Confira nossa versão impressa

Quem dizem os homens que eu sou?

Neste tempo de pandemia e isolamento, as redes sociais vêm ganhando maior espaço na vida e no cotidiano das pessoas. Algumas pessoas procuram por novas receitas e formas de preparar os alimentos. Em certos casos, a criatividade é quase cômica. Outras pessoas procuram por produtos e fazem compras de coisas que são apresentadas como grandes novidades. Também aqui há uma grande capacidade criativa, bastando ver a enorme quantidade de modelos e formatos de máscaras de proteção, por exemplo.

A grande maioria, porém, certamente usa as redes sociais para entretenimento e relacionamento. Exatamente por isso, esse é o ambiente em que a criatividade aparece com maior vigor. A cada dia, surgem brincadeiras, que vão sendo passadas adiante, e, em pouco tempo, são trocadas por outras. Nestes dias está circulando uma dessas brincadeiras, que tem o objetivo de saber o que os outros pensam e dizem a seu respeito, e é bastante simples. Nela, o interessado compartilha a pergunta e espera as respostas. Será, no entanto, que todas as respostas são verdadeiras?

Não é exagero pensar que as redes sociais oferecem ocasião para ocultar a verdade ou dissimular a realidade. Frequentemente, também são ambientes de exposição e conflitos, causados por divergência de opinião. Considerando que a brincadeira se passa entre uma pessoa e seu grupo de relacionamento ou amizade, podemos pensar que existe sinceridade e verdade nas respostas. Quem participa do jogo deve estar preparado para todas as respostas, quer agradem, quer não. O que realmente conhecemos uns dos outros?

No Evangelho, Jesus faz uma pergunta aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?” Essa pergunta não é um jogo de curiosidade ou mera especulação de conhecimento. Jesus não está preocupado com as estatísticas da sua aceitação, nem buscando reorientar a pregação para que encontre maior adesão. A sua pergunta se desdobra em dois momentos: primeiro, Ele pergunta sobre o que pensam os de fora, e, depois, sobre o que pensam os mais próximos Dele. Entre as respostas dos grupos há uma grande distância. Onde está a verdade?

Jesus não se define ou não se deixa definir pelas aparências nem pelas interpretações: Ele se define por seu relacionamento com Deus. No deserto, quando foi tentado pelo demônio, Jesus se afirmou como Filho de Deus por suas opções e atitudes. Ele não mudou pedras em pães, nem buscou reconhecimento humano e muito menos adorou os ídolos passageiros para ganhar poder e glória. É no relacionamento com Deus que aprendemos a nos conhecer e reconhecer a verdade. Essa verdade nos deixa livres diante das incertezas e aparências do mundo. Os filhos de Deus são assim definidos pelo amor a Deus e pelo relacionamento com os irmãos.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Colunas

A Virgem Maria foi assunta em corpo e alma à glória celestial

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA 16 DE AGOSTO DE 2020 Para ser Mãe de Deus, Nossa Senhora recebeu...

Mulher, grande é a tua fé!

O evangelista Mateus reproduz um exemplo de fé que se dá entre Jesus e uma mulher cananeia. Na cena, Jesus está a...

‘Por que o padroeiro dos padres é o Cura d’Ars?’

A Nair de Carvalho, de Areado (MG), quer saber mais sobre a história de São João Maria Vianney, o padroeiro dos sacerdotes.

Não ardia o nosso coração?

“Não ardia nossos corações enquanto Ele falava pelo caminho?” (Lc 24,32). A frase, pronunciada pelos discípulos de Emaús, no retorno de Jerusalém...

Família: imagem do amor de Deus

Nesta semana em que fazemos no Brasil especial memória e oração pela família, convém recordarmos mais uma vez o papel da família...

Newsletter