A traição de Judas aconteceu para que se cumprissem as Escrituras?

Eis a pergunta que recebi da Eva Rezende, do bairro do Tatuapé: “Gostaria que o senhor falasse sobre a traição de Judas. É verdade que esta traição foi profetizada por Jesus e, se não fosse Judas o traidor, seria outro? É verdade que esta traição teria que acontecer de qualquer jeito para que se cumprissem as Escrituras?”

Nossa, Eva, pensar que Deus pudesse criar alguém para ser traidor, para ser infeliz, para ser alguém de coração mal é um pecado contra a bondade, a ternura e a misericórdia divina. Judas planejou como quis a traição. Negociou esta traição. Combinou o preço. Sabia bem o que queria. Jesus chegou mesmo a provocá-lo para ver se ele mudava de ideia, quando o chamou de amigo e lhe disse: “O que você veio fazer aqui?”

Jesus não mexeu com a liberdade de Judas. Na Última Ceia, Ele também tentou demover Judas de seu intento. Alertou que sabia da armação de Judas quando molhou o pão na travessa de molho e lhe entregou. E no diálogo com o traidor, Jesus até mesmo disse algo como: “Você está decidido a fazer isso comigo, não é mesmo? Então, vá logo”.

Ninguém se pergunta por que Judas caiu em desespero? Caiu, sim, e por quê? Porque percebeu o terrível erro que tinha cometido e, em vez de pedir perdão, cometeu suicídio, que é a consequência máxima de um sentimento de culpa doentio.

Minha irmã, você acha que um pai gera um filho para ele ser infeliz? Você acha que um pai investe tudo num filho para que ele seja um crápula, um ladrão, um criminoso, um homem sem caráter? Se um pai da Terra não faz isso, como poderia fazer o Pai dos pais, que é Deus? Judas mostrou que não entendeu nada do que Jesus lhe tinha ensinado. O exemplo de Pedro, porém, é diferente: sua traição foi motivo para que ele chorasse amargamente, e Jesus não deixou de amá-lo.

É isso aí, minha irmã. Fique com Deus e que Ele abençoe você e sua família!

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

  1. Padre, está escrito em Atos 1:15-20 o ato de Judas. E no versículo 25 diz que ele foi para o seu próprio lugar, isto é, o inferno. Judas não era filho de Deus, era filho do diabo (João 8:44-47), porque no 47 diz: “0Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus.” Ou seja, Judas não era filho de Deus, era filho do maligno, como Caim (1João 3:12). Se a gente entender que, nesta terra, existem filhos de Deus e filhos do diabo, fica simples entender porque existem tantos crimes absurdos, tantos pessoas que contam friamente como cometeram assassinatos. João explica isso em 1Jo 3:10 Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão.
    Existem duas sementes nesta terra – os que são de Deus e os que são do diabo – Em Romanos 9:11-24, Paulo mostra claramente esta distinção e separação que o Senhor faz entre os vasos de honra e vasos de desonra, entre os vasos de ira (preparados para a perdição) e os vasos de misericórdia (preparados de antemão para a glória).
    Veja que Deus diz: 13 ​Como está escrito: Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú. 14 ​Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum!
    E por que Deus se aborreceu de Esaú? Deus não se aborrece dos seus filhos. Ele se aborreceu de Esaú, porque Esaú era da perdição. E Jacó, mesmo com esse nome que significa enganador, Deus lhe mudou o nome para Israel, porque era filho de Deus e era a continuação da descendência de Abraão, nosso pai na fé.

    • Sua bíblia é diferente da minha, pois em momento algum ele fala que se aborreceu de Esaú, e sim que desde a barriga ele escolheu Jacó e aborreceu Esaú, oque significa que mesmo Esaú sendo mais velho, as bênçãos seria do caçula, Esaú teve uma vida Boa, mas a promessa foi para Jacó.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Viver bem o tempo presente

Fomos todos surpreendidos pela pandemia do novo coronavírus. Depois de 1918, com a gripe espanhola, que dizimou muitas pessoas ao redor do...

O ‘Covidão’ do aborto

Quem lesse de relance uma manchete como “Movimentos financiados por fundações internacionais na iminência de conseguir a legalização do aborto no Brasil”...

Catequese: parte importante na missão da Igreja

O novo Diretório para a Catequese, publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, válido para a Igreja em todo...

Clássicos do cinema: ‘Ao Mestre com Carinho’

POR JOÃO FOUTO To Sir with Love – no Brasil “Ao Mestre com Carinho” – é um excelente...

Newsletter