Padre José Roberto Abreu de Mattos celebra jubileu de prata presbiteral

Sacerdote presidiu missa na noite da terça-feira, 17, na Basílica de Sant’Ana, concelebrada pelo Cardeal Scherer

Por MARIANA CARVALHO

Na noite da terça-feira, 17, o Padre José Roberto Abreu de Mattos celebrou seu jubileu de prata sacerdotal, em missa na Basílica de Sant’Ana.

O Cardeal Odilo Pedro Scherer realizou os ritos iniciais da missa e depois passou a presidência da celebração ao Padre José Roberto. Entre os concelebrantes também esteve Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Santana.

Vida e itinerário vocacional

Nascido em Cafelândia (SP), Padre Beto, como é mais conhecido, afirma que sua vocação nasceu no colo de seus pais. Aos 6 anos, ele já servia como coroinha na Paróquia São João Evangelista, onde sua mãe trabalhava cuidando da limpeza do templo.

Desde criança, sentia o chamado e sempre dizia que iria ser padre. Aos 18 anos, após terminar o Ensino Médio, entrou para o Seminário da Arquidiocese de São Paulo. Foi ordenado no dia 17 de agosto de 1996, na festa da Assunção de Nossa Senhora.

De lá para cá, atuou como Vigário Paroquial da Paróquia Santa Isabel, no bairro da Casa Verde, e Pároco da Paróquia Santo Antônio do Lausanne. Cursou mestrado em Filosofia na PUC-SP e, então, foi enviado para Roma, onde fez doutorado na mesma área.

Em 2008, assumiu como Pároco na Paróquia Santa Joana D’Arc, no Jardim França. E, desde 2019, está na Basílica de Sant’Ana, que foi elevada a esse título em julho de 2020. Sendo assim, é também Reitor da Basílica Menor de Sant’Ana.

Sempre devoto da Virgem Maria, compartilha sua veneração com os fiéis e nas Celebrações dedica um momento à Ela. “Minha vida sacerdotal continua toda permeada pela presença amorosa da Virgem Maria e toda entrelaçada de uma espiritualidade mariana”, conta.

Testemunho vocacional

Na terceira semana do mês vocacional, o Cardeal Scherer iniciou a Eucaristia elucidando o que é ser padre: “Ser padre é ser pastor. Padre é feito para estar com o povo, em meio ao povo, ajudando, encorajando, socorrendo os fragilizados. É estar intimamente ligado às coisas de Deus”, disse.

Dom Odilo lembrou, ainda, que a vocação sacerdotal tem como animadora a caridade, trabalho ao qual o Padre Beto sempre se manteve atento desde o início de seu chamado.

A caridade continua até hoje na Basílica de Sant’Ana, onde cerca de 1200 famílias cadastradas são atendidas pela doação de cestas básicas por mês e em torno de 400 irmãos em situação de rua recebem café da manhã diariamente.

Na homilia, Padre Beto destacou: “hoje digo de coração aberto a todos que esta vocação, esta dedicação e este amor são minha vida”. E ainda acrescentou que respira a vocação sacerdotal, que tem fonte de inspiração na Bem-Aventurada Virgem Maria, a Senhora das Graças.

“Hoje, nós iniciamos o primeiro passo na direção do Jubileu de Ouro. É para frente que devemos olhar, com gratidão a Deus pelo trabalho realizado até aqui”, disse Dom Jorge Pierozan ao final da Eucaristia. O Bispo Auxiliar ainda lembrou dos serviços pastorais em prol dos irmãos carentes que o Padre Beto continua a fazer na Basílica que, segundo ele, é um polo de misericórdia.