Escultura gigante de São Bento pode ser vista em paróquia na zona Sul de São Paulo

Obra é do artista Diego de Andrade, que percorre o Brasil levando sua arte sacra, que impressiona por traços leves que convidam ao belo e ao sagrado

Arquivo Pessoal

Natural de Recife (PE), Diego Silva de Andrade, 36, é escultor sacro e confecciona imagens entre 1,20m e 3m. Em sua trajetória, já produziu 40 imagens que estão espalhadas em paróquias de todo o País.

Em São Paulo, na Paróquia São Bento do Morumbi, na Diocese de Campo Limpo, está uma das obras do artista: uma escultura de 1,20m de São Bento, finalizada em dezembro de 2023 e enviada à igreja em fevereiro deste ano.

Diego Silva de Andrade, 36, é escultor sacro e confecciona imagens entre 1,20m e 3m

O ARTISTA E SUA ARTE

Desde a adolescência, Diego de Andrade desenha, pinta e se aprofunda na arte sacra. “Comecei a trabalhar com arte em geral, aos 13 anos e, profissionalmente, desde 2016. Porém, já na infância, tive contato com escultura”, afirmou. “A arte sacra sempre me atraiu e hoje garante o sustento da minha família”.

Diego afirma que a concepção de uma obra exige muito estudo e dedicação. “Primeiro, busco aprofundar a história do santo ou da santa. Em seguida, faço a pesquisa de modelos e, então, crio uma escultura”, afirmou, destacando, ainda, que pesquisa sobre os elementos a serem usados na confecção.

“Uma nova escultura requer também o processo de criação da estrutura de ferro nas medidas da obra a ser feita, o processo de modelagem na argila, o molde em gesso, a fundição com resina e fibra de vidro, e por fim, a policromia”, ressaltou.

Segundo o artista, os traços leves das obras e a delicadeza convidam à oração, à contemplação e à vivência da fé. “As minhas peças são todas finalizadas em resina estrutural, reforçada com fibra de vidro, policromia com tinta automotiva e laca poliéster. Esses são os detalhes técnicos que estruturam a peça e a sustentam. Mas os verdadeiros detalhes da obra estão em transmitir o máximo possível da vida do santo, sua personalidade, sua expressão de fé e o seu legado”, disse à reportagem.

INSPIRAÇÕES

Sobre a obra de São Bento, o artista enfatizou que este trabalho trouxe um toque a mais de emoção. “A criação e execução do Santo Beneditino eu a considero como uma das mais importantes, pois minha avó, Severiana Cavalcanti da Silva, falecida recentemente, sempre foi muito devota e teve a graça de acompanhar o andamento da confecção da peça”, contou.

“São Bento é um personagem importante no catolicismo, fundador da Ordem Beneditina, Padroeiro da Europa e Patriarca do monacato ocidental. Sua vida dedicada à oração e ao serviço ao Senhor são exemplos e inspiração para nossa caminhada de fé”, frisou.

“É uma grande honra dedicar minha vida ao trabalho com arte sacra e uma alegria divulgar esse gênero artístico para o Brasil, por meio das peças que confecciono”, finalizou o escultor.

Para conhecer mais sobre o trabalho do artista, acesse o Instagram: @diego.andrade_escultor.sacro.

VISITE A OBRA

A escultura de São Bento feita pelo artista Diego Silva de Andrade pode ser vista na porta de entrada da matriz da Paróquia São Bento do Morumbi (Rua Santo Américo, 357, São Paulo).

SÃO BENTO

São Bento nasceu em Núrsia, por volta do ano 480 d.C. Sua vida, desde a juventude, era dedicada à oração. Seus pais, bastante ricos, mandaram-no a Roma para garantir-lhe uma boa formação. Ali, porém, – narra São Gregório Magno – encontrou más companhias e amigos viciados. Então, Bento deixou Roma e foi, inicialmente, para a localidade denominada Enfide e, depois, por três anos, viveu como eremita em uma gruta, em Subiaco, que se tornaria o centro espiritual dos Beneditinos. Este seu período de solidão foi uma preparação para outra etapa fundamental do seu caminho: Montecassino.

A São Bento, irmão de Santa Escolástica, foram atribuídos muitos milagres. Mas o milagre maior e mais duradouro do Pai da Ordem Beneditina foi a composição da “Regra”, escrita por volta do ano 530 d.C. Trata-se de um Manual, um código de orações para a vida monacal, no qual Bento exorta os monges a “ouvirem com o coração” e a “jamais perderem a esperança na misericórdia de Deus”.

(Com informações de Vatican News)

guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Cintia Gomes da Costa
Cintia Gomes da Costa
14 dias atrás

Eu amo as artes dele,sigo ele no Instagram.Ele está de parabéns.👏🏻👏🏻