Novas provas históricas indicam que Pio XII salvou milhares de judeus do Holocausto

Novas provas históricas indicam que Pio XII salvou milhares de judeus do Holocausto
Papa Pio XII (reprodução da internet)

O arquivista-chefe do Bundestag (Parlamento alemão), Michael Feldkamp, dedica-se há anos em pesquisas históricas sobre o Papa Pio XII. O historiador Feldkamp já publicou temas como a nunciatura de Colônia e a diplomacia papal, assim como artigos sobre a relação entre a Igreja Católica e o Nacional-socialismo. Sua obra “Pio XII e a Alemanha”, de 2000, teve como objetivo levar o complexo estado da pesquisa a um público mais amplo e foi também uma resposta ao livro de João Cornwell Pio XII – “O Papa que ficou em Silêncio”. 

Os silêncios cúmplices de Pio XII: é também sobre isso que se trata das novas descobertas nos arquivos do Vaticano, onde a Feldkamp trabalha com o arquivista Johannes Ickx. O Papa Pio XII (no trono papal de 1939 a 1958) salvou pessoalmente pelo menos 15 mil judeus e soube imediatamente sobre o Holocausto. Segundo Feldkamp, o Papa Pacelli enviou um relatório sobre os extermínios nazistas aos americanos logo após a Conferência Wannsee, mas os americanos não acreditaram nele, daí muitos aspectos desconhecidos para o público em geral:

O senhor esteve nos arquivos do Vaticano nos últimos dias e viu alguns documentos até então desconhecidos sobre Pio XII. O que há de novo na pesquisa sobre Pio XII que o público em geral ainda não sabe?

Antes de tudo, nós na Alemanha não somos os únicos que fazemos pesquisas sobre Pio XII. Também não há apenas historiadores neste campo, mas também jornalistas – dos quais precisamos como multiplicadores. O que é novo agora, e o que sempre soubemos até hoje, é que Eugenio Pacelli, ou seja, Pio XII, soube do Holocausto logo no início. Com relação ao extermínio sistemático dos judeus europeus, Pio XII enviou uma mensagem ao Presidente americano Roosevelt em março de 1942, dois meses após a conferência de Wannsee. Em sua mensagem advertia que algo estava acontecendo na Europa nas zonas de guerra. Estas mensagens não foram consideradas confiáveis pelos americanos. Hoje sabemos (…) que Pio XII se confrontava com a perseguição dos judeus quase diariamente. Ele recebia e lia vários relatórios e chegou a criar um seu departamento interno dentro da Segunda Seção da Secretaria de Estado, onde os funcionários tinham que lidar exclusivamente com tais assuntos. Ali trabalhava Dom Domenico Tardini – que mais tarde se tornou um importante cardeal no Concílio Vaticano II – e também Dom Dell’Acqua, também mais tarde um cardeal. Também é considerado um dos principais autores da Constituição Concílio Vaticano II sobre Reconciliação com os judeus do (Nostra Aetate). Durante a Segunda Guerra Mundial, esses responsáveis estiveram em contato muito próximo com Pio XII, informando-lhe diariamente sobre as perseguições e deportações em massa, bem como sobre os destinos individuais das pessoas que pediam ajuda a eles. E o fato mais importante é que agora podemos estimar que Pio XII salvou pessoalmente cerca de 15 mil judeus através de seu esforço pessoal: abrindo os mosteiros e os claustros para que as pessoas pudessem ficar escondidas. Tudo isso é de uma enorme importância! Os documentos arquivados que encontrei agora no Vaticano mostram a precisão com a qual Pacelli fosse informado.

O senhor disse as afirmações de Pio XII sobre o destino dos judeus não foram consideradas pelo lado americano. Como a Santa Sé reagiu, mas também o Papa Pio XII?

Trata-se de uma correspondência diplomática, somente as cartas que receberam são confirmadas. É interessante, entretanto, que o Presidente dos Estados Unidos ou os seus colaboradores no Departamento de Estado tenham contatado repetidamente Pio XII para obter informações sobre casos individuais… O apoio de Pio XII aos judeus foi tão longe que a Guarda Palatina papal, uma espécie de guarda-costas do Papa como a atual Guarda Suíça, esteve envolvida em brigas com as Waffen-SS, com os soldados da Wehrmacht, para esconder os judeus na basílica romana de Santa Maria Maior. Agora pode-se ver e provar tudo isso. Sou grato que tenham aberto estes arquivos no Vaticano. Desta forma, podemos agora corrigir muitas destas vagas suposições ou mesmo acusações. Sobretudo, há a acusação de que Pio XII não fez nada e permaneceu em silêncio. O problema do silêncio ainda está presente, é claro. Mas agora pode ser considerado razoável, considerando que ele levou pessoas a se esconderem em operações secretas. Naquela época ele não podia chamar mais a atenção sobre si mesmo organizando protestos ou escrevendo notas de protesto, mas para desviar a atenção, ele conduzia negociações com a embaixada alemã e as forças policiais italiana, mesmo com Mussolini e o ministro das Relações Exteriores italiano e assim por diante. Ele sempre tentou conseguir o máximo possível através de negociações.

Como o senhor vê a historiografia de hoje e sua reavaliação dos dossiês de Pio XII? Os resultados são apresentados de forma correta e honesta, ou o senhor teme que haja algumas reservas?

A reavaliação de hoje pode ajudar a esclarecer isto. Mas também temo que certos círculos ainda tentem retratá-lo de forma negativa. Acho que isso vai acontecer. Mas certamente é difícil acusar ou querer acusar alguém em detalhes. Vejo também em minhas pesquisas e publicações aqui na Alemanha como é difícil transmitir estes novos resultados como confiáveis. Portanto, ainda há pessoas que dizem que não podem imaginar que durante 70 anos acreditamos na falsidade, e agora é suposto que seja diferente. Frequentemente encontro este ceticismo, tanto dentro como fora da Igreja. O que devemos prestar muita atenção, e o que eu sempre fiz, é ter em mente que os resultados e os dossiês estão todos escritos em francês e especialmente em italiano. E que a maioria dos meus colegas, que são historiadores e que também sabem muito sobre a Segunda Guerra Mundial, muitas vezes não entendem italiano. Isto significa que eles agora dependem de seus colegas para traduzi-lo, ou dependem do que eu apresento e traduzo. Naturalmente tento traduzir com muita precisão e depois coloco as citações em italiano para que as pessoas possam entender novamente, se necessário. Acho que pode ser feita muita coisa neste campo…. Já tivemos casos em que as pessoas simplesmente erraram na tradução ou passaram de uma tradução para outra de forma incorreta.

Fonte: Vatican News

1 comentário em “Novas provas históricas indicam que Pio XII salvou milhares de judeus do Holocausto”

  1. Pio XII nunca foi o “Papa de Hitler”. Pelo contrário: cada vez que o tempo passa, mais provas de que ele ajudou dezenas de milhares de judeus a escaparem da perseguição nazista.

    Responder

Deixe um comentário