Catedrais francesas afetadas por incêndios já têm previsão de reabertura

Paris e Nantes testemunharam a tragédia das chamas em seus templos mais simbólicos, que tiveram parte de suas instalações e equipamentos destruídos. Graças à abundante arrecadação de recursos financeiros, as restaurações avançam em ritmo acelerado

Na história recente, a França foi abalada por incêndios em duas de suas centenárias catedrais: em abril de 2019, na Catedral de Notre Dame, em Paris, causado presumidamente em decorrência da queda de um andaime das obras de restauro que estavam em curso, afetando seu telhado e uma das torres; e em julho de 2020, na Catedral de São Pedro e São Paulo, em Nantes, que, embora controlado, foi considerado criminoso e ocasionou a destruição completa do órgão de 400 anos que ficava ali, bem como de um imponente vitral no lado oeste do templo e do célebre quadro de Hipólito Flandrin.


Deste então, diversas têm sido as iniciativas para se angariar recursos que custeiem a recuperação dos templos, permitindo sua utilização tanto para as atividades religiosas quanto para as turísticas. Em virtude da colaboração financeira de benfeitores, passos concretos têm sido dados com esse objetivo, permitindo até mesmo estimar quando poderá acontecer a reabertura ao público.

NOTRE DAME

Zenit


Um total de 840 milhões de euros (cerca de 986 milhões de dólares) é o valor arrecadado para a reconstrução da catedral parisiense atingida pelo incêndio. Doações, tanto de benfeitores franceses quanto do exterior, permitem manter a data de reabertura da catedral, fixada em 2024.

No entanto, as obras de reconstrução do entorno da Catedral estão a cargo da prefeitura de Paris e sua reabertura está prevista para 2025, o que sugere que o acesso ao templo para os turistas, principalmente aqueles que irão à capital francesa para as Olimpíadas de 2024, não será ainda possível naquela ocasião.

Neste momento, o custo total da reconstrução de uma das mais importantes catedrais góticas do mundo ainda não é público, mas prevê-se que até o fim deste ano o montante seja anunciado.

NANTES

Gaudium Press

Durante o último ano, foi efetuado um minucioso trabalho de levantamento dos estragos ocasionados pelo incêndio.

Valérie Gaudard, responsável pelos patrimônios históricos da região, explicou que a grande quantidade de chumbo proveniente da queima do órgão aumentou muito o risco de contaminação [dos trabalhadores no local], razão pela qual não foi possível fazer o trabalho de triagem dentro do templo de maneira mais rápida.

Na próxima semana, os trabalhos de reconstrução e restauração devem começar, porém a data prevista para a reinauguração da Catedral ainda não está totalmente definida, mas Valérie não acredita que seja antes de 2024, pois um dos grandes desafios está na reconstrução de um órgão à altura do anterior.

Fontes: Zenit e Gaudium Press

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter