Os pedidos do Papa Francisco para dar um ‘rosto humano’ à economia

Pontífice enviou mensagem de vídeo aos participantes do IV Encontro Mundial dos Movimentos Populares, no sábado, 16

Reprodução

O sistema econômico atual funciona com “uma implacável lógica de ganância” e está “escapando ao domínio humano”. São palavras do Papa Francisco em mensagem enviada ao IV Encontro Mundial dos Movimentos Populares, no sábado, 16. No discurso, gravado em vídeo – cuja íntegra pode ser vista em https://cutt.ly/aRh5a20 – o Papa faz uma ampla análise social e apresenta suas angústias sobre problemas que vão desde a crise sanitária à pobreza e ao cuidado do meio ambiente.

Referindo-se à Doutrina Social da Igreja, e em contínuo diálogo com esses movimentos, ele disse que é preciso dar “um rosto humano” aos modelos sociais e econômicos de hoje. O discurso vem sendo considerado por observadores do Vaticano um dos mais importantes do pontificado neste período de pandemia da COVID-19.

Em nome de Deus

Recordando a passagem bíblica sobre as bem-aventuranças, ele apresentou uma lista de pedidos para a família humana, apelos que faz “em nome de Deus”.

“A mudança pessoal é necessária, mas é imprescindível também ajustar nossos modelos sócio-econômicos para que tenham rosto humano”, disse. “E pensando nessas situações [de injustiça], faço esses pedidos a todos, e quero lhes pedir em nome de Deus.” Entre os pedidos do Papa estão:

  • a quebra das patentes de vacinas para doenças globais como a COVID-19, pois “há países onde só 3-4% dos habitantes foram vacinados”;
  • o perdão da dívida de países pobres por países ricos e organismos internacionais;
  • o fim da contaminação de rios e mares por empresas extrativistas;
  • o fim dos monopólios na produção e distribuição de alimentos;
  • o fim da produção e do tráfico de armas;
  • o fim da “exploração da fragilidade humana” por parte dos gigantes da tecnologia e dos que difundem “discursos de ódio, o grooming, fake news, teorias conspiratórias e manipulação política”;
  • a liberação de acesso a conteúdos educativos por parte de empresas de telecomunicação;
  • o fim da desinformação nos meios de comunicação;
  • o fim dos bloqueios unilaterais a qualquer país do mundo e a resolução de conflitos somente nas Nações Unidas e instâncias multilaterais;
  • que os governantes estejam próximos de seu povo e o represente;
  • que os líderes religiosos nunca usem o nome de Deus para difundir violência ou realizar golpes de Estado.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter