Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia

Conheça as histórias dos que fazem da marquise do Minhocão a sua morada e as percepções dos moradores no entorno da via

Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia
Fotos: Luciney Martins /O SÃO PAULO

Duas realidades são perceptíveis no Minhocão, essa estrutura de concreto de 3,4km que em 2022 completa 51 anos de existência: na parte superior, é possível ver beleza, poesia, luz e cor, mas embaixo existe uma realidade sem luz, predominantemente cinza e insalubre.

Para dezenas de pessoas, 24 horas por dia, a marquise do Minhocão serve de refúgio de moradia na maior cidade da América Latina.  

 ‘O MINHOCÃO É O MEU LAR’

Na manhã de 13 de janeiro, Custódio Manoel, 64, estava a caminho do Largo Santa Cecília. Já passava das 7h e ele tinha um caminhar apressado para garantir o café da manhã. Natural de Valparaíso (SP), está há seis anos morando nas ruas do centro da capital e, nos últimos anos, a marquise do Minhocão tem sido sua casa. Ele diz que, mesmo com toda a violência e o barulho, a região é melhor para ele, pois garante alimentos e alguns trocados com a venda de papelão.

“Não é todos os dias que consigo vender papelão, mas aqui eu encontro quem doa um alimento, uma roupa e recebo outras ajudas. O Minhocão é o meu lar, aqui que tento viver nos últimos anos, mesmo sendo um lugar barulhento e perigoso”, diz Custódio Manoel, segurando algumas caixas de papelão na mão e com olhos atentos na movimentação da avenida.

Negro, com cabelos e barba branca e com uma certa dificuldade para falar, Custódio Manoel diz que, apesar de todas as situações que vivencia sob o viaduto, gosta de contemplar a beleza e a arte que existem na região. “Aqui tem muitas coisas bonitas. É só procurar com calma que você acha”, afirma, apontando para uma arte de grafite na pilastra.

Luciene Lopes dos Santos, 46, vive com o companheiro embaixo do viaduto há quatro anos. Acampados em barracas improvisadas, o cão de nome “Chocolate” é o amigo vigilante. Sobrevivem com vendas de recicláveis que coletam na região, mas, em razão das constantes chuvas, não haviam conseguido renda qualquer há duas semanas.

Nascida em Tatuzinho (MG), Luciene conta que há cinco dias ela e o companheiro foram agredidos por outra pessoa em situação de rua enquanto dormiam. “Acho que não nos bateram porque o ‘Chocolate’ latiu muito. Quando isso acontece é sempre ruim, mas é normal por aqui”, afirma. Seu maior sonho é morar novamente em uma casa.

Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia
José Maurício da Silva

“O Minhocão pra mim e para muitos é o meio de sobrevivência, principalmente quando chove é o nosso abrigo”, afirmou ao O SÃO PAULO José Maurício da Silva, 49, profissional de Educação Física. Há dois anos, ele ficou desempregado e, sem conseguir pagar o aluguel, foi obrigado a viver nas ruas de São Paulo.

Silva pagava aluguel em um cômodo na região da Cracolândia com os “bicos” que fazia. Em razão de conflitos e desativações, deixou aquela região. Escolheu morar nas imediações do Minhocão. Ele relata dificuldades para convivência nos centros de acolhida e a violência no período da noite sob a marquise e imediações do viaduto. Aos fins de semana, faz “bico” trabalhando em feira livre.

Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia
Pedro Henrique Palácio durante corte de cabelo

Pedro Henrique Palácio, 24, está há seis meses em situação de rua. Ele aguardava na fila para cortar o cabelo no Castelinho, entidade que presta serviços gratuitamente à população em situação de rua.  Ele conta já ter vivenciado diversas humilhações no viaduto, entre elas as ações do “rapa” – agentes da zeladoria do município –, que, conforme relata, recolhem os pertences dos moradores, jogam água nas calçadas e destroem as barracas dos moradores de rua.

“Muitas pessoas moram no Minhocão porque não tem outro jeito. Aqui não existe beleza: a gente vive com ratos, lixo, goteiras e o preconceito. Aos finais de semana, somos proibidos de frequentar a parte de cima”, desabafa Palácio. Ele assegura que várias vezes tentou participar das manifestações culturais do Elevado para vender doces, do qual tira o seu sustento, mas sempre foi barrado.

