Isto faz-me pensar na força das mulheres. Com sua fortaleza, são capazes de obter coisas grandiosas. Conhecemos tantas! Podemos dizer que é o amor que move a fé e, por seu lado, a fé torna-se prêmio do amor”.

A cena da aproximação da mulher vai se tornando mais intensa e Jesus toma posição, mas não como queriam os seus discípulos. Ele não se sente incomodado e se prontifica a dialogar com aquela que, a princípio, não tinha direito a receber os benefícios do “enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Para um pagão, a palavra de Jesus parece ser muito dura: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-los aos cachorrinhos”. De fato, os hebreus chamavam de “cães” as pessoas de outras raças (os pagãos). Jesus fala que a prioridade são os filhos, os hebreus. Observando a fala de Jesus e comparando com o que acontece na sua casa, a mulher concorda que o pão é prioritariamente destinado às crianças, mas isso não significa que os cachorrinhos devam morrer de fome. Eles se alimentam das migalhas que caem da mesa. É como se ela dissesse “se não pode dar o pão inteiro, dê-nos as migalhas, somos os últimos da fila e as migalhas que vem de vós nos são suficientes para nos alimentar e nos curar”.

O modo como Jesus conduziu o diálogo fez com que a mulher, considerada pagã, desse um salto de qualidade em sua fé, superando preconceitos judaicos em relação aos estrangeiros e mulheres. “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como desejas”. Fé semelhante à do soldado pagão que causou admiração em Jesus (Mt 8,10) e bem diferente da dos discípulos medrosos e de pouca fé (Mt 8,26). “E a filha ficou curada”, foi liberta do demônio que tanto a incomodava. Que demônio é esse? Talvez o demônio que atormentava todo o seu povo: a discriminação, o preconceito, o tratamento como cachorros que viviam de migalhas, daquilo que sobrava. A fé constante, perseverante e incansável daquela mulher culminou com o resgate da dignidade da sua filha, do seu povo. Posteriormente, o apóstolo Pedro, ao admitir o primeiro pagão na Igreja, disse: “Em verdade, reconheço que Deus não faz distinção de pessoas, mas em toda nação lhe é agradável aquele que o teme e fizer o que é justo” (At 10,34-35).

A atitude de Jesus diante da fé da mulher cananeia nos ajuda a compreender que é urgente o diálogo fraterno com outros cristãos, com os membros de outras tradições religiosas e com os sem religião, para não cairmos na tentação do fundamentalismo e da autorreferencialidade, como nos adverte o Papa Francisco. É preciso sair dos limites dos muros que nos cercam para dar as mãos a homens e mulheres comprometidos, independentemente de suas crenças religiosas, com a cultura da paz, da justiça e do cuidado com a Casa Comum. Nós não estamos sós: “Multidões incalculáveis de outros homens creem em Deus, o invocam talvez mais intensamente do que nós; um dia, Ele achará a maneira – neste mundo ou depois dele – de nos reunir como irmãos reconciliados ao redor da grande mesa do seu Reino” (Frei Raniero Cantalamessa).

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Cinema: Em Defesa de Cristo

The Case For Christ – no Brasil, “Em Defesa de Cristo – é um filme norte-americano dirigido...

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Para ter a paz no coração

É possível ter paz no coração em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo? Minha mãe repetia-nos muitas vezes (tanto...

Ecologia integral

A celebração do Dia da Árvore, estipulada no Brasil para o próximo dia 21, antevéspera da primavera, nos dá a ocasião de...

Newsletter