‘Santo, Santo, Santo’!

SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE – 7 DE JUNHO DE 2020

Se Cristo não no-lo houvesse revelado, seria impossível conhecer o maior mistério da fé: Deus é Trindade. O Antigo Testamento já o havia de algum modo prenunciado. Os três Visitantes misteriosos de Abraão (cf. Gn 18); a Sabedoria divina personificada (cf. Pr 8); as menções ao “Espírito do Senhor” (cf. Gn 1,2) e a invocação a Deus como “Santo, Santo, Santo” (cf. Is 6,3) são exemplos disso.

A plena revelação da Trindade, porém, foi feita por Cristo. Ele se apresentou como o “Filho” unigênito e igual ao “Pai” e prometeu enviar o “Espírito Santo”. Além disso, ordenou aos apóstolos que batizassem “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19). Por Cristo, a Trindade se manifestou, inclusive visivelmente, em seu Batismo (cf. Mt 3,16s) e na Transfiguração (cf. Mt 17,5).

A celebração do mistério da Santíssima Trindade leva-nos a recordar esta verdade elementar: cremos em um só Deus em três Pessoas realmente iguais e distintas, Pai e Filho e Espírito Santo. A essência divina é uma só: o Pai é igual ao Filho e ao Espírito Santo. As três Pessoas, contudo, têm relações distintas entre si. O Pai – Fonte e Origem – gera o Filho. O Filho – Sabedoria de Deus – é gerado pelo Pai. O Espírito Santo – Amor divino – procede do Pai e do Filho.

Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus; o Pai é imenso, o Filho é imenso e o Espírito Santo é imenso; o Pai é Senhor, o Filho é Senhor e o Espírito Santo é Senhor; o Pai é onipotente, o Filho é onipotente e o Espírito Santo é onipotente; o Pai é eterno, o Filho é eterno e o Espírito Santo é eterno. No entanto, não são três “deuses”, nem três imensos, nem três senhores, nem três onipotentes, nem três eternos; mas um único Deus imenso, Senhor de todas as coisas, todo-poderoso e eterno. Como dissemos, cremos em um só Deus em três Pessoas e o adoramos, sem confusão de Pessoas e sem separação da única substância divina.

Do ponto de vista espiritual, esta solenidade nos convida a aprender a nos relacionar pessoalmente e sem anonimato com cada uma das Pessoas divinas. Tanto as preces vocais quanto a oração mental podem se dirigir individualmente a cada uma delas. Assim, ao rezar o Pai-Nosso, por exemplo, pensamos na Pessoa do Pai. Com o “Vinde, Espírito Santo”, abrimo-nos ao Paráclito. E, antes da Comunhão, com o “Cordeiro de Deus”, falamos ao Filho. Podemos crescer na intimidade com cada uma das Pessoas, orando a elas individualmente e percebendo a sua particular presença! O Pai nos sustenta com a Providência; o Filho se entrega na Santa Missa; o Espírito Santo fala e nos santifica desde o centro da alma, onde Ele habita. Podemos também dialogar com cada uma das Pessoas na Santa Missa.

O Pai é a quem se dirige toda a Oração Eucarística. O Filho, como verdadeiro sacerdote e vítima, renova a oferta que fez de si mesmo no Calvário. O Espírito Santo atualiza os mistérios celebrados e, juntamente com a Palavra de Cristo, realiza o milagre da transubstanciação. E, com profunda reverência, confessamos: “Santo, Santo, Santo”!

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Viver bem o tempo presente

Fomos todos surpreendidos pela pandemia do novo coronavírus. Depois de 1918, com a gripe espanhola, que dizimou muitas pessoas ao redor do...

O ‘Covidão’ do aborto

Quem lesse de relance uma manchete como “Movimentos financiados por fundações internacionais na iminência de conseguir a legalização do aborto no Brasil”...

Catequese: parte importante na missão da Igreja

O novo Diretório para a Catequese, publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, válido para a Igreja em todo...

Clássicos do cinema: ‘Ao Mestre com Carinho’

POR JOÃO FOUTO To Sir with Love – no Brasil “Ao Mestre com Carinho” – é um excelente...

Newsletter