LEIA TAMBÉM
Uma década decisiva para o futuro do Minhocão

FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE

Outra realidade ao entorno do Minhocão são as famílias que moram em cortiços e ocupações. São pessoas que, em média, sobrevivem com um ou dois salários mínimos e possuem contratos precários de aluguel, sem qualquer tipo de garantia.

Para o urbanista e pesquisador Vitor Nisida, do Instituto Pólis, o atual Projeto de Intervenção Urbana (PIU) para região não contempla os mais pobres. “O que existe é uma solução de mercado que contribui para o déficit habitacional da cidade”, afirma. “A população de rua aumentou consideravelmente, a insegurança habitacional também. É urgente discutir o projeto do Minhocão de forma inclusiva”, diz o arquiteto.

Isaque de Brito Venâncio, 41, veio de Ribeirão Preto (SP) tentar maneiras de sobreviver, após perder o emprego por causa da pandemia.

“Vim com a minha família tentar sobreviver aqui em São Paulo. Tudo é muito complicado, e a cidade parece que não inclui a gente. Nós não passamos fome por conta das doações que recebemos”, conta Venâncio, que mora na favela do Moinho, uma ocupação próxima ao Minhocão. Ele, a mulher e o filho têm recebido ajuda das paróquias e organizações em torno do Minhocão, que doam cestas básicas e prestam assistência para famílias em situação de vulnerabilidade.

“Meu maior medo é perder a minha moradia”, disse uma das entrevistadas que não quis ser identificada. Ela mora em um cômodo com três filhos e o companheiro, que atualmente trabalha como entregador de água e bebidas na região. A cesta básica ajuda, mas não é suficiente até o final do mês.

Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia

Adelina de Sousa, 61, conta que o benefício social que recebe é insuficiente para manter todas as despesas da casa, incluindo o valor do aluguel. As cestas básicas que recebe têm ajudado. Essa realidade é comum à de outras dezenas de mulheres que aguardavam na fila em frente ao Castelinho para receber a primeira cesta básica do ano.

Juliana (nome fictício) mora com os filhos em um apartamento alugado próximo à Avenida São João. A situação econômica da família se agravou nos últimos dois anos. Para ela, morar próximo ao Elevado é a garantia de sobrevivência. Além das doações, estar perto de uma estação do metrô e postos de saúde é ter a possibilidade de realizar pequenos trabalhos para complementar a despesa da casa. Ela trabalha como diarista, mas nos últimos meses não tem conseguido serviços.

Na calçada, próximo à estação do metrô Marechal Deodoro, Ilza Alves, 66, está sorridente, mas tem um olhar de cansaço. Aos seus pés, há um tecido estendido no chão e vários objetos de vidro expostos para venda. “São usados, mas estão em bom estado”, diz. Há três anos, as calçadas em torno do Elevado têm sido seu local de trabalho. Desempregada, decidiu vender os próprios utensílios domésticos para não ir morar na rua. Com o auxílio emergencial que recebeu, comprou novas mercadorias e tem sobrevivido das vendas, doações e agora busca receber seu direito à aposentaria. “Tem que ter esperança. Do jeito que as coisas estão não pode ficar”, reforça.

COMERCIANTES E MORADORES MAIS ANTIGOS

O que é visível acima, sob e em torno do Elevado, é um reflexo que os indicadores do Brasil em 2021 : 19,1 milhões de pessoas estão privadas de alimentação e 5,8 milhões de brasileiros não possuem moradia adequada.  Ao percorrer toda a extensão sob o Elevado João Goulart, observa-se dezenas de barracas e pessoas dormindo no chão entre as pilastras.

Neuza Maria mora na região desde a década de 1970. Ela diz que andava à noite pelas ruas próximas, mas atualmente tem receio de sair de casa mesmo durante o dia. Ela avalia que a situação econômica do País contribuiu para que muitas famílias ficassem em estado de abandono. “Na calçada do prédio onde moro, quatro moradores de rua dormem todos os dias. Eles vivem por lá”, conta.

