Formar pessoas que levem as tarefas até o fim

A cada dia que passa, está mais difícil encontrar pessoas responsáveis, que iniciem e terminem suas atividades com empenho e dedicação. 

Processos seletivos em empresas ficam morosos por falta de candidatos, afinal nem sempre as vagas oferecem um trabalho que agrada aos jovens estagiários. Livros clássicos ou mais densos deixaram de ser lidos, afinal exigem um envolvimento maior de atenção, poder de análise, imaginação e muitos não querem se esforçar nessas tarefas um pouco mais árduas.

O uso excessivo da internet e das telas está intimamente ligado com essa dificuldade de envolvimento com tudo o que exige esforço, é verdade. Existem alterações hormonais e de atenção que dificultam o envolvimento das pessoas que usam demais as telas, com a vida real, com interações de verdade, com pequenas dificuldades que essas interações geram… Enfim, temos uma geração digital que precisa ser compreendida e estimulada de modo adequado para que não se tornem “zumbis”. 

Para além disso, porém, precisamos estar atentos aos valores que ensinamos e às virtudes que precisamos ajudar cada filho a conquistar para o bom convívio social e sua própria realização como pessoa. 

Os pais precisam ter objetivos claros e lutar para que a formação aconteça e, quando digo lutar, me refiro a pequenas ações cotidianas, firmes, concretas, que formem os filhos primeiramente no hábito (afinal, antes dos 5 anos somente assim aprenderão de verdade) e, depois na razão, compreendendo aos poucos o propósito daquelas exigências e hábitos vividos na família. Evidentemente, isso exige que os pais estejam muito envolvidos na formação, conscientes de que os filhos não se formarão bem se não forem bem acompanhados e orientados e que, para isso, é preciso que, em primeiro lugar, os próprios pais lutem por viver as virtudes e os valores que pretendem ensinar. 

Vamos então às dicas práticas: 

  1. Seja exemplo: para os filhos, especialmente quando pequenos, os pais são os maiores exemplos. Criança aprende por imitação e adora imitar os pais e seus comportamentos. Reflita: você está levando suas tarefas até o final com empenho, consegue deixar o celular de lado nos momentos de convívio familiar, evitando dividir a atenção entre pessoas reais e ele, realiza suas tarefas sem reclamar do quanto custam a cada momento? Entenda que seu exemplo forma seu filho e se empenhe em oferecer como exemplo a luta por desempenhar bem suas tarefas.
  2. Não realize todos os caprichos de seu filho: se queremos pessoas que enfrentem as dificuldades e que cheguem ao final de suas tarefas, precisamos formá-las para entender que as coisas não se realizam magicamente. Que seus desejos não serão atendidos e realizados por você sem que elas em nada se esforcem para isso. Mais ainda, precisamos mostrar que nem tudo o que ele quer é bom e acontecerá; afinal, lidar com as frustrações é o prato principal para que enfrentem a vida real com fortaleza.
  3. Desde cedo atribua funções às crianças: que cada um tenha uma tarefa em casa, de acordo com sua faixa etária. Desde jogar sua própria fralda no lixo (assim que começa a andar), até ajudar na elaboração das refeições quando adolescentes. Para cada faixa etária, existem tarefas adequadas: envolva os filhos nelas para que entendam que a família e o lar requerem cuidados e que todos podem contribuir para que esse lar seja alegre, agradável e gostoso. Mesmo que tenha pessoas que ajudem com as tarefas de casa, cada filho deve ter a sua contribuição e se lembre: arrumar a cama é o mínimo que cada um deve fazer.
  4. Não faça por eles as tarefas que lhes foram atribuídas: ajude-os lembrando, acompanhando se for preciso, incentivando e elogiando, mas não fazendo por eles. Se a tarefa deles for feita por você, não se formarão na responsabilidade, e esse é o objetivo.

Não se esqueça: você está formando seu filho para a vida. Para vivê-la com liberdade e não escravizado por seus sentimentos e falta de domínio. Vale a pena empenhar-se seriamente nisso.

Simone Ribeiro Cabral Fuzaro é fonoaudióloga e educadora. Mantém o site: www.simonefuzaro.com.br. Instagram: @sifuzaro.

Comentários

  1. Gostei muito desse artigo! Tenho uma netinha de quase três anos, que já quer fazer as coisas à sua maneira e percebo a dificuldade de fazer com que ela faça as coisas da maneira correta.
    O artigo deu dicas práticas muito interessantes para a correta educação e desenvolvimento das crianças nessa fase importantíssima de sua formação.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter