Cardeal Scherer preside missa no Amparo Maternal

Cardeal Scherer preside missa no Amparo Maternal, Jornal O São Paulo
Cardeal Scherer saúda mãe e bebê após missa no Amparo Maternal (Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Como acontece todos os anos, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu uma missa no Amparo Maternal, na Vila Clementino, na terça-feira, 21, por ocasião da proximidade do Natal.

Uma das maiores maternidades de assistência pública do Brasil, a instituição surgiu com o desejo de acolher e dar assistência a todas as gestantes em situação de risco e vulnerabilidade social na cidade de São Paulo.

Desde a sua origem, em 1939, a entidade tem ligação com a Igreja, pois foi fundada graças ao empenho do médico obstetra Álvaro Guimarães Filho, da religiosa franciscana Madre Marie Domineuc e do então Arcebispo de São Paulo, Dom José Gaspar D’Affonseca e Silva.

Em 2021, a instituição passou uma significativa mudança administrativa e atualmente, conta com gestões distintas para a maternidade e o centro de acolhida a mulheres gestantes e puérperas.

ENCONTROS DIVINOS

Na homilia, Dom Odilo afirmou que o Amparo Maternal tem uma profunda relação com o mistério celebrado no Natal. “Este é o lugar onde nasce a nova vida, onde mulheres que geram seus filhos, assim como a Virgem Maria gerou Jesus, são acolhidas e amparadas com dignidade”, disse. 

Recordando que o Natal é a celebração do mistério de Deus que vem ao encontro da humanidade por meio de seu Filho, o Arcebispo sublinhou que os encontros que acontecem na entidade também são divinos e, por meio deles, o amor de Deus pela humanidade de manifesta.

ACOLHIDA

Atualmente, o Centro de Acolhida atende 50 mulheres, com o apoio de dezenas de voluntários e benfeitores. A entidade também conta com o apoio projetos parceiros voltados para a inserção social como de iniciativas parceiras de reinserção social das mulheres atendidas, como o Solicitude Aparo Maternal, uma iniciativa desenvolvida pela Associação Católica Missionários da Redenção.

Lorenna Pirolo, Diretora Presidente do Amparo Maternal desde julho, afirmou ao O SÃO PAULO que este ano de foi um ano de muitos desafios e aprendizados. “Aprendemos que com a ajuda de cada uma podemos tecer uma grande colcha de retalhos. Cresceu a nossa demanda e consequentemente, estamos trabalhando para aumentar a oferta de acolhida”, disse.

MATERNIDADE

Já a maternidade é atualmente gerida pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), organização social sem fins lucrativos atuando em parceria com o poder público na área da saúde, por meio do Programa de Atenção Integral à Saúde (PAIS).  

Referência em parto humanizado, o Amparo Maternal realiza uma média de 500 partos por mês, dos quais 70% são naturais. A instituição conta, ainda, com Pronto Atendimento Obstétrico. Já o atendimento ambulatorial oferece consultas médicas articuladas com a rede básica de saúde. O hospital também realiza exames laboratoriais e de diagnóstico por imagem. Todos os atendimentos realizados são 100% gratuitos, feitos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Cardeal Scherer preside missa no Amparo Maternal, Jornal O São Paulo
(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

VALORES

Padre Jorge Bernardes, Assistente Eclesiástico do Amparo Maternal, ressaltou o esforço para manter vivos os princípios e valores que regem historicamente a instituição. “O Amparo Maternal continuar sendo a entidade que acolhe, protege a mulheres com dignidade que sempre a marcou”, afirmou.

Ao se referir à ligação histórica da instituição com a Arquidiocese de São Paulo, Padre Jorge recordou que desde a sua fundação o Amparo Maternal contou com a proximidade e atenção dos arcebispos metropolitanos, o que continua a ser demonstrado pelo Cardeal Scherer.

“A Arquidiocese de São Paulo, na pessoa de Dom Odilo e da procuradoria da Mitra Arquidiocesana tem nos dado todo apoio para enfrentarmos os desafios. As perspectivas são as melhores possíveis”, enfatizou o Assistente Eclesiástico, acrescentando que a Arquidiocese possui um compromisso moral com a instituição por sua história e missão. 

Na conclusão da missa, ao agradecer ao empenho e esforço dos profissionais e voluntários da entidade, o Cardeal afirmou que para continuar sua missão, “o Amparo maternal também precisa ser amparado”. “Que o amparo seja ser abraçado por todos. Que mais pessoas façam parte desse time. Este é um belíssimo trabalho, que tem uma longa história que segue agora em uma nova etapa de sua existência”, afirmou Arcebispo.  

BENÇÃO

Quando a angolana Titina Sônia Mubeto, 38, chegou o Brasil, há seis meses, ela estava no nono mês de gestação. Diante da crise socioeconômica que atinge sua terra natal, seu maior desejo era garantir uma vida digna para seu primeiro filho. Após ser atendida pela Caritas Arquidiocesana, foi encaminhada para o Amparo Maternal, onde deu à luz a um menino a quem colocou o nome de Bênção. “Sim, ele é a maior bênção da minha vida e é por ele que decidi passar por tudo isso”, relatou.

Há seis meses no Centro de Acolhida do Amparo Maternal, Titina se prepara para deixar a casa. “Aqui eu fui muito bem acolhida e verdadeiramente amparada. Sou grata a Deus e a todas as pessoas que trabalham neste lugar abençoado”, afirmou a mãe, garantindo que não quer se afastar da entidade. “Assim que eu conseguir um emprego e me estabilizar, quero ser uma das pessoas que ajudam o Amparo Maternal a transformar a vida de mulheres como fez comigo”, concluiu.

Deixe um comentário