Papa aos consagrados: abrir os braços a Cristo e aos irmãos, sem deixar roubar a alegria

Papa aos consagrados: abrir os braços a Cristo e aos irmãos, sem deixar roubar a alegria
Fotos: Vatican Media


Três verbos e muitos questionamentos marcaram a homilia do Papa Francisco no dia em que a Igreja celebra a Vida Consagrada. A missa foi concelebrada pelo cardeal brasileiro João Braz de Aviz, à frente da Congregação que cuida dos consagrados em todo o mundo.

Um encorajamento a renovar o entusiamo da consagração: assim foi a homilia do Papa Francisco ao celebrar na Basílica de São Pedro a Santa Missa na Festa da Apresentação do Senhor, dia da Vida Consagrada.

Em sua reflexão, o Pontífice se inspirou no Evangelho do dia, nos dois anciãos Simeão e Ana, de modo especial em três verbos que acompanham a narração: mover, ver e acolher.

O ESPÍRITO SANTO OU A PAIXÃO DO MOMENTO?

Em primeiro lugar, Simeão é movido pelo Espírito: faz arder em seu coração o desejo de Deus.

“Isto é o que faz o Espírito Santo”, explicou Francisco: torna-nos capazes de vislumbrar a presença de Deus e a sua obra, não nas grandes coisas, mas na pequenez e na fragilidade. O Papa então questionou os fiéis, de particular modo os consagrados:

“Deixamo-nos mover principalmente pelo Espírito Santo ou pelo espírito do mundo? O Espírito Santo ou a paixão do momento?”

Francisco advertiu para o risco de pensar na consagração em termos de resultados, metas, sucesso, à procura de espaços, de visibilidade, de números. Por trás da aparência de boas obras, podem ocultar-se a traça do narcisismo ou o frenesi do protagonismo.

A ação pode ser movida ainda pela repetição mecânica – fazer as coisas por hábito. O convite então é para verificar as motivações interiores, “porque a renovação da vida consagrada passa primariamente por aqui”.

QUE VISÃO TEMOS DA VIDA CONSAGRADA?

A renovação passa também pelos olhos, como aconteceu com Simeão, que viu a salvação ao pegar o Menino nos braços.

Eis o grande milagre da fé, prosseguiu o Papa: abre os olhos, transforma o olhar, muda a perspetiva. A fé nasce do olhar compassivo com que Deus nos vê. Então o Pontífice faz novas interrogações:

“E nós? Que veem os nossos olhos? Que visão temos da vida consagrada?”

Muitas vezes, afirmou, o mundo a vê como um «desperdício», uma realidade do passado, qualquer coisa de inútil; o mesmo pode acontecer com os próprios consagrados, que mantêm os olhos voltados para trás, saudosos daquilo que já não existe.

“Abramos os olhos: através das crises, dos números que faltam, das forças que esmorecem, o Espírito convida-nos a renovar a nossa vida e as nossas comunidades.”

QUE ESTREITAMOS NOS BRAÇOS?

Por fim, o terceiro verbo: acolher. Simeão acolhe Jesus nos braços e pronuncia palavras de louvor. “Deus colocou o seu Filho nos nossos braços, porque o essencial, o centro da fé é acolher Jesus”, disse o Papa.

Se aos consagrados faltam palavras que bendizem Deus e os outros, se falta a alegria, se esmorece o entusiamo, se a vida fraterna é apenas fadiga, é porque os seus braços já não estreitam Jesus.

“Abramos os braços, a Cristo e aos irmãos!”

O Papa concluiu com palavras de encorajamento para renovar a consagração.  “Mesmo que experimentemos fadiga, cansaço e frustrações, façamos como Simeão e Ana, que esperam com paciência na fidelidade do Senhor e não se deixam roubar a alegria do encontro com Ele. Coloquemo-Lo no centro e continuemos para diante com alegria.”

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário