‘Sou um missionário Verbita que canta a essência da Palavra de Deus unida à Liturgia’

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Ele deu vida a canções como “Prova de amor maior não há”, “Eu vim para que todos tenham vida”, “Sim, eu quero”, entre tantas conhecidas nacional e internacionalmente. 

Padre José Henrique Weber completou 90 anos de idade no dia 23 de setembro. O Sacerdote da Congregação dos Missionários do Verbo Divino, Padres Verbitas, é formado em Música pelo Pontifício Instituto de Música Sacra em Roma, com ênfase em canto gregoriano e composição, e especialista em Música pelo Institut Catholique de Paris, na França. Foi ainda Assessor de Música Litúrgica da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). 

Aos 90 anos, ele tem vários projetos em andamento e outros ainda em produção. “Parar, nem pensar! Enquanto Deus me conceder vitalidade e forças, quero continuar propagando o Evangelho por meio da música litúrgica”, disse em entrevista ao O SÃO PAULO

Na quinta-feira, 29, às 20h, haverá um concerto em comemoração dos 90 anos do Sacerdote, na Basílica Menor de Sant’Ana (Rua Voluntários da Pátria, 2.060). 

VOCAÇÃO 

Padre Weber nasceu em Anitápolis (SC). É filho de Samuel Henrique e Benta Matos dos Santos Weber. 

Na Paróquia São Bonifácio, recebeu os sacramentos do Batismo, Eucaristia e Crisma. Ele recordou que, na sua infância, por causa das distâncias, na sua comunidade eclesial havia missa a cada dois meses, e que, aos domingos, seu pai era quem conduzia a “reza” do Terço e puxava as “cantorias”. 

Era desejo de seu pai que um dos nove filhos seguisse a vocação religiosa. Aos 10 anos de idade, José Henrique ingressou no Seminário Menor dos Missionários do Verbo Divino, em Ponta Grossa (PR), onde cursou as etapas do antigo Colegial. Com 16 anos, foi para o Seminário no bairro de Santo Amaro, onde professou os votos religiosos temporários, estudou Filosofia e Teologia e foi ordenado sacerdote em 1959. 

No seminário, era responsável por tocar os instrumentos musicais e ensinar aos demais seminaristas. Aos 16 anos, já tocava harmônio e dirigia a banda do seminário, com 25 instrumentos. “A música é um dom de Deus. Sinto que sou um missionário Verbita que canta a essência da Palavra de Deus unida à Liturgia. Essa é minha missão na Igreja.” 

NO VATICANO 

Recém-ordenado, ele foi enviado a Roma para estudar Música no Pontifício Instituto de Música Sacra, onde se dedicou por oito anos ao Canto Gregoriano e Composição. No mesmo período, por dois anos, foi bibliotecário da Biblioteca de Música do Instituto. 

“Na Itália, fui corredator de duas importantes revistas de música italiana: o Bollettino Siciliano, com editoria voltada à música sacra, e na Psalterium, com editoria voltada à música contemporânea”, recordou. 

MÚSICA LITÚRGICA 

Entre 1967 e 1983, foi Assessor de Música Litúrgica da CNBB. Como compositor litúrgico, já musicou todo o Novo Testamento, inclusive a literatura epistolar do Apóstolo Paulo. 

Padre Weber também se destacou no trabalho intenso que desenvolveu para a tradução dos Salmos e sua posterior musicalização para a edição brasileira da Liturgia das Horas. 

O Verbita explicou que a música possui uma variedade de estilos e categorias destinada a fins e ocasiões específicos, como é o caso da música sacra, com suas qualidades próprias. “Existe música para dormir, música de balada, para se divertir, e assim por diante. Mas existe, principalmente, a música que exprime a nossa fé, que é a música litúrgica, a música sacra”, destacou. 

Ainda sobre a importância da música, enfatizou que ela compõe o nosso cotidiano nas várias circunstâncias: ouve-se música no rádio, no celular, no trânsito. Ele reforçou que, na Igreja, “o canto litúrgico tem a função de promover a comunhão, a alegria e a esperança. É uma via do encontro de Deus conosco e do encontro pessoal com Cristo”. Frisou, também, que “a música litúrgica expressa a natureza da própria ação sacramental”. 

JUNTO COM O POVO 

Após 11 anos de colaboração na CNBB, Padre Weber atuou na Verbo Filmes e foi Reitor do seminário da congregação em Santo Amaro. 

“A missão Verbita é estar no meio do povo, morei no bairro Valo Velho, no limite dos municípios de Itapecerica da Serra e São Paulo. Por 11 anos, atuei em Iguape, no litoral Sul, diretamente na Pastoral dos Pescadores. Lá, também, fundei a Cooperativa de Pesca Prainha, que existe até hoje”, recordou o Missionário. 

Em Ilha Comprida (SP), Padre Weber ajudou a fundar a Paróquia Nossa Senhora Estrela do Mar. “Foi um período em que visitamos todos os paroquianos da ilha e pude sentir de perto a realidade desse povo de fé e batalhador”, contou. 

Quando completou 75 anos, retornou para a Casa de Idosos da congregação Verbita em Santo Amaro, onde retomou sua grande paixão: a música. “Desde então, estou me dedicando a compor, viajar o Brasil para as formações sobre o canto litúrgico. Está sendo um período fecundo, durante o qual compilei 25 volumes de cantos para o coro e para o povo; além de musicar todo o Novo Testamento”, destacou. 

EXPRESSÃO DE FÉ 

Atualmente, Padre Weber se dedica, juntamente com o maestro Delphin Rezende Porto, a convite da Escola de Cantores da Catedral da Sé, à composição de novas músicas para as antífonas do Missal Romano.

“Estamos procurando fazer o melhor para que a música litúrgica seja a expressão de fé do povo católico”, afirmou, o Sacerdote, recordando o intenso trabalho na Catedral de São Paulo e, também, as gravações e produções musicais que estão em andamento. 

Padre Weber expressou que “a música é uma arte construída ao longo dos séculos e que ela não pode ser artigo de museu preso ao passado, mas atualizada ao contexto atual sem perder a essência”. Ele se diz feliz com todo o legado que deixa e com o lançamento de mais um livro “O canto e a música litúrgica no pós-Concílio”. 

Recentemente, o Padre foi contemplado com a Medalha São Paulo Apóstolo na categoria Serviço Sacerdotal. 

5 comentários em “‘Sou um missionário Verbita que canta a essência da Palavra de Deus unida à Liturgia’”

  1. Tive a honra de participar em alguns eventos com a participação deste grande sacerdote, músico de extrema importância e significado para nossa Igreja no Brasil. Somente gratidão a Deus por sua existência!
    Sou da Paróquia S. Paulo da Cruz, Diocese de Osasco

    Responder
  2. Maria Lioza de Araújo Correia

    Padre Weber, fui sua aluna no CELMU e na pós graduação em
    música ritual na Faccamp, em São Paulo, onde tive a honra e o prazer de conhecê-lo e muito aprendi com suas aulas. Até hoje canto músicas de sua autoria, especialmente as composições das Antífonas dos Evangelhos nas missas dominicais. Envio- lhe meus sinceros parabéns pelos seus 90 anos bem vividos em semear o Reino de Deus neste mundo. Muitas bênçãos e felicidade para o senhor.

    Responder
  3. Grande importância para a Igreja do Brasil, a Igreja de opção preferencial pelos pobres da terra, dos injustiças e esquecidos. Tenho certeza que ajudou junto a tantos outros em especial João 30, a mudar a vida de muita gente no Vale do Ribeira... Paz e Bem!

    Responder

Deixe um comentário