Papa agradece acolhimento a refugiados na Eslováquia, um país de trânsito

A demonstração de gratidão foi dada durante audiência no Vaticano na segunda-feira, 14. Francisco recebeu o primeiro-ministro da Eslováquia, Eduard Heger, que, em contrapartida, agradeceu o trabalho realizado pela Igreja local para organizar “um país em trânsito” que recebeu mais de 200 mil pessoas nas últimas duas semana

Vatican Media

O Papa Francisco recebeu em audiência na segunda-feira, 14, no Vaticano, o primeiro-ministro da Eslováquia, Eduard Heger, que, em entrevista à Rádio Vaticano/Vatican News, comentou que o Pontífice “apreciou muito o caloroso acolhimento que damos aos refugiados e ficou grato”. Por outro lado, Heger também se mostrou agradecido “pela ajuda da Igreja na fronteira, porque isso é realmente significativo”.

A acolhida aos refugiados 

Mais de 200 mil pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia passaram pelas fronteiras da Eslováquia nas últimas duas semanas: uma grande maioria só passa pelo país para alcançar familiares que vivem em outras nações e apenas 10% permanece na Eslováquia. “Temos que admitir que a Eslováquia, neste momento, é sobretudo um país de trânsito”, afirmou Eduard Heger em entrevista ao Vatican News. O primeiro-ministro comentou que “a maioria deles viaja para a República Checa, a Polônia ou outros países, onde têm familiares”.

A Igreja local tem organizado os voluntários para atuar junto aos centros de acolhimento construídos nas áreas vizinhas com a ajuda do Estado e de organizações de caridade, que recebem as pessoas que chegam – em grande parte jovens mães com os filhos. As dioceses e eparquias limítrofes com a Ucrânia desenvolveram imediatamente uma forte presença voluntária e organizaram campanhas de arrecadação de alimentos e bens de primeira necessidade. Já a Conferência Episcopal da Eslováquia tem coordenado um elenco daqueles que se ofereceram para receber os refugiados: eles são recebidos em casas privadas, casas religiosas e instalações paroquiais.

O cardeal Czerny na Eslováquia

Neste mesmo 14 de março, de audiência entre o Papa e o primeiro-ministro da Eslováquia, a Santa Sé anunciou que o Pontífice está enviando novamente em missão o cardeal Michael Czerny para expressar a proximidade do Santo Padre às pessoas que sofrem com a guerra na Ucrânia. Após a viagem à Hungria, desta vez o o prefeito interino do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral vai à Eslováquia. O purpurado se desloca nesta quarta-feira, 16 de março, ao país para, nos dias seguintes, viajar até a fronteira ucraniana.

Pe. Jozef Bartkovjak – Vatican News

Deixe um comentário