Bispos de Mianmar buscam ajuda para deslocados

Prelados católicos estão profundamente preocupados com a escalada dos combates no país do sudeste asiático

Bispos de Mianmar buscam ajuda para deslocados
Conferencia dos Bispos de Mianmar

A Conferência Episcopal Católica de Mianmar (CBCM) apelou por assistência humanitária para os milhares de deslocados na nação do sudeste asiático atingida pelo conflito.

“Como a CBCM representa justiça, paz, reconciliação, exige fortemente a todos os envolvidos que facilitem o acesso humanitário às pessoas que sofrem e aos deslocados internos, a fim de fornecer a eles a assistência humanitária básica”, disseram os bispos em uma carta conjunta divulgada em 14 de janeiro.

O presidente da CBCM, Cardeal Charles Bo, o secretário geral, Dom John Saw Yaw Han, e 16 outros bispos estão entre os que assinaram a declaração conjunta na assembleia geral realizada em Yangon de 11 a 14 de janeiro.

“A dignidade humana e o direito à vida nunca podem ser comprometidos”, disseram os bispos, acrescentando: “exigimos fortemente respeito pela vida, respeito pela santidade do santuário em locais de culto, hospitais e escolas”.

O apelo veio com a intensificação dos combates entre as forças da junta e grupos armados étnicos, juntamente com as forças de defesa do povo recém-emergidas nas últimas semanas.

A junta desencadeou ataques aéreos e bombardeios de artilharia, forçando milhares de pessoas, incluindo mulheres, crianças, idosos e enfermos, a fugir de suas casas para buscar refúgio em selvas próximas ou igrejas em vilarejos e cidades vizinhas. Igrejas e outras instituições comunitárias estão sendo deliberadamente visadas por forças da junta nos estados predominantemente cristãos Kayah, Chin e Karen. O último incidente foi relatado em uma igreja paroquial na Diocese de Loikaw, que foi atingida por um ataque aéreo.

Os bispos expressaram sua profunda preocupação com o agravamento da situação no país, especialmente com o bem-estar de pessoas inocentes nas áreas de conflito, independentemente de raça e religião.

Também manifestaram apreço por todos os sacerdotes, religiosos e catequistas que estavam oferecendo acompanhamento pastoral e apoio sacramental aos necessitados, apesar dos grandes perigos para suas próprias vidas.

“Somos inspirados pela comunhão de todo o nosso povo de Mianmar, que acolheu com compaixão as pessoas que fugiram, abrigou-as e as alimentou”, escreveram.

“Esta nação será curada por tais gestos”, acrescentaram, apelando a todos os católicos para promover a paz através de orações intensas.

Quase 350 mil pessoas, incluindo cristãos, foram deslocadas dos estados de Kayah, Karen e Chin desde o golpe militar em 1º de fevereiro de 2021.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento alertou no mês passado que metade da população de 55 milhões de Mianmar poderiam mergulhar na pobreza devido à pandemia de COVID-19 e à instabilidade política após o golpe.

Fonte: UCA News

Deixe um comentário