Três conselhos para o Advento

Com a chegada do Advento, vamos começar a preparação para o Natal. Há três vaticínios do profeta Isaías, repetidos por São João Batista, que no fundo são três conselhos muito adequados para o nosso caminho até o Natal, em resposta ao que a própria leitura nos propõe quando diz “Preparai o caminho do Senhor: Todo vale será preenchido… Endireitai as suas veredas… Todo monte e colina aplainados…” (40,3-5). Primeiramente, “todo vale será preenchido”: podemos entender que a chegada de Cristo vem preencher o vazio, o monólogo interior, a solidão humana, por meio da nova forma de fazer oração. Depois que Jesus vem ao mundo, é muito mais fácil fazer oração, conversar com um Deus visível, feito de carne e ossos, com inteligência e vontade humanas. Um Deus que nos conhece, que conviveu com seus pais, Maria e José, estudou, trabalhou, teve amigos etc. Podemos falar com Ele e escutá-lo, porque há uma série de problemas mal resolvidos em nossas vidas que precisamos enfrentar na nossa oração: decisões a tomar, erros a corrigir, distâncias com determinadas pessoas etc. E, para falar com Deus, a primeira providência é o silêncio: romper o murmúrio interior, sair da correria e encontrar o local mais calmo e o melhor momento para dedicar exclusivamente à conversa com Deus. Outra medida interessante será ler os relatos dos dois primeiros capítulos dos evangelhos de Mateus e de Lucas, que nos fazem a narração do Natal. Podemos falar com Deus com total confiança, contar-lhe o que nos acontece, falar dos problemas que mais nos incomodam: esse desentendimento em casa; a falta de paciência com certa pessoa; nossa ansiedade com as coisas que não se resolvem. Devemos perguntar-lhe: O que Deus pensa e espera de mim? Será que está contente comigo? De que maneira devo me corrigir?

Em segundo lugar, “endireitar as veredas”: vamos endireitar os caminhos tortuosos de que maneira? Muitas: não responder às provocações daqui até o Natal; manter a boa cara e o bom humor e não nos queixarmos de nada; não criticar nem falar mal de ninguém. Também é o momento de preparar uma boa confissão: esta é uma excelente maneira de fazer uma boa retificação: purificar os olhos, os pensamentos, imaginações de impureza.

Por fim, “todo monte e colina serão aplainados”: significa cortar os excessos na comida, na bebida, no descanso e na diversão. Precisamos de um sincero desejo de purificação, para queimar os pecados que nos incomodam, as faltas passadas que ainda não superamos. Limpar a memória: não guardar rancores, ressentimentos, perdoar de verdade. Combater as mediocridades: tudo aquilo que represente um peso inútil que nos prende à terra e impede o nosso crescimento. Sabemos que só amadureceremos espiritualmente se formos generosos, dizendo “não” a algum capricho, se formos generosos com os nossos bens e dinheiro. Advento é tempo de penitência, como, por exemplo, cumprir os nossos deveres de cada dia, participar com pontualidade nas aulas, até o fim, terminar. Lutar contra a curiosidade: não ler o que não contribui, não ver cenas fortes, de violência barata, ou impróprias na TV, na internet, nos filmes. Mortificar a língua: cortar aquela piada grosseira, evitar as ironias maldosas, as críticas azedas, as murmurações etc. E também fazer alguma penitência: apenas meia cerveja, não repetir à mesa, acordar e levantar na hora, não perder tanto tempo nas redes sociais… 

Queremos chegar bem ao dia do Natal. Não vamos deixar a preparação para a última hora. Cuidar especialmente da nossa preparação interior: com a oração, o propósito e a penitência que nos faltar. Também é uma boa ocasião para fazer alguma obra de caridade com pessoas necessitadas: por exemplo, visitar uma família pobre e deixar um pequeno presente, uns chocolates, ou participar de alguma iniciativa de cunho social.

Colunas Relacionadas

Três conselhos para o Advento

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter