Confira nossa versão impressa

O escapulário de Nossa Senhora do Carmo

A festa de Nossa Senhora do Carmo nos lembra a devoção do escapulário. Penso em Maria Santíssima, em sua solicitude, recomendando-nos que carreguemos uma prova física do seu carinho maternal. É verdade! Nossas mães estão sempre atentas às nossas necessidades: se não almoçamos direito, elas nos preparam um lanche reforçado; se vamos viajar, recomendam levar uma blusa ou um casaco para o caso de fazer frio… Assim também acontece com o escapulário: trata-se de um sinal de que pertencemos à Nossa Mãe celestial, que está empenhada em que percorramos com segurança a nossa peregrinação nesta terra até sermos recebidos por seu Filho Jesus no Reino do Céu. “Devo dizer-vos – comentava São João Paulo II – que na minha juventude, quando era como vós, Ela me ajudou. Não poderia vos dizer em que medida, mas penso que foi numa medida imensa. Ajudou-me a encontrar a graça própria da minha idade, da minha vocação.” E acrescentava: “A missão da Virgem, essa que se encontra prefigurada e começa no Monte Carmelo, na Terra Santa, está ligada a uma veste. Esta veste se chama santo escapulário. Eu devo muito, nos anos da minha juventude, a este escapulário carmelitano. Que a mãe se mostre sempre solícita e se preocupe com a roupa dos seus filhos, de que se apresentem bem vestidos, é algo encantador”. (São João Paulo II, Alocução, 15/01/1989).

No dia 16 de julho de 1251, a Santíssima Virgem apareceu a São Simão Stock, Superior da Ordem dos Carmelitas, e prometeu graças e bênçãos especiais a todos os que usassem o escapulário. Durante séculos, os cristãos se refugiam nessa proteção de Nossa Senhora.

A palavra escapulário provém do termo latino scapula, que significa “ombros”, e indica propriamente uma veste que certas ordens religiosas, como os Beneditinos, Carmelitas, Cistercienses e Dominicanos, usam desde os tempos mais remotos, colocado por cima do hábito normal, cobrindo os ombros até a altura do peito, com o motivo de manifestar, por meio de mais esse sinal, a consagração que fazem a Deus. O povo cristão, imitando este costume, começou a usá-lo, em menores proporções.

O escapulário que se tornou mais popular e conhecido é o da Ordem do Carmo, que parece ter servido de modelo para todos os outros. É formado por dois pedaços de pano de lã, retangulares, de cor marrom escuro, unidos por dois cordões. Num pedaço de pano há a figura de Nossa Senhora do Carmo e, no outro, a do Sagrado Coração de Jesus. Quem recebe o escapulário mediante a cerimônia aprovada pela Igreja, realizada pelo sacerdote, poderá usufruir de alguns privilégios concedidos em primeiro lugar aos Carmelitas e, mais tarde, a todo o povo cristão. Sabemos que o escapulário pode ser substituído por uma medalha de metal, com as duas imagens nas suas faces: Nossa Senhora do Carmo e o Sagrado Coração de Jesus.

Dentre as prerrogativas espirituais que Nossa Senhora revelou a São Simão Stock, no século XIII, está a promessa da perseverança final (a salvação) a quem morrer usando este escapulário. É preciso entender corretamente essa promessa. Sabemos que nenhum de nós tem a sua perseverança garantida. Por isso, temos que pedir constantemente a Deus a nossa perseverança na fé e no estado de graça, e lutarmos continuamente contra os nossos defeitos e pecados, recorrendo à oração, à Confissão frequente e à Comunhão eucarística. A graça que Nossa Senhora concede aos que usam o escapulário e morrem com ele é a de se arrependerem de todos os pecados que cometeram, pois, como Jesus nos adverte, “aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt 24,13).

À primeira promessa da perseverança final se acrescenta outra prerrogativa do uso do escapulário: o chamado privilégio sabatino. Por esse privilégio, Nossa Senhora tirará do Purgatório (se lá estiver) e levará para o Céu, no sábado seguinte após a morte, a alma da pessoa que usar piedosamente o escapulário durante a sua vida.

Evidentemente, não se pode pensar no escapulário como uma espécie de amuleto da sorte, com a mentalidade supersticiosa. É um sinal de pertença à Nossa Senhora e ao Sagrado Coração de Jesus. É também uma lembrança daquilo que mais interessa: a perseverança na fé e na vida cristã e a salvação da nossa alma. Trata-se de uma devoção filial a Nossa Senhora, da qual diariamente nos lembramos ao vestir o escapulário. Todas as aprovações do escapulário feitas pelos papas nos últimos séculos dão a esta devoção um valor inestimável. “Traz sobre o teu peito o santo escapulário do Carmo – diz São Josemaría –, poucas devoções (há muitas e muito boas devoções marianas) estão tão arraigadas entre os fiéis e têm tantas bênçãos dos pontífices. Além disso, é tão maternal este privilégio sabatino” (“Caminho”, nº 500).

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Colunas

Cem mil mortos de COVID-19

No sábado, dia 8 de agosto, o Brasil ultrapassou a impressionante soma de 100 mil mortos, em decorrência da COVID-19, desde o...

‘Laços de Esperança’ – Peça de Karol Wojtyla adaptada ao cinema

Laços de Esperança é uma adaptação ao cinema da peça de teatro A Loja do Ourives, escrita em 1960 por Karol Wojtyla,...

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

Newsletter