“Eu não vejo os moradores de rua como um problema. Penso que isto é resultado da atual situação que vivemos no Brasil. O problema é o fato de não haver banheiros públicos na extensão do Elevado, os pilares e calçadas se tornam um banheiro a céu aberto”, afirma o comerciante e morador Kelvin Caetano. Ele comenta, ainda, que mesmo com as pessoas morando sob o Minhocão, as praças e algumas ruas próximas, a exemplo da Praça Marechal Deodoro, se tornaram um acampamento de barracas onde estão famílias inteiras, crianças e usuários de drogas.

O taxista João Cardoso, 58, trabalha entre o Largo do Arouche e a Santa Cecília. Ele considera que os moradores em situação de rua trazem insegurança e que as atuais propostas de melhoria para a região não são satisfatórias. “Trabalhar à noite no entorno do viaduto é inviável. Eu acho o Elevado interessante como fluxo de uma região para outra, porém para trabalhar ultimamente nesta região está muito complicado. Por aqui existem várias Cracolândias, e isso é um problema de saúde pública”, afirmou.

Manoel Neves, proprietário de uma padaria que fica em torno do viaduto, diz que a degradação da região aumentou bastante nos últimos cinco anos. Ele conta que o cenário que era de andarilhos passou a ser dos sem-teto, com famílias e o mais agravante com a presença de crianças. O comerciante avalia que derrubar o Elevado não é a solução e que, mais do que projetar um parque, o poder público deveria investir em moradia para todos, pois, por consequência, criaria oportunidades de emprego.

A reportagem procurou a Prefeitura de São Paulo para detalhamentos sobre as ações que realiza junto à população em situação de rua que sobrevive sob o Minhocão e as ações de zeladoria no local.

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) informou que realiza constantemente Serviços Especializados em Abordagem Social (SEAS) e encaminha as pessoas para centros de acolhidas. Comunicou, também, que as ações da zeladoria são realizadas diariamente, cumprindo o Decreto Municipal nº 59.246/2020. Entretanto, não mencionou as ações específicas na região do Elevado Presidente João Goulart, mas que são feitas ações em toda a região central por meio da Subprefeitura Sé.

SOLIDARIEDADE

Quem percorre o Elevado Presidente João Goulart, vê que são muitas as pessoas que individualmente ou em família vivem situação de insegurança alimentar e de moradia. Organizações religiosas, ações independentes e coletivos têm ajudado essa população vulnerabilizada.

Na Paróquia Santa Cecília, além das doações de cestas básicas para mais de 200 famílias, é distribuído café da manhã para mais de 150 pessoas, semanalmente. “Empobreceu muito o centro da cidade, e muitas famílias moram em casarões que alugam cômodos e vivem no dilema de comer ou pagar o aluguel. Além dos alimentos, as pessoas estão nos pedindo trabalho, serviços para sobreviver”, afirma o Padre Alfredo Nascimento, Pároco.

Perto dali, fica a organização Clube de Mães do Brasil, mais conhecida por Castelinho, que atende diariamente mais de 100 pessoas em situação de vulnerabilidade da região. De segunda a sexta-feira, o espaço oferece água, banho, corte de cabelo, banheiro, alimentação e cestas básicas às famílias, além de orientações e auxílio para obter documentação. A instituição realiza o trabalho com a ajuda de voluntários e doações. 

Embaixo do Elevado, a luta dos mais pobres é para sobreviver a cada dia
Maria Eulina

Maria Eulina Hilsenbeck, fundadora do Clube Mães do Brasil, alerta para o aumento da fome e a violência contra as pessoas mais pobres da região: “Aqui é uma espécie de pronto-socorro, e nós nunca fomos bem-aceitos, nos acusam de atrair os moradores de rua para a região. Eu fui moradora de rua e, quando cheguei, já havia pessoas morando sob o Elevado”.

Ao final do Minhocão, na Rua Rego Freitas, o Centro Matilha Cultural, grupo autônomo voltado ao ativismo cultural, ajuda a população em situação de rua, durante a semana, com distribuição de alimentos, kits de higiene e atrações de cultura. O espaço oferece banheiros, forno micro-ondas para aquecer alimentos e distribui café da manhã todos os domingos. A Matilha Cultural realiza locação de espaços e utiliza uma espécie de “permuta social”, para quem precisa utilizar seus espaços e não tem recursos, em troca solicita doações para ajudar essa população.

Deixe um comentário