Beatificado padre Jordan, fundador da família Salvatoriana

O cardeal vigário do Papa para a Diocese de Roma Angelo De Donatis presidiu o rito que elevou aos altares padre Francesco Maria da Cruz Jordan, fundador da Sociedade do Divino Salvador e da Congregação das Irmãs do Divino Salvador: o testemunho de sua santidade “passa pelas mãos de cada um de nós

Reprodução

“A intuição carismática do Beato Francisco guiou muitas mulheres e homens de diferentes nações e línguas para o seguimento do Evangelho e graças à obra da família Salvatoriana contribuiu para a difusão da mensagem de salvação em mais de 50 países.” Foi o que sublinhado o vigário do Papa para a Diocese de Roma, cardeal Angelo De Donatis, durante a Missa na Basílica romana de São João de Latrão com o rito de beatificação de Francisco Maria da Cruz Jordan, fundador da Sociedade do Divino Salvador e da Congregação das Irmãs do Divino Salvador.

Três fios e dois verbos

O cardeal De Donatis, recordando o testemunho do novo beato, indicou três fios. “O primeiro é meditar a Escritura”: somente “frequentando” a Escritura, lendo e meditando sobre ela, “se adquire a sabedoria espiritual para a proclamação”.

O segundo fio é a síntese da obra missionária do beato Francisco da Cruz: “Anunciar a todos, para salvar todos”. O terceiro fio, disse o cardeal Vigário, é a comunhão apostólica, “a unidade que somos chamados a testemunhar em vida”.

O cardeal deteve-se em seguida sobre os dois verbos que se repetem muitas vezes nos textos do beato Francisco: anunciar e salvar. Palavras que também devem ressoar no tempo em que vivemos. Um tempo que precisa de “uma proclamação de amor, de uma perspectiva de salvação, de um olhar para o céu, para a eternidade, para superar o vazio, o tédio, a apatia, a indiferença, a superficialidade”.

Uma vida em missão

Francisco Maria da Cruz Jordan transcorreu sua vida com uma missão: levar e tornar conhecida a palavra de Jesus. Nascido em 16 de junho de 1848, ele entrou no seminário aos 29 anos de idade e foi ordenado sacerdote em 1878. Enquanto estava na Terra Santa, foi inspirado a fundar uma obra totalmente dedicada a difundir a fé. Assim, em 8 de dezembro de 1881, fundou a Sociedade do Divino Salvador (Salvatorianos) em Roma. Sete anos depois, fundou a Congregação das Irmãs do Divino Salvador (Salvatorianas) em Tivoli, próximo de Roma.

Em 1893 a Congregação de Propaganda Fide confiou a prefeitura apostólica da missão de Assam na Índia aos Salvatorianos. No primeiro Capítulo Geral da Sociedade do Divino Salvador, em 1902, ele foi eleito Superior Geral vitalício. Com a deflagração da Primeira Guerra Mundial ele se mudou para Friburgo. Morreu em 8 de setembro de 1918 em Tafers, Suíça.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter