‘O Espírito Santo é aquele que reúne a Igreja e a santifica’

‘O Espírito Santo é aquele que reúne a Igreja e a santifica’
Dom Odilo preside rito da Vigília de Pentecostes (Reprodução da internet)

Na noite deste sábado, 30, aconteceu a celebração da Vigília de Pentecostes, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo.

Organizada pelos movimentos e novas comunidades da Arquidiocese de São Paulo, o evento fez parte da programação especial iniciada no dia 22 e que será concluída neste domingo, 31, Solenidade de Pentecostes.

Este ano, devido à pandemia de COVID-19, a liturgia foi celebrada no Centro de Evangelização da Comunidade Aliança de Misericórdia, no Jardim Botuquara, na zona Noroeste, sem a presença física de fiéis que acompanharam as transmissões pelas mídias digitais. Em 2019, a Vigília de Pentecostes reuniu cerca de 15 mil pessoas no Vale do Anhangabaú, no centro da capital.

“Estamos distantes fisicamente, mas unidos pela mesma fé que nos é dada pelo Espírito Santo”, afirmou Dom Odilo e pedindo a Deus pelo fim da pandemia e rezando na intenção de todos aqueles que sofrem com suas consequências, especialmente os doentes, profissionais da saúde e falecidos. 

LEIA TAMBÉM:
Os dons do Espírito Santo levam à perfeição as virtudes daqueles que os recebem

ALMA DA IGREJA

No inicio da Vigília, foram apresentados testemunhos de jovens famílias e consagrados que tiveram suas vidas transformadas pela ação e graça do Espírito Santo. Em seguida, houve a liturgia da Palavra.

Ha homilia, Dom Odilo fez uma catequese sobre a ação do Espírito Santo na Igreja e na humanidade. Ele ressaltou que Pentecostes e um momento fundamental para a Igreja, pois a vinda do Espírito Santo no Cenáculo de Jerusalém marca o início a missão pública da Igreja

“O Espírito Santo é aquele que anima, orienta e conduz a Igreja, é a sua alma, que dinamiza e dá eficácia à sua ação em todos os sentidos”.

FRUTO DA REDENÇÃO

Comentando o Evangelho de São João (Jo 20,19-23), que narra a aparição de Jesus aos apóstolos após sua ressureição, o Arcebispo destacou que, Cristo os saudou com a paz e, em seguida, sopra sobre eles e diz: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.

“O Ressuscitado comunica o Espírito Santo”, enfatizou o Cardeal Scherer, chamando a atenção que Pentecoste completa o mistério da ressureição de Jesus, é “o fruto da redenção”. Dom Odilo recorda, ainda, que é por obra desse mesmo Espírito que acontece o mistério da encarnação de Deus no ventre da Virgem Maria e acompanha Jesus em sua missão.

“Jesus, cheio do Espírito Santo, anuncia o Evangelho, realiza os sinais de Deus e anuncia a presença de seu Reino no meio dos homens. É Jesus que, na sua morte, ‘entrega seu espírito’”, ressaltou o Arcebispo, acrescentando que o Espírito Santo é aquele que dá vida e, na morte de Jesus, foi entregue à humanidade e complementa: “O primeiro dom do Ressuscitado é o próprio Espírito Santo”.

MISERICÓRDIA

Dom Odilo continuou a homilia enfatizando que a primeira ação da Igreja ao receber o Espírito Santo foi o anúncio da misericórdia de Deus e a concessão do perdão dos pecados, como afirmou Jesus ao soprar o Espírito sobre os apóstolos.

“A ação do Espírito Santo na Igreja e por meio dela, é o anúncio da Boa-Nova da misericórdia, do perdão, da paz de Deus, da reconciliação dos homens com Deus. Portanto, é a primeira grande ação da redenção”, afirmou o Purpurado.

O Arcebispo reforçou que essa misericórdia é dada por Deus à humanidade para que todos tenham uma “vida nova”, dignidade, não mais como o “homem velho”, aquela “do primeiro Adão, que vive segundo o pecado, cheio das suas paixões e do espírito do mundo”.

ESPÍRITO CRIADOR

Outro aspecto destacado por Dom Odilo é que, O Espírito Santo agiu desde a criação do mundo. “Porque a criação e a redenção da humanidade são obra de Deus Trindade. Da vontade e do desígnio salvífico do Pai, realizado pela mediação do Filho e na ação do Espírito Santo”, explicou.

O Cardeal Scherer recordou, ainda, que, ao longo da vida, o cristão recebe a graça do Espírito Santo diversas vezes. “A primeira grande efusão do Espírito Santo foi no Batismo, quando recebemos a graça santificante pela qual nos tornamos filhos e filhas de Deus, de maneira que podemos chamar Deus de Pai. A partir do Batismo começa a nossa religião, que é um relacionamento filial com Deus Pai”.

‘O Espírito Santo é aquele que reúne a Igreja e a santifica’
Vigília aconteceu sem a presença física de fiéis, que acompanharam a transmissão pelas mídias digitais (Foto: PentecostesSP)

O DOM DE DEUS

Outra ocasião em que se recebe o Espírito Santo na vida Cristã é no sacramento da Confirmação, por meio da unção com o óleo do Crisma. “Na Confirmação, recebemos os dons do Espírito Santo, mas, antes de tudo, recebemos o dom do Espírito Santo”, destacou o Arcebispo, recordando a fórmula proferida pelo Bispo quando unge a fronte do crismando: “Recebe por este sinal o Espírito Santo, dom de Deus”.

“Este dom é Deus mesmo que vem a nós, o dom maior que nos é dado para que, por ele, tenhamos a plenitude, a abundância dos seus dons, para que possamos servi-lo, honrá-lo e realizar a sua obra em nossa vida, produzindo os frutos do seus Espírito que age em nós”, completou Dom Odilo, acrescentando que a com a graça recebida nesses sacramentos, o cristão é capacitado para viver segundo o próprio Cristo, o ungido do Pai.

CORPO DE CRISTO

Quando à ação do Espírito Santo na vida da Igreja, o Cardeal Scherer salientou que ele não está “preso dentro da Igreja”, pois “sobra onde quer”. “Contudo, de maneira muito privilegiada, o Espírito Santo age na Igreja, corpo de Cristo, dos discípulos que receberam a sua efusão”, afirmou.

“Na Igreja, o Espírito Santo faz com que sua ação seja eficaz”, continuou o Arcebispo, dando como exemplo, na pregação do Evangelho, que sem a ação do Espírito Santo, seria “simplesmente um exercício de oratória”. “Se a semente da Palavra que cai no coração da pessoa, não encontrá-lo preparado pelo Espírito Santo, a semente continua sem fruto”, acrescentou.

O Espírito Santo também se faz presente nas ações litúrgicas da Igreja e na celebração dos sacramentos. “Cada sacramento é celebrado mediante a invocação do Espírito Santo. E, por isso, mesmo a eficácia daquele sacramento se dá pela graça  e ação do Espírito Santo”, ressaltou o Cardeal.

TESTEMUNHO NO MUNDO

“O Espírito Santo também age na vida dos cristãos que se reúnem em nome de Cristo, para rezar, praticar a caridade, testemunhar a fé, realizando bem sua missão no meio do mundo”, enfatizou o Arcebispo, chamando a atenção para o papel dos cristãos leigos que, na sua profissão, na sua missão na sociedade, também são instrumentos da ação do Espírito Santo.

“Por isso mesmo, devem ter a coragem de realizar bem aquilo que são encarregados de fazer, quer por missão dada pela Igreja, mas , ainda, pela missão que têm na sociedade, por meio de seu trabalho e encargo no meio do mundo”, reforçou Dom Odilo.

PARA VIVER AS VIRTUDES

O Cardeal Scherer também recordou que o Espírito Santo capacita os cristãos para viverem as três virtudes teologais: fé, esperança e caridade. “Sem o Espírito Santo não teríamos fé. É ele que nos dá a capacidade de crer, que move o nosso coração a dizer: ‘eu creio, eu aceito’, dizer ‘sim a Deus’”, afirmou.

“O Espírito Santo nos capacita para a esperança sobrenatural nas promessas de Deus , dos bens da redenção. Nós cremos na vida eterna, na sua recompensa de Deus e esperamos por ela. Esperamos a plenitude da ressurreição”, frisou.

De igual modo, o Espírito Santo capacita o cristão para a caridade, isto é, amar além das capacidades naturais e instintivas da humanidade, em outras palavras, “amar como Jesus amou”, sem esperar retribuição, querendo apenas o bem do outro, inclusive dos inimigos. “Só é possível amar com a força de Deus se temos a graça do Espírito Santo”.  

VIDA CRISTÃ

“O Espírito Santo nos capacita para viver a vida cristã no dia a dia, na prática das virtudes cotidianas, que nos fazem humanamente melhores, pois essas virtudes, são a forma de melhor expressar a vida nova recebida no Batismo, vida segundo o Evangelho, as bem-aventuranças, na imitação de Cristo”, acrescentou o Cardeal.

Nesse sentido, o Espírito Santo também capacita os cristãos a testemunharem o Evangelho na vida moral, dos mandamentos, para viverem “a vida digna dos filhos de Deus”.

“É o Espírito Santo, portanto, que nos capacita em todo momento a discernir o que bom, segundo o Evangelho, que nos capacita a agir com discernimento, a ter a força de abraçar o que é bom… Quando estamos diante de uma tentação, de uma escolha, rezemos ao Espírito Santo, peçamos a ele que nos ajude, ilumine e fortaleza para fazermos a escolha boa e certa em nossa vida”, exortou o Arcebispo, acrescentando que é o Espírito Santo que dá a capacidade de reconhecer a vontade de Deus e corresponder a ela.

“Nós todos somos chamados a sermos santos. O que é ser santo senão ser cheio do Espírito Santo, ser testemunhas dessa comunhão com ele. Portanto, traduzir em vida santa a nossa união com Deus”, afirmou o Cardeal.

AQUELE QUE REÚNE A IGREJA

Dom Odilo destacou a ação do Espírito Santo na unidade da Igreja, recordando que, no Hemisfério Sul, é celebrada a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos justamente nos dias entre as solenidades da Ascensão do Senhor e de Pentecostes.

“Infelizmente, a Igreja de Cristo, ao longo do tempo, veio sendo dividida… Não é o Espírito Santo que leva a Igreja a dividir-se. São nossos pecados, egoísmos, orgulhos, nossa incapacidade de sermos humildes, de reconhecer os caminhos de Deus, de reconhecer a verdade de Deus e queremos afirmar a nossa verdade. Isso leva à divisão”, acentuou o Cardeal, recordando que a divisão é sempre ação do maligno, aquele que divide:

“Quem acha que essas brigas, essas divisões ideológicas e esse ódio semeado por meio das mídias sociais, confrontos, acusações, mentiras inventadas uns contra os outros, é de Deus? Com toda certeza não”.

COMUNHÃO

“Espírito Santo é aquele que promove a união, a harmonia, a comunhão, a paz, a colaboração. Aquele que, portanto, une os corações, que faz somar esforços. Aquele que ajuda a compreender, a perdoar, a reconciliar”, reforçou o Arcebispo, sublinhando que é o Espírito Santo que reúne a Igreja.

“A Igreja é a comunidade dos discípulos reunidos na comunhão do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, afirmou Dom Odilo, salientando que sem a ação do Espírito Santo, a Igreja seria mais uma organização humana. “A Igreja de Cristo é a testemunha do Evangelho, do Reino de Deus, da grande esperança que deve animar a humanidade. É testemunha de Deus no meio do mundo”, completou, ressaltando que é o Espirito santo quem renova, converte, fecunda e conduz a Igreja pelos caminhos do Evangelho.

CAMINHO SINODAL

Nesse sentido, Dom Odilo recordou que a Igreja em São Paulo vive esse caminho de comunhão, conversão e renovação missionária ao celebrar o sínodo arquidiocesano.

“Pedimos ao Espírito Santo que renove a Igreja, que nos dê a capacidade de uma conversão pastoral e missionária de acordo com as grandes necessidades que hoje são postos diante de nós como discípulos e missionários”.

No fim a celebração, foi invocado o Espírito Santo sobre a Igreja e toda a humanidade, por meio do hino Veni Creator Spiritus (Vinde Espírito Criador).

PROGRAMAÇÃO

A programação de Pentecostes da Arquidiocese de São Paulo segue ao longo deste domingo, 31, com momentos de oração, pregação, shows e testemunhos até as 16h30, quando Dom Odilo presidirá a missa solene.

Acompanhe a transmissão do evento pelo FacebookInstagram ou Youtube.

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Não flexibilize a prevenção contra a COVID-19

O estado de São Paulo vivencia, desde o início de junho, uma quarentena mais flexível, permitindo...

Papa Francisco: ‘a família deve ser protegida’

“Para que as famílias no mundo de hoje sejam acompanhadas com amor, respeito e conselho”. Esta é...

Arcebispo de Dublin critica o limite imposto pelo Estado para a celebração de Missas na Irlanda

POR GUSTAVO RAMOS Missas com a presença física dos fiéis foram retomadas no País em 29 de junho

Santa Maria Goretti: jovem testemunha da virtude da pureza

Na missa desta segunda-feira, 6, na capela de sua residência, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de...

Há 125 anos, Paróquia Sant’Ana é sinal da presença de Deus na cidade

Para comemorar o jubileu, a histórica matriz paroquial da zona norte de São Paulo foi elevada à dignidade de basílica menor

Newsletter