O Papa na Audiência Geral: é bom nos vermos face a face

“Obrigado por sua presença e por sua visita. Levem a mensagem do Papa a todos. A mensagem do Papa é que rezo por todos, e peço que rezem por mim unidos em oração”, disse o Papa aos fiéis reunidos no Pátio São Dâmaso, no início de sua catequese.

Vatican Media

“O combate da oração” foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral da quarta-feira, 12, realizada no Pátio São Dâmaso, no Vaticano, com a presença de alguns fiéis de várias partes do mundo.

Estou feliz em retomar estes encontros face a face, pois lhes digo uma coisa: não é bom falar diante do nada, diante de uma câmera. Encontrar as pessoas, encontrar vocês, cada um com sua história, ver cada um de vocês, para mim é uma alegria. Obrigado por sua presença e por sua visita. Levem a mensagem do Papa a todos. A mensagem do Papa é que rezo por todos, e peço que rezem por mim unidos em oração.

Rezar não é algo fácil

Segundo o Pontífice, “a oração cristã, como toda a vida cristã, não é um “passeio”. Nenhum dos grandes orantes que encontramos na Bíblia e na história da Igreja teve uma oração “confortável”. Sim, é possível rezar como papagaios, mas isso não é oração. Certamente ela concede uma grande paz, mas através de uma luta interior, por vezes dura, que pode acompanhar até longos períodos da vida. Rezar não é algo fácil. Cada vez que a queremos fazer, de repente lembramos de outras atividades, que naquele momento parecem mais importantes e mais urgentes. Isso acontece também comigo!”

Francisco disse ainda que “quase sempre, depois de termos adiado a oração, percebemos que aquelas coisas não eram absolutamente essenciais, e que talvez tenhamos desperdiçado tempo. O inimigo nos engana deste modo. Quem quiser rezar deve lembrar-se de que a fé não é fácil, e por vezes procede na quase total obscuridade, sem pontos de referência”.

“Contudo, os piores inimigos da oração estão dentro de nós”, disse ainda o Papa, citando o Catecismo da Igreja Católica que os chama de: «Desânimo na aridez, tristeza por não dar tudo ao Senhor, porque temos “muitos bens”, decepção por não sermos atendidos segundo a nossa própria vontade, o nosso orgulho ferido que se endurece perante a nossa indignidade de pecadores, alergia à gratuitidade da oração».

Combater na oração

“O que fazer no tempo da tentação, quando tudo parece vacilar? Se olharmos para a história da espiritualidade, vemos imediatamente que os mestres da alma foram muito claros sobre a situação que descrevemos”, disse o Papa, citando, por exemplo, os Exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola, um livreto de grande sabedoria, que ensina como pôr a vida em ordem. Santo Antônio Abade, fundador do monaquismo cristão, que enfrentou momentos terríveis no Egito, quando a oração se tornou uma dura luta.

“Combater na oração. Muitas vezes a oração é um combate”, disse o Papa, contando um episódio que aconteceu numa diocese na Argentina. Francisco recordou que um casal tinha uma filha doente por causa de uma infecção. Segundo os médicos, a menina morreria ainda naquela noite. O homem era um operário. Ele saiu do hospital chorando. Pegou o trem e viajou 70 km e foi à Basílica de Nossa Senhora de Luján. Quando chegou, a Basílica estava fechada e se agarrou às grades do portão. Rezou a noite inteira e de manhã a igreja abriu ele entrou para saudar Nossa Senhora. Essa cena é indelével: “Eu a vi! Eu a vivi”, disse o Papa. O combate daquele pai na oração precede um sorriso: o de sua esposa que lhe disse, quando voltou para casa, que sua filha foi inexplicavelmente curada. “Nossa Senhora o ouviu”. A “oração”, salientou o Papa, lembrando este episódio, “faz milagres”.

Jesus está sempre conosco: se num momento de cegueira não conseguirmos vislumbrar a sua presença, conseguiremos no futuro. Também nós um dia poderemos repetir a frase que o patriarca Jacó disse certa vez: «De fato, o Senhor está neste lugar, e eu não sabia disso!» (Gn 28, 16). No final da nossa vida, olhando para trás, também nós poderemos dizer: “Pensava que estava sozinho, mas não, não estava: Jesus estava comigo”.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter