Tempo Comum, a escola de Jesus

Os chamados “tempos litúrgicos” (Advento, Natal, Quaresma, Páscoa) visam a uma preparação espiritual em dupla dimensão: a reflexão de uma determinada festa ou solenidade, iluminada pela luz da Palavra de Deus, e uma prática sociopastoral que lhe corresponde, esta última, voltada para o cotidiano das relações humanas.

E o “tempo comum”? – Perguntarão alguns. Qual a sua razão de ser? Trata-se de um período de menor importância?

Tempo Comum, a escola de Jesus
Reprodução do folheto litúrgico “Povo de Deus em São Paulo

De início, convém não esquecer que o ano litúrgico deve ser visto como um “organismo vivo e integral”. Consiste em um todo orgânico, mas concentra a atenção em momentos fortes e oportunos – kairológicos – como referências para o percurso conjugado da fé e da ação.

Voltando à pergunta específica sobre o “tempo comum”, não seria exagero defini-lo como um período propício em que somos convidados a frequentar a escola de Jesus. Tempo de sentar junto ao Mestre ou de caminhar com Ele, escutando com atenção o conteúdo de seus ensinamentos. Momento de catequese, de discipulado. Qual o mistério oculto da Boa Nova, centrada no Reino de Deus? Que querem dizer suas parábolas e discursos, seus gestos e milagres? Como entender seus encontros constantes e prolongados com o Pai?

A escola de Jesus mergulha suas raízes na casa/família de Nazaré. Ou seja, na sabedoria que vem do silêncio. O tempo comum nos chama a uma atitude de silêncio, justamente para que possamos saborear o tempero da Palavra. Esta Palavra (no singular e com maiúscula) é diferente das palavras (no plural e com minúscula). Em vez de ruído, ela é sinônimo de serenidade: livre, criativa, libertadora. Aquece o coração, ilumina a mente, conforta a alma. Nasce, cresce e se fortalece no terreno da escuta. Por isso é que o silêncio é a oficina, o útero da verdadeira Palavra viva da Salvação. O caminho de Jesus ensina a respirar o oxigênio da vida.

A experiência de Jesus – onde o tempo comum figura como uma espécie de frequência escolar – também ajuda a dar um passo fundamental: a passagem do discípulo para o missionário, usando a linguagem do Documento de Aparecida.

Após o Mistério Pascal e o Pentecostes, os discípulos medrosos se converteram em missionários ardorosos. “Não ardia o nosso coração enquanto Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras”, comentavam entre si os discípulos de Emaús (Lc 24,32). Tornaram-se evangelizadores, apóstolos da Boa Nova, espalhando-se pela Ásia, a África e a Europa.

O aprendizado junto ao Mestre, enfim, coloca-nos em relação com sua prática pedagógica. Para entendê-la, basta ter em conta os lugares privilegiados pelo homem de Nazaré. Três se destacam com grande ênfase: a montanha, onde permanece longamente com o Pai; a casa/mesa, em que valoriza a partilha do pão e da vida; e o caminho, por onde vai ao encontro do pobre e doente, dos excluídos e indefesos, do invisível e marginalizado. Tríplice horizonte de sua prática evangelizadora: a oração, a comunhão e a missão. Três dimensões interligadas, indissociáveis, complementares, que reciprocamente se fortalecem.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter