Confira nossa versão impressa

Quem dizem os homens que eu sou?

Neste tempo de pandemia e isolamento, as redes sociais vêm ganhando maior espaço na vida e no cotidiano das pessoas. Algumas pessoas procuram por novas receitas e formas de preparar os alimentos. Em certos casos, a criatividade é quase cômica. Outras pessoas procuram por produtos e fazem compras de coisas que são apresentadas como grandes novidades. Também aqui há uma grande capacidade criativa, bastando ver a enorme quantidade de modelos e formatos de máscaras de proteção, por exemplo.

A grande maioria, porém, certamente usa as redes sociais para entretenimento e relacionamento. Exatamente por isso, esse é o ambiente em que a criatividade aparece com maior vigor. A cada dia, surgem brincadeiras, que vão sendo passadas adiante, e, em pouco tempo, são trocadas por outras. Nestes dias está circulando uma dessas brincadeiras, que tem o objetivo de saber o que os outros pensam e dizem a seu respeito, e é bastante simples. Nela, o interessado compartilha a pergunta e espera as respostas. Será, no entanto, que todas as respostas são verdadeiras?

Não é exagero pensar que as redes sociais oferecem ocasião para ocultar a verdade ou dissimular a realidade. Frequentemente, também são ambientes de exposição e conflitos, causados por divergência de opinião. Considerando que a brincadeira se passa entre uma pessoa e seu grupo de relacionamento ou amizade, podemos pensar que existe sinceridade e verdade nas respostas. Quem participa do jogo deve estar preparado para todas as respostas, quer agradem, quer não. O que realmente conhecemos uns dos outros?

No Evangelho, Jesus faz uma pergunta aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?” Essa pergunta não é um jogo de curiosidade ou mera especulação de conhecimento. Jesus não está preocupado com as estatísticas da sua aceitação, nem buscando reorientar a pregação para que encontre maior adesão. A sua pergunta se desdobra em dois momentos: primeiro, Ele pergunta sobre o que pensam os de fora, e, depois, sobre o que pensam os mais próximos Dele. Entre as respostas dos grupos há uma grande distância. Onde está a verdade?

Jesus não se define ou não se deixa definir pelas aparências nem pelas interpretações: Ele se define por seu relacionamento com Deus. No deserto, quando foi tentado pelo demônio, Jesus se afirmou como Filho de Deus por suas opções e atitudes. Ele não mudou pedras em pães, nem buscou reconhecimento humano e muito menos adorou os ídolos passageiros para ganhar poder e glória. É no relacionamento com Deus que aprendemos a nos conhecer e reconhecer a verdade. Essa verdade nos deixa livres diante das incertezas e aparências do mundo. Os filhos de Deus são assim definidos pelo amor a Deus e pelo relacionamento com os irmãos.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter