Zâmbia em alerta com os casos de COVID-19

ACN tem enviado ajuda às comunidades católicas do país para quem mantenham as ações de evangelização e de assistência aos mais pobres

foto: Vatican Media

A segunda onda da pandemia de COVID-19 tem sido fortemente sentida pelos países do continente africano e afeta, sobretudo, a região sul, e de forma muito mais severa, pois a variante mutante está se espalhando rapidamente na África do Sul.

Dentre os países afetados está a Zâmbia. O vírus tem se espalhado rapidamente no local desde dezembro de 2020 e o país não está suficientemente preparado para lidar com isto.

Os hospitais não estão devidamente equipados e muito pouco é feito no sentido de proteger as pessoas, a capacidade de testagem e as facilidades de tratamento. Na maioria das vezes, somente os pacientes que têm sintomas graves são testados. Outras pessoas infectadas pelo vírus não são identificadas e, dessa forma, continuam a espalhar a infecção. Até agora não há quase vacinas disponíveis.

Expansão de infectados entre clérigos e religiosas

A conferência dos bispos de Zâmbia está agora dando o alarme, pois também tem havido casos de doença grave e mesmo morte entre os padres e religiosas. Em janeiro, o bispo Moses Hamumgole, da Diocese de Monze, morreu em decorrência da COVID-19, com apenas 53 anos.

De fato, padres e religiosas têm um alto risco de infecção, pois eles não podem simplesmente se isolar. Ao contrário devem, muitas vezes, estar em contato próximo com os fieis para o ministério pastoral. Além disso, muitas Irmãs em geral trabalham diretamente nos hospitais, cuidando dos enfermos.

Um aspecto particularmente alarmante é o fato de que, não somente entre os padres dos centros urbanos densamente povoados, mas também nas áreas rurais remotas, estão ocorrendo casos de infecção.

Algumas paróquias tiveram que ser fechadas temporariamente porque todos os padres contraíram o vírus. Por isso, há a necessidade de prover equipamento de proteção adequado para os padres e religiosas, tais como, máscaras, visores, desinfetantes e vestimentas próprias. Isto é urgentemente necessário, mas muito caro.

Caos econômico

A suspensão das missas dominicais e o fechamento de escolas levaram a uma grande queda de renda de subsistência das igrejas; que é vital para a manutenção das paróquias.

Por isso, os bispos de Zâmbia apelaram à Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) para envie equipamentos de proteção pessoal, pelo menos para aqueles padres e religiosas que trabalham nas dioceses mais severamente afetadas pela pandemia.

Até agora, durante a pandemia, a ACN já ajudou um total de 1.486 padres e Irmãs, nas três dioceses de Chipata, Kabwe e Kasama; de forma que eles possam continuar seu ministério pastoral com algum grau de proteção e, ao mesmo tempo, proteger outros da infecção.

Fonte: ACN

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter